quinta-feira, 4 de março de 2010

CASAMENTO

CASAMENTO




ORIGEM DO CASAMENTO CIVIL





- O ano era 1854 e a cidade era a de Recife, hoje a capital do estado de Pernambuco.

Esses jovens filhos dos Protestantes ou tinham o casamento negado pelos padres católicos ou não se submetiam a receber o batismo romano nem tão pouco a praticar toda a idolatria peculiar àquela igreja e, portanto, viam-se em tremenda dificuldade para oficializarem suas uniões, já que as igrejas protestantes eram desconsideradas como instituição com autoridade para tal, sendo que, reuniões "às escondidas" eram comuns para que se celebrassem os casamentos entre os crentes por aqui.

- Nessa época, em uma manhã de domingo, um pastor metodista mais encorajado do que os demais, resolveu celebrar um casamento com portas abertas. Na platéia havia um delegado de polícia que, sabe-se lá o que fazia por ali, algemou o pastor e o levou preso em flagrante sob a acusação de "exercício ilegal de profissão", já que os pastores não tinham autoridade para isso.

- Provisoriamente o que se fez foi uma autorização civil, para que os casais pudessem, então, regulamentarem suas situações para então, segundo a fé que tivessem, se dirigissem ao sacerdote de suas preferências para, então, receberem a bênção correspondente àquela união que a justiça passou a considerar válida.

- Note-se que por todo o mundo não havia casamento civil. Os interessados fossem eles católica ou Protestante reunião suas famílias e tinham suas uniões celebradas pelos sacerdotes, o que era considerado mais que suficiente para validar a união dos casais.

- Na 1ª Constituição Federal, em 1889, quando da Proclamação da Rapública, é que se criou em definitivo o que hoje conhecemos como casamento civil, mais tarde como união civil.

- Com o passar dos tempos, pela falta de conhecimento histórico relacionado à questão, a autorização civil passou a ter mais valor do que a antiga bênção espiritual.

- No fim, o que se vê é um total desprezo pela bênção de um homem de Deus que viu um casal nascer, crescer, os batizou e, agora, os vê ser mais "abençoados" por um tabelião que jamais os viu nem verá novamente e que provavelmente para ele tanto faz falar em um cachorro bem como em Deus o que não faz diferença. E o pior é que as autoridades espirituais dizem: O casamento civil é que tem validade para Deus.

- Simplesmente lamentável.



DO CASAMENTO RELIGIOSO COM EFEITOS CIVIS E O NOVO CÓDIGO CIVIL



1. Considerações preliminares

É inegável a influência que a igreja possui em matéria familiar, sobretudo quando se trata do casamento. Orlando Gomes, no primeiro capítulo da obra Direito de Família, já afirma que "(...) não se pode omitir a influência da Igreja, por sua doutrina e ação, na elaboração do estatuto da família. (...) A Religião e a Moral influem na formação dos costumes familiares e, portanto, na legislação que o Estado dita para regular a constituição da família e as relações provenientes”. É curioso notar que, ainda hoje, persiste no povo brasileiro a idéia da necessidade das duas cerimônias: a religiosa e a civil.

2. De Trento ao Rio de Janeiro

O casamento civil surgiu, dentre outros fatores, da preocupação da Igreja Católica com os casamentos clandestinos e da necessidade de parametrização, normatização da matéria, uma vez que com o nascimento do anglicanismo, católicos passaram a não reconhecer os casamentos celebrados por protestantes e vice-versa.

"O casamento cristão, ao contrário do que se poderia imaginar, não é tão antigo quanto o Cristianismo. O casamento tal como conhecemos atualmente é uma invenção medieval e se casar na Igreja só se tornou prática corrente no século XIII".

Nos moldes atuais, o casamento civil foi instituído na Holanda, em 1580. Naquele país, todos os não calvinistas deveriam se casar perante o magistrado civil. Aos judeus, dispensava-se e, aos calvinistas, facultava-se.

Preocupada com as transformações sociais (a proliferação do casamento clandestino e a definição do padre como testemunha ou não na celebração) e religiosas (a reforma protestante), a Igreja Católica viu-se obrigada a convocar um concílio para definir sua doutrina a respeito de vários assuntos, inclusive casamento. Em 1.545, inicia-se o Concílio de Trento.

O Concílio resultou na afirmação do casamento como um contrato indissolúvel e no reconhecimento do princípio monogâmico na determinação do livre consentimento dos nubentes para contrair o matrimônio na obrigatória presença do ministro eclesiástico e testemunhas, com a benção.

A Igreja caminha soberana disciplinando o casamento até o século XVIII, com a Revolução Francesa, que “... inaugura o começo do período do casamento civil, obrigatório, determinando, a Constituição de 03/09/1791, no art. 7º, título 2, ‘que a lei considera o casamento somente como um contrato civil’".

"Em Portugal, o alvará de 12-09-1564 publicou e mandou observar as disposições do Sagrado Concílio Tridentino em todos os domínios da Monarquia Portuguesa...", por conseguinte, no Brasil. Este alvará, de autoria do Cardeal D. Henrique, regente português, foi ratificado por D. Sebastião, em 1569.



ORIGEM DO CASAMENTO NOS MOLDES HODIERNO É PAGÃO



Você sabia que a cerimônia de casamento nasceu na Roma antiga? Todo esse ritual da noiva se vestir especialmente para a cerimônia, veio de lá e virou uma tradição. Foi em Roma ainda que aconteceram as primeiras uniões de direito e a liberdade da mulher casar por sua livre vontade.

Desta forma quando as igrejas cristãs realizam o casamento na igreja nos moldes copiado da tradição romana, o que na verdade estão fazendo, estão abençoando o casamento pelos deuses romanos, porque os casamentos religiosos realizados nas igrejas cristãs é uma cópia fiel da sacramentação de origem pagã.

Seja honesto: abençoaria Deus um casamento nos moldes pagão como estão sendo realizado só porque nossos pastores e teólogos querem? Rejeitam o domingo porque dizem ser de origem pagã embora fora cristianizada pelo poder romano; porque dois pesos e duas medidas? Chama isto de honestidade espiritual? Seria este o motivo do grande número de divórcios no meio dos cristãos?

As igrejas estão seguindo exemplos pagãos oficializado pelo catolicismo, e depois querem afirmar que os realizados nos moldes católicos são sem validade, pura hipocrisia.

A mulher casar de forma obrigatória como foi no passado também não é de origem bíblica, e sim, do machismo, a liberdade de escolha é recíproca. Temos direitos iguais perante Deus.



BUQUÊT DE CASAMENTO É DE ORIGEM PAGÃ



Buquês e seus Significados - Os primeiros buquês de noivas incluíam não apenas flores, mas também ervas e temperos. Os mais populares geralmente com cheiro mais forte, como os alhos, eram usados para espantar os maus espíritos. As flores tinham cada uma, seu significado: hera representava fidelidade; lírio a pureza; rosas vermelhas o amor; violetas a modéstia; não-te-esqueças-de-mim era o símbolo de amor verdadeiro; flores de laranja davam fertilidade e alegria ao casal.



ALIANÇA DE CASAMENTO NO DEDO É TRADIÇÃO



Você sabia que o uso da aliança de casamento vem da tradição cristã, desde o século XI, e que era colocada no 3º dedo da mão esquerda, pois acreditavam que nesse dedo havia uma veia que ia direto para o coração? Aliás, ainda hoje, esse costume é praticado nos casamentos islâmicos.



VESTIDO DE CASAMENTO



Você sabia que o vestido branco para o casamento, que foi adotada em todo mundo, veio da Inglaterra, através da rainha Vitória em sua união com o primo, príncipe Albert. Sabia que foi a rainha quem o pediu em casamento? Pois, é! Naquela época não era permitido fazer um pedido desses a uma rainha, então, a rainha não teve alternativa, a não ser ela mesma pedir o príncipe em casamento.

• 11/09/1861 – Decreto 1144 – Efeitos civis dos casamentos religiosos.

• 17/04/1863 – Decreto 3069 – Pastores de religiões não-católicas têm autorização para efeitos civis dos casamentos.

• 25/04/1874 – Decreto 5604 – Regulamentou os registros civis de nascimentos, casamentos e óbitos.

• 14/06/1890 – Decreto 181 – Regulamentou a solenidade do casamento civil.

O que existe na verdade, é uma imposição anti-bíblica da intervenção da sagração do casamento e todas as igrejas aceitaram como se fosse uma intervenção oriunda do Eterno; e quando esta intervenção do homem em referência ao dizimo é questionada, todos chiam porque envolve altísimo valores monetários, é intocável bem como sobre o sábado, mas sobre o casamento qualquer um pode impor suas imposições que nossos líderes aceitam prontamente, desde que eles sejam exaltados em pessoa ou em suas decisões. É de se lamentar profundamente que nossos líderes sejam tão instável e que os liderados não tenha livre arbítrio, ainda são escravos espirituais e morais dos homens.



O CASAMENTO NA PALAVRA DO ETERNO



O casamento na Palavra do Eterno nunca teve formalidades a serem seguidas, com a continuidade da existência do ser humano, eles é que sempre procuraram inovar as instituições divinas, e “ÁI” de quem for ao contrário dos mandamentos denominacionais que não passam de normas humanas, esta pessoa é tida como alienada do reino de Deus por não mais darem crédito a certas imposições humanas. - Em vão, porém, me honram, Ensinando doutrinas que são mandamentos de homens. E dizia-lhes: Bem invalidais o mandamento de Deus para guardardes a vossa tradição. Mc. 7: 7. 9.

Para estes mesmos líderes podem perguntar a origem do casamento religioso e civil que eles não sabem, e por não saberem, suas orientações são baseadas em seus próprios umbigos teológicos impuros e convencionais.

► Em Sua eterna sabedoria Deus viu que não seria bom o homem viver sem uma companheira, não foi descoberta humana - Disse mais o Senhor Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma ajudadora que lhe seja idônea. Gn. 2: 18.

► O primeiro clone realizado antes do progresso da ciência e com perfeito sucesso, foi realizado por Deus - Então o Senhor Deus fez cair um sono pesado sobre o homem, e este adormeceu; tomou-lhe, então, uma das costelas, e fechou a carne em seu lugar. Gn. 2: 21.

1. ► Há um grande engodo ensinado por nossos líderes, de que o primeiro casamento foi realizado por Deus, mas um acurado estudo das Sagradas Escrituras, podemos observar que foi o contrário, Deus apenas fez a mulher e a levou para Adão - E da costela que o senhor Deus lhe tomara, formou a mulher e a trouxe ao homem. Gn. 2: 22.

2. ► Quem realizou o casamento foi o próprio Adão, Deus apenas consentiu, abençoou, aprovou, foi testemunha e tornou próspera esta união, este texto mostra a realização do casamento por Adão - Então disse o homem: Esta é agora osso dos meus ossos, e carne da minha carne; ela será chamada varoa, porquanto do varão foi tomada. Portanto deixará o homem a seu pai e a sua mãe, e unir-se-á à sua mulher, e serão uma só carne. Gn. 2: 18, 21, 22 – 24.

3. ► Abraão mandou seu servo procurar uma esposa para Isaque, quando ele a viu, gostou dela e a levou para a tenda (casa) que tinha pertencido a sua mãe, e a partir daquele momento Rebeca passou a ser sua esposa, como podem observar, foi isento de celebração e bênção familiar, religiosa ou civil, ou seja, ele mesmo realizou o seu casamento, aprovado e abençoado por Deus. - Isaque, pois, trouxe Rebeca para a tenda de Sara, sua mãe; tomou-a e ela lhe foi por mulher; e ele a amou. Assim Isaque foi consolado depois da morte de sua mãe. Gn. 24: 67.

4. O casamento dos antecessores do Senhor Jesus foram realizado pelo noivo, sem a presença de autoridade civil ou religiosa. Assim tomou Boaz a Rute, e ela lhe foi por mulher; e ele a possuiu, e o SENHOR lhe fez conceber, e deu à luz um filho. Rt. 4: 13.

5. Outro casamento dos antecessores do Senhor Jesus que realizou o próprio casamento, sem a presença de autoridade civil ou religiosa. O que foi mal aos olhos de Deus foi o ato dele adulterar, tomar a mulher de outro homem e matar, não foi ele realizar o próprio casamento. E, passado o luto, enviou Davi, e a recolheu em sua casa, e lhe foi por mulher, e deu-lhe à luz um filho. Porém esta coisa que Davi fez pareceu mal aos olhos do SENHOR. II Sm. 11: 27.

6. O que Deus condena como pecado é, se uma pessoa tiver relações sexuais sem compromisso matrimonial, mas a relação sexual com compromisso matrimonial não é pecado, ou seja, eu conheço uma pessoa e ela passa a ser minha esposa sem a benção de um juiz quer seja cristão ou pagão ou de um líder religioso, Deus reconhece como sendo um casamento legítimo. Se alguém enganar alguma virgem, que não for desposada, e se deitar com ela, certamente a dotará e tomará por sua mulher. Ex. 22: 16.

7. Estes estatutos sobre o casamento são de origens Divina; quem é o homem para mudar os estatutos do Eterno? A própria igreja ensina que Deus não muda; ou por conveniência para a igreja Deus resolveu mudar? Estes são os estatutos que o SENHOR ordenou a Moisés entre o marido e sua mulher; entre o pai e sua filha, na sua mocidade, em casa de seu pai. Ne. 30: 16.

8. Se um casal se separa por motivos justos ou não, e casam com outro ou simplesmente tenha relações sexuais sem compromisso matrimonial, se no futuro os dois resolverem morar juntos novamente, isto é abominação para Deus, não deve haver esta reconciliação matrimonial, embora a igreja pregue que podem casar-se novamente com o ex-companheiro(a). Então seu primeiro marido, que a despediu, não poderá tornar a tomá-la, para que seja sua mulher, depois que foi contaminada; pois é abominação perante o SENHOR; assim não farás pecar a terra que o SENHOR teu Deus te dá por herança. Dt. 24: 4.

9. Casamento sem a presença ou bênção de autoridade civil ou religiosa aprovado por Deus. E olhai, e eis aí as filhas de Siló a dançar em rodas, saí vós das vinhas, e arrebatai cada um sua mulher das filhas de Siló, e ide-vos à terra de Benjamim. Jz. 21: 21.

10. Casamento sem a presença ou bênção de autoridade civil ou religiosa aprovado por Deus. E Abigail se apressou, e se levantou, e montou num jumento com as suas cinco moças que seguiam as suas pisadas; e ela seguiu os mensageiros de Davi, e foi sua mulher. I Sm. 25: 42.

11. A única justificativa para uma pessoa dissolver um casamento e não incorrer em desagrado perante Deus, é por motivos justos de adultério de alguma das partes. Eu, porém, vos digo que qualquer que repudiar sua mulher, a não ser por causa de prostituição, faz que ela cometa adultério, e qualquer que casar com a repudiada comete adultério. Mt. 5: 32.

12. O Senhor Jesus falando sobre a instituição do casamento, Ele confirmou a realização do verdadeiro casamento que é apenas uma união matrimonial independente da presença de autoridade eclesiástica ou civil. Mas as religiões hodiernas impõem o casamento civil apenas com a intenção de controlar a fé das pessoas. E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? Mt. 19: 5.



ORIGEM DO CASAMENTO RELIGIOSO



Com a origem da Igreja Católica no terceiro século da era cristã, foi idealizado várias normas e impostas aos fieis, para com esta atitude a igreja poder controlar a fé dos fieis, e uma desta instituições idealizada foi a implantação do casamento religioso pagão tornando invalido a outra forma de casamento que por milênios havia sido realizado, e quando as igrejas realizam esta cerimônia religiosa estão seguindo um dogma de origem pagão, e o mais curioso é que, é feito nos moldes pagãos.

E o casamento civil teve origem no século dezoito.

O interessante que para as instituições religiosas o casamento que tem valor legal para Deus é o realizado por um juiz, mesmo que ele seja um pagão, um idólatra, um blasfemador ou mesmo um homossexual, ato esse reprovado por todas as instituições religiosas, embora jamais devamos ser discriminatórios, para mim a escolha sexual não é motivo para julgar a honestidade pessoal. A questão é que devem ser obedecidas as imposições religiosas como se fossem instituições divinas. Ao mesmo tempo estas instituições religiosas realizam casamentos religiosos, fica um questionamento que já o fiz pessoalmente, mas ao responderem os líderes afirmam que o casamento religioso não tem nenhuma validade para Deus, é apenas formalismo da igreja. Qual o casamento que tem valor para Deus, é o religioso ou o civil?

Uma outra curiosidade é que, o casamento religioso independente do civil, é reconhecido pelo estado Brasileiro com o mesmo valor do civil, o pastor Lira da IASD que foi do distrito de Coroatá – Ma, disse que: A IASD em outros paises realiza casamento só no religioso.







http://www.irmaos.com/bibliaonline/?



http://igrejasbiblicas.blogspot.com/2007/01/origem-do-casamento-civil.html



http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=2662

Um comentário:

Danilo Vivan disse...

Muito bom o artigo parabens