segunda-feira, 26 de setembro de 2011

ATUALIZADO - SONHO ESPÍRITA DA SRA. WHITE



SONHO ESPÍRITA DE SUA SANTIDADE WHITE



Para saber se algo consiste em verdade ou mentira, devemos ler de forma imparcial e ir às fontes citadas para saber se existe consistência ou inconsequência.
Há grande diferença entre acusar e mostrar a verdade dos fatos, portanto o que Ellen White escreveu torna-se indesculpável ou injustificável ao tentarem harmonizar o que está errado com o que é correto.
Também é necessário ter o espírito do discernimento para não confundir acusações com revelações de algum erro que aparentemente esteja sustentado pelo que é correto, aparência não é fundamento, aparência é algo exterior com a intenção de enganar ou resgatar, por isso que é meio complicado tomar uma decisão pela aparência; fundamento é algo consistente que tem a função de enganar ou resgatar, também vai depender da intenção de quem faz e traz a informação e isto é fácil de verificar, vai depender se o receptor é uma pessoa que tem livre arbítrio de decisão ou se é escrava de sua decisão anterior o que torna a pessoa incapacitada de decidir entre o erro e o que é correto.
A verdade sempre incomodou as pessoas e tem acendido a ira das que não suportam ver cair por terra os sonhos ao ser confrontado com a verdade. Ou fica a luz (verdade) ou fica as (trevas) mentira. É impossível as duas estarem em paz.
Deus prometeu que nos finais dos tempos após seus servos receberem o Espírito Santo, filhos e filhas (dos verdadeiros adoradores) profetizariam, os velhos teriam sonhos e os jovens visões. Aqui entra duas questões:
a) A IASD modificou o texto do plural para o singular com o intuito de enaltecer Ellen White e enclausura-la como sendo a única pessoa usada por Deus e com a capacidade de receber revelações e visões. Lendo de forma honesta a profecia não é com referência a uma pessoa, e sim, a números indeterminadados.
b) Estes sonhos, visões e profecias seriam por intermédio de revelações do Espírito Santo.
Teria a profetisa do Advento tido um sonho por meio do espírito de um morto?  E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões. Joel 2: 28.
Após ter tido este sonho ela relata como se fosse uma revelação de Deus. Leia o sonho com muita atenção e verás que a profetisa do advento obedeceu à voz do espírito de um morto e ainda alega ser de procedência Divina.
Neste sonho Tiago White é chamado de “Pai” e Ellen White de “Mãe”, tratamento carinhoso entre eles.
É extremamente proibido por Deus a pessoa consultar (buscar/aceitar orientações) informações pelo intermédio do espírito de um morto, e neste sonho Ellen White consultou e deu ouvidos ao espírito de seu marido depois de morto, ele veio encontrar-se com ela e dá-lhe informações a ser seguidas. Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. ...nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas É ABOMINÁVEL AO SENHOR, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. Det. 18: 9 - 12.
O homem ou mulher que CONSULTAR OS MORTOS ou for feiticeiro, certamente será morto. Lev. 20: 27.
Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? Acaso a favor dos vivos consultará os mortos? Isa. 8: 19.
Ellen Sonha com James [Tiago White] Após Sua Morte
 (Somos gratos aos irmãos que nos enviaram algumas traduções, através das quais pudemos compor este texto em português. Esta versão final foi revisada pelo ex-redator da CPB e tradutor de vários livros do Espírito de Profecia, Azenilto G. Brito).

O SONHO:

Alguns dias após estar implorando por luz ao Senhor com relação à minha tarefa. À noite, sonhei que eu estava na carruagem, guiando, sentada ao lado direito. Pai estava na carruagem, sentado ao meu lado esquerdo. Ele estava muito pálido, mas calmo e composto. "Ora, pai*?", exclamei. "Eu estou tão feliz por tê-lo ao meu lado mais uma vez! Eu tenho sentido que metade de mim se foi. Pai, eu o vi morrer; eu o vi enterrado. Teve o Senhor pena de mim e deixou que voltasse para mim novamente para trabalharmos juntos como fazíamos? "Ele parecia muito triste. Ele disse: "O Senhor sabe o que é melhor para você e para mim. Meu trabalho era muito querido para mim. Nós cometemos um erro. Respondemos a convites urgentes de nossa irmandade para assistir a reuniões importantes. Nós não tivemos coragem de recusar. Essas reuniões nos exauriram mais do que percebemos. Nossa ótima irmandade esteve agradecida, mas eles não entenderam que nessas reuniões nós carregamos fardos maiores que nossa idade podia suportar com segurança. Eles nunca saberão o resultado dessa longa e contínua tensão sobre nós. Deus desejaria tê-los feito carregar os fardos que suportamos durante anos. Nossas energias nervosas foram continuamente sobrecarregadas, e assim nossa irmandade ao interpretar mal nossos motivos e ao não perceber nossos fardos, enfraqueceu nossa vontade do coração. Eu cometi erros, e o maior deles foi permitir minhas simpatias pelo povo de Deus levarem-me a carregar trabalhos sobre mim que outros deviam ter carregado.
"Agora, Ellen, convites serão feitos como antes, desejando que você compareça a reuniões importantes, como foi o caso no passado. Mas apresente essa situação perante o Senhor e não responda aos mais sinceros convites. Sua vida pende como se estivesse num fio. Você deve contar com descanso tranqüilo, liberdade de toda excitação e toda preocupação desagradável. Nós certamente contribuímos em muito com nossas penas em assuntos de que o povo precisa e sobre que tivemos iluminação, e podemos apresentar diante deles luz que outros não têm. Assim você pode trabalhar quando sua força voltar, o que acontecerá, e você poderá fazer muito mais com sua pena do que com sua voz."
Ele me encarou como se apelando e disse: "Você não negligenciará essas advertências, não é, Ellen? Nosso povo nunca entenderá sob que dificuldades trabalhamos para servi-los porque nossas vidas estavam interligadas com o progresso da causa, mas Deus sabe de tudo. Eu lamento por ter-me sentido tão profundamente inadequado e em emergências agido de modo irrazoável, sem cuidar dos princípios de vida e saúde. O Senhor não exigiu que carregássemos fardos tão pesados enquanto nossa irmandade tão poucos. Devíamos ter ido para a Costa do Pacífico antes, e dedicado nossas vidas a escrever. Você fará isso agora? Você, quando sua força retornar, pegará sua pena e deixará escritas estas coisas que há tanto antecipamos, e agirá devagar? Há coisas importantes de que o povo precisa. Faça desta sua primeira ocupação. Você terá que falar um pouco ao povo, mas fique longe das responsabilidades que nos exauriram."
"Bem," disse eu, "Tiago, você ficará para sempre comigo agora e nós trabalharemos juntos. "Disse ele: "Fiquei em Battle Creek por muito tempo. Eu deveria (40) ter ido para a Califórnia há mais de um ano. Mas eu quis ajudar o trabalho e às instituições em Battle Creek. Cometi um erro. Seu coração é terno. Você será induzida a cometer os mesmos erros que cometi. Sua vida pode servir à causa de Deus. Oh, quão preciosos assuntos Deus me faria trazer ao povo, preciosas jóias de luz!"
Eu acordei. Mas esse sonho pareceu tão real. Agora você pode ver e entender porque não sinto que é minha tarefa ir a Battle Creek no propósito de assumir as responsabilidades na assembléia da Associação Geral. Não é minha tarefa apresentar-me na assembléia da Associação Geral. O Senhor me proíbe. Isso é o bastante. -- Carta 17, 1881, pp. 2-4. (para W. C. White, 12 de setembro, 1881.) White Estate Washington, D. C. 25 de Março, 1980.
Fonte: Manuscript Releases, Volume 10, Título do capítulo: "Ellen G. White and Family Life" [Ellen G. White e a Vida Familiar], pages 38-40.
Início: Manuscript Releases, Volume Ten, page 38, paragraph 2
Manuscript Releases Volume Ten [Nos. 771-850] (1990), page 38, paragraph 2
Chapter Title: MR No. 781 - Ellen G. White and Family Life
Ellen Dreams of James After His Death--A few days since I was pleading with the Lord for light in regard to my duty. In the night I dreamed I was in the carriage, driving, sitting at the right hand. Father was in the carriage, seated at my left hand. He was very pale, but calm and composed. "Why Father," I exclaimed, "I am so happy to have you by my side once more! I have felt that half of me was gone. Father, I saw you die; I saw you buried. Has the Lord pitied me and let you come back to me again, and we work together as we used to?" 
He looked very sad. He said, "The Lord knows what is best for you and for me. My work was very dear to me. We have made a mistake. We have responded to urgent invitations of our brethren to attend important meetings. We had not the heart to refuse. These meetings have worn us both more than we were aware. Our good brethren were gratified, but they did not realize that in these meetings we took upon us greater burdens than at our age we could safely carry. They will never know the result of this long-continued strain upon us. God would have had them bear the burdens we have carried for years. Our nervous energies have been
-39- continuously taxed, and then our brethren misjudging our motives and not realizing our burdens have weakened the action of the heart. I have made mistakes, the greatest of which was in allowing my sympathies for the people of God to lead me to take work upon me which others should have borne.
"Now, Ellen, calls will be made as they have been, desiring you to attend important meetings, as has been the case in the past. But lay this matter before God and make no response to the most earnest invitations. Your life hangs as it were upon a thread. You must have quiet rest, freedom from all excitement and from all disagreeable cares. We might have done a great deal for years with our pens, on subjects the people need that we have had light upon and can present before them, which others do not have. Thus you can work when your strength returns, as it will, and you can do far more with your pen than with your voice."
He looked at me appealingly and said, "You will not neglect these cautions, will you, Ellen? Our people will never know under what infirmities we have labored to serve them because our lives were interwoven with the progress of the work, but God knows it all. I regret that I have felt so deeply and labored unreasonably in emergencies, regardless of the laws of life and health. The Lord did not require us to carry so heavy burdens and many of our brethren so few. We ought to have gone to the Pacific Coast before, and devoted our time and energies to writing. Will you do this now? Will you, as your strength returns, take your pen and write out these things we have so long anticipated, and make haste slowly? There is important matter which the people need. Make this your first business. You will have to speak some to the people, but shun the responsibilities which have borne us down."  
"Well," said I, "James, you are always to stay with me now and we will work together." Said he, "I stayed in Battle Creek too long. I ought to have-40-
gone to California more than one year ago. But I wanted to help the work and institutions at Battle Creek. I have made a mistake. Your heart is tender. You will be inclined to make the same mistakes I have made. Your life can be of use to the cause of God. Oh, those precious subjects the Lord would have had me bring before the people, precious jewels of light!"  
I awoke. But this dream seemed so real. Now you can see and understand why I feel no duty to go to Battle Creek for the purpose of shouldering the responsibilities in General Conference. I have no duty to stand in General Conference. The Lord forbids me. That is enough.--Letter 17, 1881, pp. 2-4. (To W. C. White, September 12, 1881.)
White Estate Washington, D. C. March 25, 1980.
Similaridade? - Meu pai faleceu em 1987, já sonhei várias vezes com ele e não tem problema nenhum,
Ellen White ter sonhado com seu marido morto também não há nenhum problema, mas, a questão é, se você observar com o olhar da honestidade e abandonar o olhar do protecionismo você verá alguns pormenores incontestável:
1 - Eu nunca falei com meu pai morto em sonhos e ela sim.
2 – Nos sonhos nunca recebi conselhos de um morto e Ellen White recebeu conselhos de um morto e obedeceu.
3 – Eu nunca atribui a Deus em ter sonhado com meu pai como sendo obra de dEle.
4 - Ellen White conversou com um morto em sonho que era tão real como se ele estivesse vivo, trocou idéias, ouviu os conselhos de um morto e obedeceu e ainda afirmou que foram revelações de Deus. Observando acuradamente foi inegavelmente comunicação com um morto.
5 – Se você observar com honestidade, esta situação é uma tremenda de uma sessão espírita, se tiver como provar o contrário fique a vontade, mas não seja cego espiritual.
Leia novamente o sonho com honestidade e confirmarás.
Concluindo: Se este episódio tivesse acontecido com alguma pessoa simples ou de destaque de alguma igreja evangélica você seria o primeiro a jogar pedras dizendo que tal pessoa seria um falso profeta por ter recebido visões do espírito de um morto, mas, como é com a profetisa do advento e com ela tudo pode, é bem notório que seja aceito e justificado de forma injusta e ímpia; fica um questionamento: As outras visões que ela teve e que usou termos maçons e do ocultismo não teria recebido em situações parecidas?
Deus em sua palavra afirmou: não há conversas entre pessoas mortas e vivas e ela teve este contato e ainda declarou que foi algo bem vivo e real. Volte a ler com honestidade e abandone o espírito de protecionismo encima do que você aprendeu e aprenda a pesquisar como os crentes bereanos, aceite o que é fato, verídico e verdadeiro.
Jamais, em hipótese alguma vou continuar depositando minha fé em uma pessoa que conversa com um morto independente de ser em sonho ou não e que segue orientações dele, e que esta pessoa alem de conversar com um morto ainda obedece a suas orientações e atribui ser revelação de Deus o contato com o espírito de demônio. Em nome do Senhor o Cristo, só creio em sua palavra "Bíblia". Quem quiser continuar crendo e servindo a uma necromante fique a vontade. Eu e minha casa serviremos ao Eterno. Js. 24: 15.
Conselhos aos que dão ouvidos a esta profetisa, as profecias que são citadas são as que aparentemente houve cumprimento, mas se fizerem uma busca são plágios da Bíblia as que cumpriram, e as que de si mesma foram anunciadas não cumpriram - Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Não deis ouvidos às palavras dos profetas, que entre vós profetizam; fazem-vos desvanecer; falam da visão do seu coração, não da boca do SENHOR. Dizem continuamente aos que me desprezam: O SENHOR disse: Paz tereis; e a qualquer que anda segundo a dureza do seu coração, dizem: Não virá mal sobre vós. Tenho ouvido o que dizem aqueles profetas, profetizando mentiras em meu nome, dizendo: Sonhei, sonhei. O profeta que tem um sonho conte o sonho; e aquele que tem a minha palavra, fale a minha palavra com verdade. Que tem a palha com o trigo? diz o SENHOR. Eis que eu sou contra os profetas, diz o SENHOR, que usam de sua própria linguagem, e dizem: Ele disse. Eis que eu sou contra os que profetizam sonhos mentirosos, diz o SENHOR, e os contam, e fazem errar o meu povo com as suas mentiras e com as suas leviandades; pois eu não os enviei, nem lhes dei ordem; e não trouxeram proveito algum a este povo, diz o SENHOR. Jer. 23: 16,17,25,28,31,32.

12 PROFECIAS QUE NÃO TEVE E NÃO TERÃO CUMPRIMENTO

Um profeta algumas vezes faz afirmações com relação ao futuro que encontram cumprimento em seu tempo ou após sua morte. Via de regra, esta é uma das principais indicações do caráter divino da obra de um profeta. Também é verdade que existem profecias condicionais. Mas essa análise deve ser feita com sabedoria.
1.                Ellen G. White predisse que a Inglaterra declararia guerra contra os Estados Unidos. Sua profecia com relação a Inglaterra dizia respeito à Guerra Civil americana e não se cumpriu. (Testemunhos para a Igreja, vol. 1, p. 259).
2.                Ellen G. White predisse que Jerusalém jamais seria reconstruída. A cidade de Jerusalém foi reconstruída e Israel voltou a existir como país. (Primeiros Escritos, p. 75).
3.                 Ellen G. White, baseando-se equivocadamente em outros autores, predisse que a Turquia deixaria de existir. A Turquia continua a existir e atualmente não parece haver possibilidades de que venha a deixar de ser um país tão cedo. (Ver Josiah Litch, "The Rise and Progress of Adventism," The Advent Shield and Review, maio de 1844, p. 92, citado em Seventh-day Adventist Bible Students' Source Book, p. 513). (Ver The Seventh-day Adventist Encyclopedia , vol. 11, pp. 51 e 52).
4.                 Ellen G. White profetizou que alguns que estavam vivos em 1856 estariam vivos por ocasião do retorno de Cristo. (O Testemunho de Jesus, p. 108). Ela se referia a pessoas que estavam presentes em uma reunião da Igreja Adventista e por já haverem morrido todos, essa profecia também não se cumpriu.
5.                 Ellen G. White afirmou em 1850 que Cristo retornaria em poucos meses. (Primeiros Escritos 58, 64, 67).
6.               Ellen G. White afirmou que a Guerra Civil Americana era um sinal de que Cristo iria logo retornar. (Testimonies For The Church, T.1:260). A Guerra Civil americana terminou em 1865.
7.               Ellen G. White profetizou que Cristo voltaria antes da escravidão ser abolida. (Early Writings, pp 35).
8.                Ellen G. White profetizou que a escravidão seria restabelecida nos estados do sul dos Estados Unidos. (Spalding, Magan Collection, page 21 et 2 MR #153, page 300). O contexto da sua declaração era também por ocasião da Guerra civil Americana e essa profecia não se cumpriu. Talvez possa se cumprir no futuro.
9.               Ellen G. White profetizou que a “Terra será logo despovoada" se Jesus demorar a voltar. (Testimony" #8, p.94, in Spiritual Gifts III-IV - Battle Creek: Steam Press, 1864). A despeito de tantas guerras, fomes e epidemias, o que vemos é que a Terra está cada vez mais povoada a medida que o tempo passa.
10.             Ellen White predisse que os senhores dos escravos dos seus dias experimentariam as sete últimas pragas descritas no livro do Apocalipse. (Early Writings, p. 276). Todos os senhores dos escravos de seu tempo já estão mortos.
11.             Ellen G. White profetizou que estaria viva quando Jesus regressasse. (Early Writings, pp. 15-16).
Às vezes Sra. White fazia predições específicas que envolviam certas pessoas. Uma delas foi o pioneiro adventista Moses Hull. Em 1862 Hull estava no processo de perder sua fé no adventismo. Parece que o casal White desistiu de argumentar com ele e agora Ellen G. White recorre ao apelo de profetizar sobre o terrível futuro que o aguardava se ele saísse do povo do advento: “Se você procede do modo que você começou, miséria e aflição estão diante de você. A mão de Deus o prenderá até o ponto em que você não poderá vestir-se. A ira dele não dormirá. Testemunhos, Vol. 1, pp. 430-431. Isto nunca aconteceu. Apesar das advertências da sra. White, ele abandonou o adventismo e procedeu “como ele tinha começado”. E é um fato que o "sr. Hull se manteve bem por muitos longos anos até uma idade avançada e nada do que foi predito aconteceu". (D.M. Canright, Life of E.G. White, cap. 15).
12.             Ellen G. White afirmou que a “a enfermidade” do irmão C. Carlstedt “não era para morte, mas para a glória de Deus”. (C. Carlstedt estava gravemente enfermo de febre tifóide e parecia que não viveria muito tempo mais). Ele morreu dois dias depois. (Charles Lee, Three Important Questions for Seventh-Day Adventists to Consider).
Agora sou o maior inimigo de vocês por ter revelado este lado oculto da profetisa que os líderes espirituais escondem a qualquer custo por questões financeiras? Tornei-me, acaso, vosso inimigo, porque vos disse a Verdade? Gl. 4: 16.
Minha fé é a do Senhor Jesus Cristo que uma vez foi entregue aos santos.
Depois de você conhecer mais este lado negro desta profetisa, ainda terá coragem de continuar crendo nela?
Deus em Sua Palavra afirma que a luz jamais terá comunhão com as trevas. 

Eurias R. Carneiro