terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Cisma na igreja presbiteriana norte-americana por conta da ordenação de gays


Cisma na igreja presbiteriana norte-americana por conta da ordenação de gays



The Rev. Scott Anderson é o primeiro gay a ser ordenado ministro pela Presbyterian Church (USA), a  maior denominação presbiteriana dos Estados Unidos da América.  (Craig Schreiner/Wisconsin State Journal/Associated Press)
Os presbiterianos dos EUA lançaram na última quinta-feira (19) uma nova entidade formada por dissidentes da Presbyterian Church of the United States, PCUSA, que decidiram abandonar a igreja por esta passar a aceitar homossexuais entre seus dirigentes e pastores.

Apesar da decisão já ter sido anunciada, as doutrinas da nova igreja ainda não ficaram claras. O professor de Novo Testamento do Centro Presbiteriano de Pós-Graduação Andrew Jumper, reverendo Augustus Nicodemus, falou ao The Christian Post que o processo ainda está em fase inicial.

“Não sabemos se será uma denominação ou uma associação relativamente informal de igrejas. Os detalhes doutrinários da nova entidade ainda estão sendo trabalhados, mas provavelmente a ordem criada deverá funcionar como uma nova denominação, embora este ponto ainda não esteja claro”, explicou.

Os 2100 ex-integrantes da PCUSA, que pertenciam a mais de 500 congregações da igreja, se reuniram em Orlando, Flórida, onde denominaram a nova religião de “The Evangelical Covenant Order of Presbyterians” (“A Ordem Pactual Evangélica de Presbiterianos”), abreviada como ECO.

As queixas contra a Igreja Presbiteriana por parte dos dissidentes incluem excesso de burocracia; a questão do constante declínio no número membros; e a tendência de se tornar um “grande tenda religiosa”, que deseja acomodar todos, comprometendo a correta interpretação das Escrituras.

Ao avaliar a lista divulgada com os valores teológicos que professará a ECO, Nicodemus considerou que a igreja será bastante bíblica, seguindo a teologia reformada dando ênfase à comunhão, vida espiritual, evangelismo e missões.

“Eu diria que serão um grupo presbiteriano conservador, de teologia calvinista e voltados para vida espiritual e missões”, diz o teólogo ao CP.

Segundo o The Huffington Post, os líderes da ECO esclareceram que a nova denominação “destina-se a fomentar um novo modo de ser da igreja, do mesmo modo que as principais denominações tradicionais fizeram quando começaram”.

A nova entidade eclesiástica criada surge como alternativa para os membros de igrejas e pastores da PCUSA que não concordam com a decisão de aceitar homossexuais no pastorado. A PCUSA já sofria há tempos a pressão de grupos de ativistas gays que durante anos insistiram na tese de que algumas regras da Bíblia não serviriam para os dias atuais. Além disso, eles defendiam a ideia de que o homossexualismo seria geneticamente determinado e que os gays já são comumente aceitos em diversos lugares e instituições.

Nicodemus lembra que a PCUSA já aceitava o liberalismo teológico desde a década de 50, bem como a ordenação de mulheres pastoras desde os anos 60.

“Tudo isto enfraqueceu a denominação teologicamente e espiritualmente de tal maneira que não conseguiu mais resistir à pressão dos gays dentro da denominação”.

No Brasil, a avaliação do reverendo é de que já existem igrejas históricas, emergentes e até pentecostais que não possuem fundamento bíblico muito profundo, e já aceitam mulheres como pastoras ‘flertando’, portanto, com o liberalismo teológico.

Em sua perspectiva, elas podem estar à beira de aceitarem os homossexuais como líderes, como ocorreu nos EUA.

“As portas estão abertas para o próximo passo”, alertou.



Texto por Jussara Teixiera, The Christian Post
Imagem e legenda do Dallas News / A. Press
Divulgação Genizah


Leia Mais em: http://www.genizahvirtual.com/2012/01/cisma-na-igreja-presbiteriana-norte.html#ixzz1l3BV7FEc
Under Creative Commons License: Attribution Non-Commercial Share Alike

Ameaças ao Cristianismo – Heresias e Erros Teológicos de Ontem e Hoje


Ameaças ao Cristianismo – Heresias e Erros Teológicos de Ontem e Hoje

Você sabia que o batismo pelos mortos foi uma heresia apregoada cerca de 1600 anos antes da “revelação” atribuída pelos mórmons a Joseph Smith Jr.? Esse é apenas um dos muitos desvios doutrinários que atravessaram séculos e foram incorporados pelas seitas pseudocristãs.
A “revelação”, baseada na necessidade de restaurar a igreja, e a rejeição ao Antigo Testamento surgiram na mesma época e fluíram dos ensinamentos de Márcion. Montano pregou que o fim do mundo ocorreria em sua geração e atribuiu a si o fato de iniciar e findar o ministério do Espírito Santo. Sabélio, com seu modalismo, foi outra fonte de distorções bíblicas que até hoje é disseminada entre os evangélicos. Ainda fazem parte desse grupo Mani, com sua doutrina reencarnacionista; Ário, que deturpou a natureza de Jesus ao apresentá-lo como um ser criado (gravíssimo engano sustentado pelas testemunhas de Jeová); Apolinário, que, ao contrário do antecedente, negou a humanidade de Cristo; Nestório, que ensinava a existência de duas pessoas distintas em Cristo; Pelágio, que, como os islâmicos e outros grupos religiosos, negava a doutrina do pecado original; e Eutíquio, que afirmava que a natureza humana de Cristo havia sido absorvida pela divina.
Márcion (95 – 165)
Informações indicam que Márcion nasceu em Sinope, no Ponto, Ásia Menor. Foi
proprietário de navios, portanto, muito próspero. Aplicou sua vida à fé religiosa, primeiramente como cristão e, finalmente, ao desenvolvimento de congregações marcionitas. Influente líder cristão, suas idéias o conduziram à exclusão, em 144 d.C. Então, formou uma escola gnóstica. Tendo uma mente prolífera, desenvolveu muitas idéias, as quais foram lançadas em uma obra apologética alvo de combate de apologistas, especialmente Tertuliano e Epifânio.
Procurou ter uma perspectiva paulina, contudo, incluiu muitas idéias próprias e conjecturas sem respaldo bíblico. Era convicto de uma missão pessoal: restaurar o puro evangelho. Antes, rejeitou o Antigo Testamento por achá-lo inútil e ultrapassado, além de afirmar que foi produzido por um deus inferior ao Deus do evangelho. Para Márcion, o cristianismo era totalmente independente do judaísmo; era uma nova revelação. Segundo ele, Cristo pegou o deus do Antigo Testamento de surpresa e este teve de entregar as chaves do inferno Àquele. Além disso, Cristo não era Deus, apenas uma emanação do filho de Deus. O único apóstolo fiel ao evangelho, segundo Márcion, fora Paulo, em detrimento dos demais apóstolos e evangelistas. Conseqüentemente, a Igreja primitiva havia desviado e, por isso, necessitava de uma restauração. Ainda segundo ele, o homem devia levar uma vida asceta, o casamento, embora legal, era aviltador.
Entre seus muitos ensinos, encontramos o batismo pelos mortos.
O cânon de Márcion restringia-se as dez epístolas de Paulo e a uma versão modificada do Evangelho de Lucas.
Gnosticismo
Nome derivado do termo grego gnosis, que significa “conhecimento”. Os gnósticos se transformaram em uma seita que defendia a posse de conhecimentos secretos. Segundo eles, esses conhecimentos tornavam-nos superiores aos cristãos comuns, que não tinham o mesmo privilégio. O movimento surgiu a partir das filosofias pagãs anteriores ao cristianismo que floresciam na Babilônia, Egito, Síria e Grécia (Macedônia). Ao combinar filosofia pagã, alguns elementos da astrologia e mistérios das religiões gregas com as doutrinas apostólicas do cristianismo, o gnosticismo tornou-se uma forte influência na igreja.
A premissa básica do gnosticismo é uma cosmovisão dualista. O supremo Deus Pai emanava do mundo espiritual “bom”. A partir dele, surgiram sucessivos seres finitos (éons) até que um deles, Sofia, deu à luz a Demiurgo (Deus criador), que criou o mundo material “mau”, juntamente com todos os elementos orgânicos e inorgânicos que o constituem.
Cristãos gnósticos, como Márcion e Valentim, ensinavam que a salvação vem por meio desses éons. Cristo, que se esgueirou através dos poderes das trevas para transmitir o conhecimento secreto (gnosis) e libertar os espíritos da luz, cativos no mundo material terreno, para conduzi-los ao mundo material mais elevado. Cristo, embora parecesse ser homem, nunca assumiu um corpo; portanto, não foi sujeito às fraquezas e às emoções humanas.
Algumas evidências sugerem que uma forma incipiente de gnosticismo surgiu na era apostólica e foi o tema de várias epístolas do Novo Testamento (1João, uma das epístolas pastorais). A maior polêmica contra os gnósticos apareceu, entretanto, no período patrístico, com os escritos apologéticos de Irineu, Tertuliano e Hipólito. O gnosticismo foi considerado um movimento herético pelos cristãos ortodoxos. Atualmente, é submetido a muitas pesquisas, devido às descobertas dos textos de Nag Hammadi, em 1945/46, no Egito. Muitas seitas e grupos ocultistas demonstram alguma influência do antigo gnosticismo (“Dicionário de religiões, crenças e ocultismo”. George A. Mather & Larry A Nichols. Vida, 2000, pp 175-6).
Montano (120 – 180)
Por volta do ano 150 d.C., surgiu na Frígia um profeta chamado Montano que, junto com Prisca e Maximilia, se anunciou portador de uma nova revelação. Inicialmente, esse novo movimento reagiu contra o gnosticismo, contudo, ele mesmo se caracterizou por tendências inovadoras. As profecias e revelações de Montano giravam em torno da segunda vinda e incentivavam o ascetismo.
Salientavam fortemente que o fim do mundo estava próximo, e esperavam esse acontecimento para a sua própria geração. Insistiam sobre estritas exigências morais, como, por exemplo, o celibato, o jejum e uma rígida disciplina moral. Exaltavam o martírio e proibiam que seus seguidores fugissem das perseguições. Alguns pecados eram imperdoáveis, independente do arrependimento demonstrado.
Finalmente Montano afirmou ser o Paracleto, pois nele iniciaria e findaria o ministério do Espírito Santo. Prisca e Maximilia abandonaram seus respectivos maridos para se dedicarem à obra profética de Montano. Algumas vezes, Montano procurava esclarecer que ele era um agente do Espírito Santo, mas sempre retornava à sua primeira posição e afirmava ser o Consolador prometido. Sua palavra deveria ser observada acima das Escrituras, porque era a palavra para aquele tempo do fim. Esse movimento desvaneceu-se no terceiro século no Ocidente e no sexto, no Oriente.
Ascetismo
Autonegação, visão de que a matéria e o espírito estão em oposição um ao outro. O corpo físico, com suas necessidades e desejos inerentes, é incompatível com o espírito e sua natureza divina. O ascetismo defende a idéia de que uma pessoa só alcança uma condição espiritual mais elevada se renunciar à carne e ao mundo. O ascetismo foi amplamente aceito nas religiões antigas e ainda hoje é uma filosofia proeminente, sobretudo nas seitas e religiões orientais. Platão idealizou-o. As seitas judaicas, como os essênios, praticavam-no fervorosamente e o cristianismo institucionalizou-o, com o desenvolvimento de várias ordens monásticas. O gnosticismo foi o maior defensor dessa filosofia (“Dicionário de religiões, crenças e ocultismo”. George A. Mather & Larry A Nichols. Vida, 2000, p. 23).
Sabélio (180 – 250)
Nasceu na Líbia, África do Norte, no terceiro século depois de Cristo. Depois, mudou-se para a Itália, passando a viver em Roma. Ao conhecer o evangelho, logo se tornou um pensador respeitado em suas considerações teológicas. Recebeu influência do Modalismo que já estava sendo divulgado na África.
O Modalismo ocorreu, no início, como um movimento asiático, com Noeto de Esmirna. Os principais expoentes do movimento: Noeto, Epógono, Cleômenes e Calixto. Na África, foi ensinado por Práxeas e na Líbia, defendido por Sabélio. Hoje, o Modalismo é muito conhecido pelo nome sabelianismo, devido à influência intelectual fornecida por Sabélio. O objetivo de Sabélio era preservar o monoteísmo a qualquer custo. Tinha um objetivo em vista que, pensava, justificava os meios.
Ensinava que havia uma única essência na divindade, contudo, rejeitava o conceito de três Pessoas em uma só essência. Afirmava que isso designaria um culto triteísta, isto é, de três deuses. A questão poderia ser resolvida, afirmava, pelo conceito de que Deus se apresentaria com diversas faces ou manifestações. Primeiramente, Deus se apresentou como Deus Pai, gerando, criando e administrando. Em seguida, como Deus Filho, mediando, redimindo, executando a justiça. E finalmente e sucessivamente, como Deus Espírito Santo, fazendo a manutenção das obras anteriores, sustentando e guardando. Uma só Pessoa e três manifestações temporárias e sucessivas.
Mani (216 – 277)
Nasceu por volta de 216 d.C. na Babilônia. Foi considerado por alguns como o último dos gnósticos. Diferente dos demais hereges, desenvolveu-se fora do cristianismo. Todavia, era um rival do evangelho. Seus ensinos buscavam respaldo no cristianismo. Afirmava, por exemplo, ser o Paracleto, o profeta final. Em seus ensinos enfatizava a purificação pelos rituais. Em 243 d.C., o profeta Mani teve seus ensinamentos reconhecidos por Ardashir, rei sassânida (Índia). Então, a nova fé teve o seu “pentecostes”, analogia traçada pelos maniqueístas.
Durante 34 anos, Mani e seus discípulos intensificaram seu trabalho missionário pelo leste da Ásia, Sul e Oeste da África do Norte e Europa. A base do maniqueísmo engloba um Deus teísta que se revela ao homem. Deus usou diversos servos, como Buda, Zoroastro, Jesus e, finalmente, Mani. Deveriam seus discípulos praticar o ascetismo e evitar a participação em alguma morte, mesmo de animais ou plantas. Deveriam evitar o casamento, antes, abraçarem o celibato. O universo é dualista, existem duas linhas morais em existência, distintas, eternas e invictas: a luz e as trevas.
A remissão ocorre pela gnosis, conhecimento especial que os iniciados conquistavam. Entre os remidos há duas classes, os eleitos e os ouvintes. Os eleitos não podiam nem mesmo matar uma planta, por isso eram servidos pelos ouvintes, que podiam matar plantas, mas nunca animais ou até mesmo comê-los. Os eleitos subiriam, após a morte, para a glória, enquanto os ouvintes passariam por um longo processo de purificação. Quanto aos ímpios, continuariam reencarnando na terra. Recebeu grande influência de Márcion.
Ário (256-336)
Presbítero de Alexandria entre o fim do terceiro século e o início do quarto depois de Cristo. Foi excluído em 313, quando diácono, por apoiar, com suas atitudes, o cisma da Igreja no Egito. Após a morte do patriarca da Igreja em Alexandria, foi recebido novamente como diácono. Depois, nomeado presbítero, quando então começou a ensinar que Jesus Cristo era um ser criado, sem nenhum dos atributos incomunicáveis de Deus, por exemplo, eternidade, onisciência, onipotência etc, pelo que foi censurado, em 318, e excluído, em 321. Mas, infelizmente, sua influência já havia sido propagada e diversos bispos da Igreja no Oriente aceitaram o novo ensino.
Em 325, ocorreu o concílio de Nicéia e Ário, apesar de excluído, pôde recorrer de sua exclusão, sendo banido. Ário preparou uma resposta ao Credo Niceno, o que impressionou muito o imperador Constantino. Atanásio resistiu à ordem de Constantino de receber Ário em comunhão. Então Ário foi deposto e exilado em Gália, falecendo no dia em que entraria em comunhão em Constantinopla.
A base de seu ensino era estabelecer a razão natural como meios de entender a relação entre Deus e Cristo. Haveria uma só Pessoa na divindade. O logos não foi apenas gerado, mas literalmente criado. Seria tão-somente um intermediário entre Deus e os homens e, devido à sua elevada posição, receberia adoração e glória.
Apolinário (310-390)
Foi bispo de Laodicéia da Síria no final do quarto século. Cooperou na reprodução das Escrituras. Fez oposição à afirmação de Ário quanto à criação e à mutabilidade de Cristo.
Por outro lado, se opôs ao conceito da completa união entre as naturezas divina e humana em Jesus. Afirmava que Jesus não tinha um espírito humano. Segundo ele, o espírito de Cristo manipulava o corpo humano. Sua posição inicial era contra o arianismo, que negava a divindade de Cristo. Em sua opinião, seria mais fácil manter a unidade da Pessoa de Cristo, contanto que o logos fosse conceituado apenas como substituto do mais elevado princípio racional do homem. Contrapondo-se a Ário, ele advogava a autêntica divindade de Cristo, e tentava proteger sua impecabilidade substituindo o pneuma (espírito) humano pelo logos, pois julgava aquele, sede do pecado.Conseqüentemente, Apolinário negava a própria e autêntica humanidade de Jesus Cristo.
Em 381, o sínodo de Constantinopla declarou contundentemente, entre outros sínodos, herética a cristologia de Apolinário. Apolinário formou um grupo de discípulos que manteve seus ensinos. Mas não demorou muito e o movimento se desfez.
Nestório (375-451)
Patriarca da Igreja em Constantinopla na metade do quinto século depois de Cristo. Seu objetivo de expurgar as heresias na região de seu controle encontrou problemas quando expressou sua cristologia. Encontrava-se em seu tempo idéias divergentes sobre a natureza de Cristo. Alguns, aparentemente, negavam a existência de duas naturezas em Cristo, postulando uma única natureza. Outros, como Teodoro de Mopsuéstia, afirmavam que o entendimento deveria partir da completa humanidade de Cristo. Teodoro negava a residência essencial do logos em Cristo, concedendo somente a residência moral. Essa posição realmente substituía a encarnação pela residência moral do logos no homem Jesus. Contudo, Teodoro declinava das implicações de seu ensino que, inevitavelmente, levaria à dupla personalidade em Cristo, duas pessoas entre as quais haveria uma união moral. Nestório foi fortemente influenciado pelo seu mestre, Teodoro de Mopsuéstia.
O nestorianismo é deficiente, não em relação à doutrina das duas naturezas de Cristo, mas, sim, quanto à Pessoa de cada uma delas. Concorda com a autêntica e própria deidade e a autêntica e própria humanidade, mas não são elas concebidas de forma a comporem uma verdadeira unidade, nem a constituírem uma única pessoa. As duas naturezas seriam igualmente duas pessoas. Ao invés de mesclar as duas naturezas em uma única autoconsciência, o nestorianismo as situava lado a lado, sem outra ligação além de mera união moral e simpática entre elas. Jesus seria um hospedeiro de Cristo.
Nestor foi vigorosamente atacado por Cirilo, patriarca de Alexandria, e condenado pelo Terceiro Concílio de Éfeso, em 431.
O movimento nestoriano sobreviveu até o século quatorze. Adotaram o nome de cristãos caldeus. A Igreja persa aceitou claramente a cristologia nestoriana. Atingiu expressão culminante no décimo terceiro século, quando dispunha de vinte e cinco arcebispos e cerca de duzentos bispos. Nos séculos doze e treze, formou-se a Igreja Nestoriana Unida e, atualmente, seus membros são conhecidos como Caldeus Uniatos. Na Índia, são conhecidos como cristãos de São Tomé. Hoje, esse movimento está em declínio.
Pelágio (360-420)
Teólogo britânico. Teve uma vida piedosa e exemplar. Baseado exatamente nessa questão, desenvolveu conceitos sobre a hamartiologia (doutrina que estuda o pecado). Sofreu resistência e, finalmente, foi excluído por diversos sínodos (Mileve e Catargo), sendo, ainda, condenado no Concílio de Éfeso, em 431 d.C.
Seus ensinos afirmavam que o homem poderia viver isento do pecado. Que o homem fora criado a imagem de Deus e, apesar da queda, essa imagem é real e viva. Do contrário, o homem não seria aquele homem criado por Deus. No pelagianismo a morte é uma companheira do homem, querendo dizer que, pecando ou não, Adão finalmente morreria, ainda que não pecasse. O ideal do homem é viver obedecendo.
O pecado original é uma impossibilidade, pois o pecado depende de uma ação voluntária do pecador. Afirma ainda que, por uma vida digna, os homens podem atingir o céu, mesmo desconhecendo o evangelho. Todos serão julgados segundo o que conheciam e o que praticavam. O livre-arbítrio era enfatizado em todas as suas afirmações, excluindo a eleição. Um século depois, desenvolveu-se o semipelagianismo, que amortecia alguns ensinos extravagantes de Pelágio.
Eutíquio (410-470)
Viveu em um mosteiro fora de Constantinopla durante a primeira metade do quinto século. Discípulo de Cirilo de Alexandria, teve grande influência e chefiava mosteiros na Igreja oriental. Oponente do nestorianismo, afirmava que, por ocasião da encarnação, a natureza humana de Cristo foi totalmente absorvida pela natureza divina.
Era de opinião de que os atributos humanos em Cristo haviam sido assimilados pelo divino, pelo que seu corpo não seria consubstancial como o nosso, que Cristo não seria humano no sentido restrito da palavra.
Esse extremo doutrinário contou com o apoio temporário do chamado Sínodo dos Ladrões (em 449 d.C.). Essa decisão foi anulada mais tarde pelo Concílio de Calcedônia, em 451 depois de Cristo. O Sínodo dos Ladrões recebeu esse nome porque seus participantes roubavam características da doutrina cristocêntrica. Por esse motivo, Eutíquio foi afastado de suas atividades eclesiásticas. Mas a Igreja egípcia continuou apoiando a doutrina de Eutíquio e manteve seus ensinos por algum tempo. Então, o eutiquianismo surgiu novamente no movimento monofisista.
Em síntese, a heresia (= escolha) não sempre é um erro total, mas peca pela escolha de apenas uma parte da verdade. Por exemplo: afirmar que Cristo é Deus é verdade, mas é heresia dizer que é somente Deus e não Homem.
http://pastormarcelosantos.wordpress.com/2011/09/26/ameacas-ao-cristianismo-%E2%80%93-heresias-e-erros-teologicos-de-ontem-e-hoje/

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

ELLEN WHITE DETONA A IASD


Ellen White, afirma: A IGREJAADVENTISTA, não é mais o povo peculiar e não tem poder nenhum!
Confira: “A igreja não é hoje o povo separado e peculiar que foi quando os fogos da perseguição estiveram acesos contra ela. Como o ouro se tornou fusco! Como se transformou o ouro finíssimo! Vi que, se a igreja tivesse sempre conservado seu caráter peculiar e santo, o poder do espírito santo que fôra comunicado aos discípulos ainda Estaria com ela. Os doentes seriam curados, os demônios seriam repreendidos e expulsos, ela seria poderosa e um terror para seus inimigos” Livro: Primeiros Escritos, página 227,edição de 1967 C.P.B
 
 Comentário:  Agora podemos entender o porquê esta seita não ter nenhuma manifestação do poder divino no seio dela, e o porque, de muitas outras religiões a  cada dia se tornar simpatizante  da  IASD. Ela não causa mais terror para os inimigos, palavra da própria profetisa deles.  E, não adianta falar do suposto crescimento em milhões de adeptos pelo mundo, nem das 50 casas publicadoras, hospitais, escolas, etc e tal, pois isso de forma alguma prova a espiritualidade nem a aprovação do Eterno, tão somente revela o caráter empresarial, que este sistema se tornou. Crescimento por crescimento, a IURD, deixa aIASD, no chinelo.
 
"A igreja está na condição laodiceana. A presença de Deus não está no 

meio dela." EF pg. 44. 
Em tempo: Tem como os Whiatianos, dizerem que ela estava errada, ou ela sendo a mensageira dos Adventistas acertou em cheio? com a palavras os devotos whitianos( Adventistas do Sétimo Dia).

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

04 DE NOVEMBRO DIA NACIONAL DA MÃE DA VERDADE


04 DE NOVEMBRO

DIA NACIONAL DA MÃE DA VERDADE

Os católicos criaram o dia 12 de Outubro, com o propósito de homenagearem Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, e todo bom católico jamais deixará este dia passar em branco.
Por outro lado, a Igreja Universal do Reino de Deus em memorável ao dia de São João Batista, copiaram o festejo da Igreja Católica e para encobrirem o plágio deste fato, modificaram para o dia da Fogueira Santa.
Quando esteve na Terra, NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, advertiu os DISCÍPULOS CONTRA O FERMENTO DOS FARIZEUS. Em FROFECIAS, fermento representa mistura ou doutrinas falsas. CRISTO É O PĂO SEM FERMENTO; ou seja, É O EVANGELHO PURO. O tal evangelho com fermento é o evangelho misturado com falsas doutrinas. É esse maldito evangelho que está sendo pregado e dado para todas as pessoas nas igrejas do mundo inteiro.

 Razão pela qual as igrejas estão enchendo de membros e a qualidade espiritual sendo jogada no esgoto como algo ruim a ser vivido. 
Já a Igreja Adventista do Sétimo dia copiaram a data festiva da Igreja Católica mudando apenas a DATA DE 12 DE OUTUBRO PARA 21 DE NOVEMBRO e a personagem NOSSA SENHORA APARECIDA PARA NOSSA SENHORA ELLEN WHITE, negam os fatos, mas vamos verificar alguns exemplos que provam a veracidade das informções:
1.  Para as mulheres bíblicas quando referem-se a elas, chamam-nas pelo nome próprio, mas com referência a profetisa é SENHORA WHITE.
2.  Para as mulheres bíblicas quando referem-se a elas, chamam-nas pelo nome próprio, mas com referência a profetisa é SERVA DO SENHOR.
3.  Para as mulheres bíblicas quando referem-se a elas, chamam-nas pelo nome próprio, mas com referência a profetisa é PENA INSPIRADA.
4.  Para as mulheres bíblicas quando referem-se a elas, chamam-nas pelo nome próprio, mas com referência a profetisa é USADA POR DEUS.
Para não exibirem aos membros o que eles mais tem condenado na fé católica, usaram um termo muito sugestivo e subjetivo para enganar os que realmente não creem na Palavra de Deus, e sim, na Teologia como a marca máxima de decisão da fé que uma vez foi entregue aos santos, entendam bem, entregue aos santos (TODA E QUALQUER PESSOA QUE É FIEL A DEUS)  e jamais a uma determinada instituição religiosa ou a liderança da igreja, profetas institucional bem como a teologia que substitui-o  o eterno Espírito Santo no entendimento da Palavra de Deus.
Na Igreja Católica é chamado de santuário, no adventismo mudaram para Centros. Nome diferentes não tira a mancha da idolatria a qual se envolveram e estão envolvendo outros aos milhares.
TERÇA-FEIRA, 24 DE NOVEMBRO DE 2009
No Dia do Espírito de Profecia a igreja do Planalto inaugura Mine-Centro White
Sob a coordenação do Pr. Gilberto, departamental de Publicações e Espírito de Profecia, aconteceu às 15h30, do dia 21 de novembro, a inauguração do primeiro Mine-Centro White do distrito de Muriaé. O Centro de Pesquisa sobre o Dom Profético ampliará os conhecimentos acerca do dom profético e dará uma visão mais clara acerca do propósito de Deus para a Igreja Adventista do Sétimo dia no Brasil e no mundo. Este ficará aos cuidados da Igreja do Planalto, e Eduardo será o coordenador responsável pelas pesquisas e empréstimos de livros. Se não fosse o empenho da direção da igreja não teríamos conquistado esta benção. Parabéns!!
Postado por Anderson Beiral às 13:27

http://adventistasdemuriae.blogspot.com.br/2009/11/no-dia-do-espirito-de-profecia-igreja.html 





E o mais condenável é que em todo o mundo a IASD cria os santuários dedicados à mãe da verdade (Nossa Senhora White) disfarçando o nome para Centro White.
Fica um questionamento e responda, por favor, por e-mail e neste blog para que você me ajude a crer se realmente estou errado ou certo:
1.  A IASD já criou em algum lugar do mundo um centro da Bíblia?
2.  Para Jeová?
3.  Para Jesus Cristo?
4.  Para o Espírito Santo?
5.  Para algum profeta Bíblico?
6.  Para algum personagem Bíblico?
Porque somente Ellen White é tão merecedora de tais privilégios e honras? Os católicos constroem centros (santuários) para todos os santos menos para Deus ou para a Bíblia, e olhando com bastante honestidade espiritual, observem bem, honestidade espiritual e jamais honestidade tendenciosa, podemos observar que a IASD está trilhando o mesmo caminho.
Os Católicos estão certos por fazer parte da fé deles e os Adventistas estão certos por ser uma compilação dos Católicos?
Não estou condenando o fato de os Católicos terem o seu dia ou sua santa, eles estão certos por ser uma tradição milenar da Igreja Católica, mas; os líderes e a igreja que se dizem opositores de tais ensinamentos imporem aos seus membros uma fé pirateada e contrabandeada por questões apenas financeiras? É o cúmulo da asneira espiritual e falta de Deus na igreja.
Apesar de todas estas imposições da fé Católica na fé Adventista por meio da hipocrisia e corrupção espiritual e a membresia simplesmente ter aceitado como ovelha cega, surda e sem o mínimo de inteligência espiritual ou artificial, eles ainda batem no peito e afirmam ser contrários de carteirinha contra qualquer tipo de idolatria.
Um adventista no ânsia de defender a profecia, ele me enviou esta mensagem no Face Book que prova o que venho questionando:

Quando esteve na Terra, NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, advertiu os DISCÍPULOS CONTRA O FERMENTO DOS FARIZEUS. Em FROFECIAS, FERMENTO REPRESENTA MISTURA OU DOUTRINAS FALSAS. CRISTO É O PĂO SEM FERMENTO; OU SEJA, É O EVANGELHO PURO. O TAL EVANGELHO COM FERMENTO É O EVANGELHO MISTURADO COM FALSAS DOUTRINAS. É ESSE MALDITO EVANGELHO QUE ESTÁ SENDO PREGADO E DADO PARA TODAS AS PESSOAS NAS IGREJAS DO MUNDO INTEIRO. RAZÃO QUE AS ESTÁ ENCHENDO DE MEMBROS. USADA POR DEUS, A SANTA ELLEN G WHITE DIZ EM PRIMEIROS ESCRITOS, PÁGINA 228, QUE, SE O EVANGELHO TIVESSE SIDO PREGADO NA SUA " PUREZA", OU SEJA, SE NĂO LHE TIVESSE SIDO MISTURADAS MENTIRAS E HERESIAS, AS IGREJAS NĂO ESTARIAM CHEIAS DE MUNDANOS, JOIO E IMPIOS. VISTO QUE TODAS ELAS ESTÃO CHEIAS DE MEMBROS MUNDANOS, SIGNIFICA QUE, A MAIORIA GRITANTE DO QUE ESTÁ SENDO PREGADO LA, "SÃO DOUTRINAS DE DEMÔNIOS." 1 TIMÓTEO 4:1
Fica um questionamento: Os IASD tem autoridade espiritual para falar contra o catolicismo?
A coisa está tão séria que já até publicaram um marca página com a imagem, não sei afirmar com certeza se é de Nossa Senhora Mãe de Deus ou de Nossa Senhora White, insinuando que devemos agradecer a ela por todas as bênçãos. Tenho o original que recebi na igreja. É publicação da CPB (Casa Publicadora Brasileira).
Que o Eterno tenha misericórdias de todos nós.

Autor: Eurias R. Carneiro




segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

O Juízo Investigativo é uma doutrina baseada na Bíblia?


O JUÍZO INVESTIGATIVO É UMA DOUTRINA BASEADA
 NA BÍBLIA?




O DIA 22 de outubro de 1844 foi de grande expectativa para umas 50.000 pessoas na costa leste dos Estados Unidos. Seu líder espiritual, William Miller, havia dito que Jesus Cristo voltaria naquele dia. Os mileritas, como eram chamados, aguardaram nos seus lugares de reunião até o anoitecer. Daí amanheceu o dia seguinte, mas o Senhor não tinha vindo. Desiludidos, voltaram para casa e depois chamaram aquele dia de “Grande Desapontamento”.
No entanto, o desapontamento logo deu lugar à esperança. Uma jovem, de nome Ellen Harmon, convenceu um pequeno grupo de mileritas de que Deus revelara em visões que o cálculo de tempo feito por eles estava correto. Ela cria que naquele dia havia ocorrido um evento momentoso — que Cristo entrara então “no lugar santíssimo do santuário celestial”.
Mais de uma década depois, o pregador adventista James [Tiago] White (que se casara com Ellen Harmon) cunhou uma frase para descrever a natureza da obra de Cristo desde outubro de 1844. No periódico Review and Herald, de 29 de janeiro de 1857, White disse que Jesus havia começado um “juízo investigativo”. E isso tem continuado a ser uma crença fundamental entre uns sete milhões que se chamam Adventistas do Sétimo Dia.
No entanto, alguns eruditos respeitados da Igreja dos Adventistas do Sétimo Dia (ASD) têm-se perguntado se o “juízo investigativo” é uma doutrina baseada na Bíblia. Por que têm eles dúvidas a respeito disso? Se você fosse Adventista do Sétimo Dia, esta pergunta o preocuparia. Primeiro, porém, o que é o “juízo investigativo”?
O que é?

O texto básico citado em apoio desta doutrina é Daniel 8:14. Reza: “Ele me disse: Até dois mil e trezentos dias; então o santuário será purificado.” (King James Version [Versão Rei Jaime, em inglês]) Por causa da frase “então o santuárioserá purificado”, muitos Adventistas relacionam este versículo com o capítulo 16 de Levítico. Este descreve a purificação do santuário pelo sumo sacerdote judaico no Dia da Expiação. Relacionam também as palavras de Daniel com o capítulo 9 de Hebreus, que descreve a Jesus como o Sumo Sacerdote Maior no céu. Um erudito dos ASD diz que este raciocínio se baseia no método do “texto de prova”. Alguém encontra “certa palavra, tal como santuário em Dan. 8:14, a mesma palavra em Lev. 16, a mesma palavra em Heb. 7, 8, 9”, e sustenta “que todas estão falando da mesma coisa”.
Os Adventistas argumentam assim: Os sacerdotes no antigo Israel realizavam um ministério diário no compartimento do templo chamado de Santo, resultando no perdão de pecados. No Dia da Expiação, o sumo sacerdote realizava um ministério anual no Santíssimo (a sala mais recôndita do templo), que resultava em apagar pecados. Concluem que o ministério sacerdotal de Cristo, no céu, tem duas fases. A primeira começou com a sua ascensão no primeiro século, terminou em 1844, e resultou no perdão de pecados. A segunda fase, ou a “fase do julgamento”, começou em 22 de outubro de 1844, ainda prossegue e resultará no apagamento de pecados. Como se realiza isso?

Diz-se que Jesus, desde 1844, está investigando os registros de vida de todos os professos crentes (primeiro dos mortos, depois dos vivos) para determinar se eles merecem a vida eterna. Este exame é o “juízo investigativo”. Depois de pessoas terem sido julgadas assim, os pecados daquelas que passam nesta prova são apagados nos registros. No entanto, explicou Ellen White, os que não passam na prova têm ‘seu nome apagado do livro da vida’. Desta forma, “o destino de todos terá sido decidido para a vida ou para a morte”. Neste ponto, o santuário celestial está purificado e Daniel 8:14 se cumpriu. Isto é o que os Adventistas do Sétimo Dia ensinam. Mas a publicação deles, o periódicoAdventist Review, admite: “O termo juízo investigativo não se encontra na Bíblia.”

FALTA O ELO LINGUÍSTICO

Este ensino tem perturbado alguns Adventistas. “A História mostra”, diz um observador, “que líderes leais em nossas fileiras sofreram agonia de alma ao examinarem nosso ensino tradicional sobre o juízo investigativo”. Em anos recentes, acrescenta ele, a agonia transformou-se em dúvida, quando eruditos começaram a “questionar muitos esteios de nossa apresentação usual do santuário”. Examinemos agora dois deles.
Esteio um: O capítulo 8 de Daniel é relacionado com o capítulo 16 de Levítico. Esta premissa é enfraquecida por dois problemas principais: a língua e o contexto. Primeiro, considere a língua. Os Adventistas acreditam que o ‘santuário purificado’, do capítulo 8 de Daniel, seja o antítipo do ‘santuário purificado’ do capítulo 16 de Levítico. Esta analogia parecia aceitável até que tradutores se deram conta de que “purificado”, na King James Version, é uma tradução errada duma forma do verbo hebraico tsa·dháq (que significa “ser justo”) usado em Daniel 8:14. O professor de teologia Anthony A. Hoekema observa: “Ser purificado é uma tradução infeliz da palavra, visto que o verbo hebraico que usualmente é vertido como purificado [ta·hér] nem é usado aqui.” Ele é usado no capítulo 16 de Levítico, onde aKing James Version verte formas de ta·hér como “purifica” e “ser puros”. (Levítico 16:19, 30) Por isso, o Dr. Hoekema conclui corretamente: “Se Daniel quisesse referir-se ao tipo de purificação feito no Dia da Expiação, ele teria usadotaheer [ta·hér] em vez de tsadaq [tsa·dháq].” No entanto, tsa·dháq não ocorre em Levítico e ta·hér não ocorre em Daniel. Falta o elo lingüístico.
O que revela o contexto?
Agora considere o contexto. Os Adventistas sustentam que Daniel 8:14 é “uma ilha contextual” que não tem nada que ver com os versículos precedentes. Mas, será que você tem esta impressão ao ler Daniel 8:9-14 no quadro acompanhante, intitulado “Daniel 8:14 no contexto”? O  versículo 9 identifica um agressor, um chifre pequeno. Os  versículos 10-12 revelam que este agressor atacará o santuário. O  versículo 13 pergunta: ‘Quanto durará esta agressão?’ E o  versículo 14 responde: “Até duas mil e trezentas noitinhas e manhãs; e o lugar santo certamente será levado à sua condição correta.” É evidente que o  versículo 13 faz uma pergunta que é respondida no  versículo 14. O teólogo Desmond Ford diz: “Desvincular Dan. 8:14 deste clamor [“Até quando?” no  versículo 13] significa estar exegeticamente em alto-mar sem âncora.”
Por que desvinculam os Adventistas o  versículo 14 do contexto? Para evitar uma conclusão embaraçosa. O contexto atribui o aviltamento do santuário, mencionado no  versículo 14, às atividades do chifre pequeno. No entanto, a doutrina do “juízo investigativo” atribui o aviltamento do santuário às atividades de Cristo. Diz-se que ele transfere os pecados dos crentes para o santuário celestial. Então, o que acontece quando os Adventistas aceitam tanto esta doutrina como o contexto? O Dr. Raymond F. Cottrell, Adventista do Sétimo Dia e ex-redator associado do SDA BibleCommentary (Comentário Bíblico dos ASD) escreve: “Fingirmos que a interpretação dos ASD leva em conta o contexto de Daniel 8:14 significaria então identificar o chifre pequeno como Cristo.” O Dr. Cottrell admite honestamente: “Não podemos ter ao mesmo tempo o contexto e a interpretação adventista.” Portanto, com respeito ao “juízo investigativo”, a Igreja Adventista teve de fazer uma escolha — aceitar a doutrina ou o contexto de Daniel 8:14. Infelizmente, ela aceitou a primeira e abandonou o segundo. Não é de admirar, diz o Dr. Cottrell, que estudantes informados da Bíblia culpem os Adventistas por “atribuírem às Escrituras algo que não pode “ser entendido das Escrituras”!
Em 1967, o Dr. Cottrell preparou sobre Daniel uma lição para a escola sabatina, enviada às igrejas dos ASD no mundo todo. Ela ensinava que Daniel 8:14 relaciona-se com o seu contexto e que a ‘purificação’ não se refere aos crentes. É significativo que a lição omite qualquer menção dum “juízo investigativo”.

Algumas respostas notáveis
Até que ponto se apercebem os Adventistas de que este esteio é fraco demais para sustentar a doutrina do “julgamento investigativo”? O Dr. Cottrell perguntou a 27 teólogos adventistas de destaque: ‘Que motivos lingüísticos ou contextuais podem fornecer para a ligação entre Daniel, capítulo 8 e Levítico, capítulo 16?’ Qual foi a resposta deles?
“Todos os vinte e sete afirmaram que não existia nenhum motivo lingüístico ou contextual para aplicar Dan. 8:14 ao antitípico dia da expiação e ao juízo investigativo.” Perguntou-lhes: ‘Têm algum outro motivo para fazer esta ligação?’ A maioria dos eruditos adventistas disse que não tinha outro motivo, cinco deles disseram que fizeram esta ligação porque Ellen White a fez e dois disseram que basearam a doutrina num “acidente feliz” na tradução. O teólogo Ford observa: “Tais conclusões fornecidas pela nata de nossa erudição na realidade afirmam que nosso ensino tradicional sobre Dan. 8:14 é indefensável.”
Ajuda o livro de Hebreus?
Esteio dois: Daniel 8:14 é relacionado com o capítulo 9 de Hebreus. “Todas as nossas obras anteriores faziam uso de Heb. 9 ao explicar Dan. 8:14”, diz o teólogo Ford. Esta ligação surgiu depois do “Grande Desapontamento” em 1844. Procurando obter orientação, o milerita Hiram Edson jogou sua Bíblia sobre uma mesa para que caísse aberta. Com que resultado? Ele se viu confrontado com os capítulos 8 e 9 de Hebreus. Diz Ford: “Nada poderia ser mais apropriado e simbolizar melhor a afirmação adventista de que esses capítulos têm a chave para o significado de 1844 e Dan. 8:14!”
“Esta afirmação é decisiva para os Adventistas do Sétimo Dia”, acrescenta o Dr. Ford no seu livro Daniel 8:14, theDay of Atonement, and the Investigative Judgment. “Somente em Heb. 9 . . . pode-se encontrar uma explicação detalhada do significado da . . . doutrina do santuário, tão vital para nós.” Deveras, o capítulo 9 de Hebreus é ocapítulo no “Novo Testamento” que explica o significado profético do capítulo 16 de Levítico. Mas os Adventistas também dizem que Daniel 8:14 é o versículo no “Antigo Testamento” que o explica. Se ambas as declarações forem verdade, então deve haver também uma relação entre o capítulo 9 de Hebreus e o capítulo 8 de Daniel.
Desmond Ford observa: “Certas coisas se destacam imediatamente quando se lê Heb. 9. Não há nenhuma alusão óbvia ao livro de Daniel e certamente nenhuma a Dan. 8:14. . . . O capítulo, como um todo, é uma aplicação de Lev. 16.” Ele declara: “Nosso ensino sobre o santuário não pode ser encontrado no único livro do Novo Testamento que considera o significado dos serviços no santuário. Isto tem sido reconhecido por bem-conhecidos escritores Adventistas em todo o mundo.” Portanto, o esteio dois também é fraco demais para apoiar a doutrina em apuros.

No entanto, não se trata duma conclusão nova. Já por muitos anos, diz o Dr. Cottrell, “eruditos bíblicos da igreja se apercebem muito bem dos problemas exegéticos encontrados por nossa interpretação convencional de Daniel 8:14 e de Hebreus 9”. Há uns 80 anos, E. J. Waggoner, influente Adventista do Sétimo Dia, escreveu: “O ensino adventista a respeito do santuário, com seu ‘Juízo Investigativo’ . . . , é virtualmente uma negação da expiação.” (Confession ofFaith [Confissão de Fé]) Há mais de 30 anos, esses problemas foram apresentados à Associação Geral, a liderança da Igreja ASD.
Problemas e um impasse
A Associação Geral designou uma “Comissão de Problemas no Livro de Daniel”. Destinava-se a preparar um relatório sobre como resolver as dificuldades em torno de Daniel 8:14. Os 14 membros da comissão estudaram a questão por cinco anos, mas deixaram de propor uma solução unânime. Em 1980, Cottrell, membro da comissão, disse que a maioria dos membros da comissão achava que a interpretação adventista de Daniel 8:14 podia ser “confirmada satisfatoriamente” por uma série de “suposições” e que os problemas “deviam ser esquecidos”. Ele acrescentou: “Lembre-se de que o nome da comissão era Comissão de Problemas no Livro de Daniel, e que a maioria sugeria que esquecêssemos os problemas e não disséssemos nada sobre eles.” Isto seria equivalente a uma “admissão de que não temos respostas”. De modo que a minoria negou-se a apoiar o ponto de vista da maioria, e não houve nenhum relatório formal. Os problemas doutrinais continuaram sem solução.
Comentando este impasse, o Dr. Cottrell diz: “A questão de Daniel 8:14 ainda continua, porque não estivemos até agora dispostos a encarar o fato de que existe um problema exegético bem real. Esta questão não se resolverá enquanto continuarmos fazendo de conta que não há problema, enquanto insistirmos em manter nossas cabeças, individual e coletivamente, enterradas na areia de nossas opiniões preconcebidas.” — Spectrum, um periódico publicado pela Association of Adventist Forums.

O Dr. Cottrell exorta os Adventistas a fazer “um reexame cuidadoso das suposições básicas e dos princípios de exegese em que temos baseado nossa interpretação desta — para o adventismo — indispensável passagem das Escrituras”. Gostaríamos de incentivar os Adventistas a examinar a doutrina do “juízo investigativo”, para ver se seus esteios se baseiam solidamente na Bíblia ou se fundam nas areias instáveis da tradição. O apóstolo Paulo exortou sabiamente: “Certificai-vos de todas as coisas; apegai-vos ao que é excelente.” — 1 Tessalonicenses 5:21. http://www.crisedeconsciencia.com/index.php/2010/06/juizo-investigativo/

domingo, 22 de janeiro de 2012

O Conselho Mundial de Igrejas e a Igreja Adventista do Sétimo Dia


O Conselho Mundial de Igrejas e a Igreja Adventista do Sétimo Dia


(Ministério "Let There be Light")
O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) foi constituído formalmente em 23 de Agosto de 1948 em Amsterdam, Holanda. É composto de diversas organizações controladas pelo CMI. A meta do CMI é unir todas as religiões do mundo num só pacote - ou uma só igreja mundial. Mas para alcançar a união de todas as religiões o mundo, estes grupos religiosos devem renunciar às doutrinas mantidas que causam diferenças, e que o ponto principal consiste em focar aquelas crenças que mantém em comum. 
Uma organização que é uma das principais ramificações do CMI é o Conselho Nacional de Igrejas (CNI). Também dentro da estrutura organizacional do CMI estão incluídas muitas ramificações - tais como as Associações Ministeriais nas diversas comunidades públicas (veja em Collectivism in the Churches, pág. 60, por Edgar C. Bundy). O CNI é uma organização conhecida formalmente como o Conselho Federal de Igrejas - o qual se organizou em Dezembro de 1908, e logo mudou o seu nome para CNI em 1950. O CNI consiste em várias igrejas dentro dos Estados Unidos da América, que acordaram converter-se em membros e promoverem as metas do CNI/CMI.
O objectivo do CNI é o mesmo que o do CMI, já que foi o líder do Conselho Nacional/Federal de igrejas quem formou o CMI em 1948 (veja World Council of Churches: Religion or  Revolution, por Hugh Moreton & N.W.Hutchings, pág.3). As suas metas vão mais além do que unir todas as religiões em uma, e inclui as mesmas metas do Catolicismo, da Nova Era, da Maçonaria Livre, dos Illuminati, das Nações Unidas e outras organizações satânicas - e a meta da Nova Ordem Mundial, com Lúcifer como seu deus e líder.
Para alguns isto pode ser difícil de acreditar, mas o próprio CNI declarou isto nos seus pontos de recomendação a seguir, a fim de obter a paz mundial: 
"...um governo mundial... Limitação forte e imediata na soberania nacional. Controle internacional de todos os exércitos e marinhas. Um sistema de moeda universal. Liberdade de imigração mundial. Eliminação progressiva de todas as tarifas e taxas restritivas no comércio mundial. Um banco internacional controlado democraticamente... 

"Uma nova ordem de vida económica é tanto imperativa como eminente, através da cooperação voluntária dentro do sistema da democracia, ou através de uma explosiva revolução política" (TIME Magazine 16 Março de 1942, pág. 44-48).

O CMI e as suas organizações estão verdadeiramente determinadas a trazer esta "explosiva revolução política" para os países que não estão seguindo o seu plano para uma igreja mundial e uma nova ordem mundial. Os exemplos dados a seguir são apenas alguns. 

O CMI outorgou uns $85,000 a um grupo terrorista nacionalista africano - FRENTE PATRIOTA os quais mantiveram guerrilhas armadas na Rodésia e Zimbabwe em 1978 (veja Seattle Times, 25 Agosto de 1981). Esses terroristas  assassinaram nesse ano cerca de 1900 pessoas, incluindo 8 missionários britânicos e os seus 4 filhos na Rodésia (Reader's Digest, agosto 1982). Em 1974 o CMI contribuiu com 6,355 libras britânicas para os membros da organização terrorista ZANU de África, que foi responsável pela matança de 87 civis rodésianos (ver WCC Religion or Revolution, pág. 13). Também em 1974 o CMI outorgou umas 50,000 libras britânicas à FRELIMO, outra força de guerrilha marxista (ver idem pág. 13).

Logo que o governo rodésiano acabou com esses grupos terroristas, esta declaração foi apresentada pelos seus representantes na Conferência do CMI em Maio de 1980 em Melbourne, Austrália: 
A nossa vitória difícil de conquistar não se realizou somente por nossa determinação. Fomos ajudados e mantidos materialmente, moralmente e espiritualmente pelo CMI, e suas igrejas membros." (American Opinion, Janeiro de 1982, pág. 4).

O CMI também doou fundos ao governo comunista do Vietnam do Norte (ver WCC: Religion or Revolution, pág. 16), à PLO de Cuba, e a outros movimentos totalitários pró soviéticos (ver Reader's Digest, Janeiro de 1983, pág. 20). Também deram $823, 000 à SWAPO na Namíbia, uma organização apoiada pelos comunistas (ver WCC Religion or Revolution, pág. 28; American Opinion, Janeiro 1982, pág. 2).

Como podemos ver claramente, o CMI - incluindo o CNI e outras organizações menores - não estão trabalhando para Deus, pelo contrário, estão definitivamente trabalhando contra e Ele! Eles estão em completa união com o inimigo de Deus, e promovendo a meta de Lúcifer de ser o deus e líder da Nova Ordem Mundial. Portanto nenhuma igreja de Deus deve estar conectada ao CMI/CNI, quer seja trabalhando ou apoiando. 

Mas, de onde provém o dinheiro com o qual o CMI paga e apoia o objectivo de Satanás de uma Igreja Mundial e uma Nova Ordem Mundial - incluindo actividades terroristas para atingirem o seu objectivo? 

"A pergunta óbvia surge: de onde provém o dinheiro (para financiar o CMI)? A resposta é: Provém de vocês. Provém de vocês se põem o vosso dinheiro na bandeja das colectas de uma igreja que pertence ao Conselho Nacional de Igrejas. O dinheiro provém e sua denominação/igreja, para o Conselho Nacional, e Conselho Mundial."(American Opinion, Janeiro 1982, pág. 12).

Portanto, qualquer igreja que dá ajuda financeira ou outro apoio ao CNI, ou a qualquer de suas ramificações organizadas, é culpado de apoiar o movimento feito pela Igreja Mundial, a Nova Ordem Mundial, espalhar o comunismo, sustentar grupos terroristas, e a matança de pessoas  inocentes e cristãs! E não somente a própria igreja será responsável, como também todos e cada um de seus membros dessa igreja  também serão culpados!

Todas as diferentes igrejas que são membros ou associados das diversas organizações sob o controle do CMI são tecnicamente membros do CMI. Mas a política do CMI estabelece que nenhuma igreja individualmente é membro directo deste, se não, somente através das diversas ramificações. 

Portanto, quando surge a pergunta para saber se tal igreja faz parte do CMI, os líderes destas diferentes igrejas podem tecnicamente dizer à sua congregação que a sua igreja não é membro do CMI, quando na realidade a conexão existe através das diferentes ramificações!

A seguir veja uma lista parcial das igrejas que se documentaram sendo parte, e cooperando ou trabalhando com o CMI/ CNI, algumas delas durante muitos anos: Anglicana, Assembléia de Deus, Baptista, (incluindo do Sétimo Dia), Irmãos, Católica (incluindo Antiga), Cristã, Igreja de Deus, Congregacional, Comunidade, Discípulos, Episcopal, Evangélica, Amigos, Evangelho Completo, Santidade, Santos dos Últimos Dias (Mórmons), Luterana, Metodista, Missionária, Moraviana, Ortodoxa (Búlgara, Cristã, Oriental, Grega, Húngara, Romana, Russa, Síria, Ucraniana), Pentecostal, Presbiteriana, Protestante, Reformada, Adventista do Sétimo Dia, Unida, e Wesleyana (ver Carta do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo, 13 Janeiro de 1965, de Wilbur C. Parry, secretário geral associado; American Opinion, Janeiro 1982, pág.11; Directory of Christian Councils publicado pelo CMI, 1985).

Ainda assim, quando a cooperação e união da igreja é claramente referida em várias publicações, muitos líderes eclesiásticos negam que a sua igreja tenha alguma conexão ou união, ou que tenha dado apoio ao CMI! Especialmente a conexão, união e apoio que os Adventistas do Sétimo Dia têm dado ao CMI tem sido veemente negado pela liderança da sua igreja. Apesar disto, os documentos falam mais alto que as suas palavras! Portanto, quem está a dizer a verdade – a liderança da Igreja ASD, ou os fatos documentados?
Examinaremos algumas declarações de líderes ASD e publicações da sua denominação, e logo compará-las-emos com diversos documentos, para assim podermos descobrir quem está a dizer a verdade. E começaremos perguntando-nos se a Igreja ASD tem dado apoio monetário ao CMI.
A Igreja ASD declara:
“…nós não fazemos contribuições ao seu programa do (do CNI).” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 25 de Janeiro de 1967, de D.W.Hunter, Secretário Associado.
“Nós não temos tido relação financeira com esta organização (CMI). Todos os fundos que recebemos como Igreja… são pagos completamente através dos nossos próprios canais denominacionais. Entendemos que estes podem contribuir sob a base de que podemos usá-los para manter os diversos programas operados pela nossa igreja, incluindo por certo os nossos diversos programas de beneficência…
“Portanto, a resposta breve à sua pergunta é que nós não contribuímos com nenhum fundo para esta organização (CMI).” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 5 de Janeiro de 1983, de L:L.Butler, Tesoureiro.
“A Igreja Adventista do Sétimo Dia… não paga um centavo em apoio a este (CMI).” Adventist Review, 3 de Janeiro, 1985, pág. 4.
Será isto verdade? O que declaram os fatos documentados?
No ano 1959, a igreja ASD enviou um total de $6,700 para o sustento do Conselho Nacional de Igrejas (ver Carta do Conselho Nacional de Igrejas, 29 de Janeiro de 1960, Donald F.Landwer, Secretário Geral Assistente de Finanças (do CNI).
Em 1969, eles deram um total de $5,950 para o sustento do CNI (ver Carta do Conselho Nacional de Igrejas, 7 de Abril de 1970, Constant H.Jacquet, Director da Biblioteca de Investigações).
De fato, em 1984 da Igreja ASD admitiu haver dado $8,000 aos Conselhos Nacional e Mundial de Igrejas, e logo declarou:
Aparentemente, isto é o que tem sucedido durante os últimos anos.” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 13 de Junho de 1985, Mitchell ª Tyner, Esq., Director Associado Consultor Legal do Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa. Veja também a Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 23 de Outubro de 1984, de W.L.Murrill, Vice-tesoureiro.
Até aqui os fatos documentados, especialmente da igreja ASD, provam que eles realmente têm apoiado com ajuda financeira o CNI e o CMI, durante algum tempo! Isto significa que a igreja ASD e os seus membros são culpados de apoiar a promoção das metas da Igreja Mundial e da Nova Ordem Mundial, de expandir o comunismo, o terrorismo, e de ajudar a matar gente inocente,
Mas, que dizer acerca da união e cooperação da Igreja ASD com o CMI ou qualquer das suas ramificações?
A igreja ASD e a sua liderança nega redondamente que têm qualquer tipo de união com o CMI ou o CNI!
“Os Adventistas do Sétimo Dia não são membros do Conselho Nacional de Igrejas.” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 25 de Janeiro de 1967, de D.W.Hunter,
“…a Igreja Adventista do Sétimo Dia não é membro do Conselho Mundial de Igrejas…” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Departamento de Relações Públicas. De B.B.Beach, 2 de Abril de 1982.
“…A Conferência Geral não é membro do CNI ou do CMI…” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 23 de Outubro de 1984, W.L.Murrill, vice-tesoureiro.
“Não. A Igreja Adventista do Sétimo Dia não é membro do Conselho Mundial de Igrejas…” Adventist Review, 3 de Janeiro de 1985, pág. 4.
De fato, o presidente da Conferência Geral tem dito isto:
A Igreja Adventista do Sétimo Dia não é, nunca foi, e não será membro do Conselho Mundial de Igrejas. A mim não me importa que evidência haja impressa do contrário. Isto é simplesmente uma armação; isto não é verdade; é uma mentira; é uma distorção. Quero assegurar-me que entendem isto. Existe um NÃO; não é membro nem tem intenções de ser um membro.. Não somos nem seremos. Espero que tomem isto como uma declaração de uma verdade inegável e categórica. E qualquer coisa que recebam impressa dizendo o contrário, rasgem-na, lancem-na para o lixo, isso simplesmente não é verdade!” Robert Folkenberg, “Issues and Inrteviews”, na estação de rádio ASD-KCDS em Angwin, Califórnia, 19 de Fevereiro de 1993.
Mas, o que têm a dizer esses documentos acerca da união e cooperação da igreja ASD com o CMI ou algumas das suas ramificações, que o presidente da igreja ASD quer que rasguemos e deitemos para o lixo? Examinemos primeiro a união da igreja ASD com o CNI.
Em 1959 a igreja ASD foi nomeada como membro associado e membro colaborador, do Conselho Nacional de Igrejas (ver carta do Conselho Nacional de Igrejas, 7 de Agosto de 1959, Wesley B.Goodman, Director Executivo Associado).
A igreja ASD esteve enumerada como um dos membros-unidos do CNI em 1964 (ver carta do Conselho Nacional de Igrejas, 13 de Janeiro de 1965, Wilbur C.Parry, Assistente da Secretaria do Conselho).
A igreja ASD tem tido representantes da Conferência Geral como membros das Comissões do CNI em 1983 (ver carta do Conselho Nacional de Igrejas, Departamento de Investigação Avaliação e Planificação, 26 de Setembro de 1983, de Constant H.Jacquet Jr., Associado da equipe para Serviços de Informação). E teve representantes como membros de três Comissões e de mais de três Comités do CNI em 1984 (ver carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 13 de Junho de 1985, Mitchell A.Tyner, Esq., Director Associado e Consultor Legal do Departamento de Relações Públicas e Liberdade Religiosa).
Mas, tem tido a igreja ASD uma relação de trabalho estreita com o CNI/CMI de tal maneira que tenham sido aceites como membros votantes em alguns dos seus programas? O que declarou a igreja ASD?
“Nós (os Adventistas do Sétimo Dia) não votamos nas suas actividades (do CNI). Nós não somos membros (do CNI) e não podemos votar.” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 25 de Janeiro de 1967, de D.W.Hunter, Secretário Associado.
“Os Adventistas do Sétimo que vão às reuniões do Conselho Mundial de Igrejas vão como observadores, sem nenhum tipo de status de delegados, eles não têm direito a falar nem a votar.” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, 14 de Abril de 1970, de W.R.Beach, Secretário.
O que revelam os fatos documentados acerca deste assunto?
“A igreja Adventista do Sétimo Dia mantém-se como membro votante em várias das nossas unidades de programas (do CNI), e em adição é membro associado e não votante em outras unidades.” Carta do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo, 29 de Janeiro de 1960, de Donald F.Landwer, Secretário Geral Assistente de Finanças.
“Aproximadamente cem teólogos reuniram-se em Janeiro de 1982 em Lima, Perú, e recomendaram unanimemente transmitir os acordos desta declaração - o texto de Lima - para um estudo em comum e uma resposta oficial das igrejas. Virtualmente, estão representadas todas as igrejas principais: Ortodoxa do Leste, Ortodoxa Oriental, Católica Romana, Católica Antiga, Luterana, Anglicana, Reformada, Metodista, Unida, Discípulos, Baptista, Adventista e Pentecostal.” Publicação #111 da Comissão da Fé e Ordem, Batismo, Eucaristia e Ministério, publicado pelo Conselho Mundial de Igrejas, Génova. 1982.
A igreja ASD também é membro do CNI através das igrejas ASD locais que pertencem às Associações Ministeriais nas suas comunidades (uma Associação Ministerial é composta de diferentes igrejas dentro de uma comunidade local).
A igreja ASD está conectada pelo menos, às seguintes Associações Ministeriais e organizações:
Pajaro Valley, California (ver Register-Pajaronian Newspaper, 11 de Janeiro de 1986, e o boletim da igreja ASD de Watsnvill, 4 de Janeiro de 1986).
Paradise, Califórnia (ver boletim da igreja ASD de Paradise, 23 de Agosto de 1986).
Riverside, Califórnia (ver Estação de Rádio KSGN, notícia do 19 de Abril de 1987, evento matutino da Páscoa).
Ukiah, Califórnia (ver boletim da igreja ASD de Ukiah, 22 de Novembro de 1994).
Verdugo, Califórnia (ver Recorder, 17 de Novembro de 1988, pág. 22).
Honolulu, Hawai (ver Recorder, 17 de Março de 1986, pág. 16).
Garfield County, Montana (ver Gleaner, 16 de Junho de 1986, pág. 18).
Morganton, Carolina do Norte (ver Southern Tidings, Abril de 1975).
Zephyrhills, Washington (ver Centro Médico Flyer ASD de Pasco do Leste, Março de 1989).
Estas Associações não ocorreram somente nos EUA, mas também em países do estrangeiro, tais como nas comunidades australianas de Bunbury (ver The West, 2 de Dezembro de 1966) e de Ringwood (ver Eastern Post Gazette, 11 de Novembro de 1965). E para aqueles que continuam a negar admitir que a igreja ASD está em união e cooperação com o CNI, e com o CMI, o que se segue deveria perturbar a sua negação adormecida.
Durante a semana antes do Natal de 1994, a igreja ASD e o CNI uniram-se para transmitir por televisão nacionalmente e Especial da Véspera de Natal “Um Novo Natal”! (ver Adventist Review, 15 de Dezembro de 1994, pág. 7). Este programa foi gravado em vídeo num serviço religioso e domingo 4 de Dezembro na igreja ASD de Pioneer Memorial na Universidade de Andrews, e a mensagem devocional foi apresentada pelo pastor ASD Dwight Nelson (ver Adventist Review, 4 de Dezembro de 1994, pág. 7). Isto foi televisionado nacionalmente na véspera de Natal (23:30 de sábado até00:30  de domingo) através da rede de televisão ABC, e a igreja ASD colocou um anúncio pago em 14,000,000 de cópias da TV Guide (guia de televisão) (ver Adventist Review, 15 de Dezembro de 1994, pág. 7).
No anúncio pago deste evento, assim como as considerações que apareceram na abertura do programa televisionado, dizia:
“O Conselho Nacional de Igrejas apresenta uma produção da Igreja Adventista do Sétimo Dia.” Adventist Review, 15 de Dezembro de 1994, pág. 7. (veja também TV Guide, 24-30 de Dezembro de 1994, pág. 55, vol. 42, #52, edição #2178).
Assim, a igreja ASD está verdadeiramente em união e cooperação com o CNI. E como o CNI é uma ramificação do CMI, a igreja está em união e cooperação com o CMI. Mas esta não é a única evidência da união ecumênica da igreja ASD com o CMI – seja directamente ou sendo membro através das suas ramificações!
As conversações directas entre o CMI e os oficiais da igreja ASD começaram durante meados dos anos 1960 – especialmente em 1966. Estas conversações directas levaram a liderança da igreja ASD a pressionar a sua igreja a comprometer as verdades peculiares contidas nas mensagens dos três anjos de Apocalipse 14. A sua meta foi ignorar aquelas doutrinas que a tornavam diferente das outras igrejas dentro do CMI, de maneira que ensinaram somente as doutrinas em comum.
A liderança da igreja ASD declarou:
“Hoje em dia o antigo caminho de acesso grandemente negativo – enfatizando principalmente nas coisas onde nós diferimos dos demais grupos religiosos – é passado, definitivamente passado. E assim é como deveria ser.” Ministry Magazine, Março de 1966, pág. 10.
“A igreja ASD está mais preparada hoje para ter uma causa comum com outros evangélicos, que em qualquer tempo prévio na sua história.” Ministry Magazine, Junho de 1966, pág. 19-20.
Como resultado da liderança da igreja ASD incentivar a igreja a ensinar o comum e ignorar a pregação das verdades cortantes dos três anjos, isto levou a “que a Conferência Geral, como igreja ou corpo confessional mundial, (fosse) reconhecida por um assessor em Cantebury na sessão do Comité Central do CMI de 1969” (ver o documento preparado por B.B.Beach entitulado: “Conversações entre os Adventistas do Sétimo Dia e o Conselho Mundial de Igrejas e o seu Significado”).
Assim que a igreja ASD ficou representada oficialmente em Cantebury, o Comité Executivo da Conferência Geral dos ASD passou um directriz para ensinar “em comum” com outras igrejas ligadas ao CMI!
“Poquanto… planos departamentais…foram votados… para criar uma imagem pública… para colocar a salvação ao alcance das multidões… para dar ênfase às verdades não controversas partilhadas em comum com toda a cristandade.” Review and Herald, 18 de Dezembro de 1969. pág. 16-20, acção do Conselho de Outono.
Foi acerca disto exactamente que Deus advertiu o Seu povo durante décadas – a grande apostasia dos últimos dias – quando todas as igrejas se uniriam sob a plataforma de uma crença comum )ver O Grande Conflito, pág. 497-498). E a igreja ASD ignorou as advertências de Deus, recusando a Sua vontade, e com uma frente de corações rebeldes, tornou-se conscienciosamente parte desta grande apostasia!
Como resultado da igreja ASD se ter unido a esta apostasia, e ter acordado ensinar o comum com o resto das igrejas apóstatas, os grandes líderes do CMI juntamente com os principais líderes ASD reuniram-se em 1972 para discutir a união da igreja ASD com o CMI. Estas reuniões foram publicadas no jornal protestante Christian Beacon. O escritor declara:
“Os Adventistas do Sétimo Dia e representantes do Conselho Mundial de Igrejas reuniram-se com o presidente de União para discutir o assunto dos Adventistas do Sétimo Dia como membros do CMI. Na preparação para a recepção, estão se levando a cabo agora a nível local e nacional. O diálogo a nível superior foi dirigido por Lucas Vischer, secretário da Comissão da Fé e Ordem, e o Dr. B.B.Beach, dos Adventistas do Sétimo Dia. Os líderes do CMI estão especialmente ansiosos por incluir as actividades mundiais dos Adventistas do Sétimo Dia.” Christian Beacon, vol.37, #47, 28 de Dezembro de 1972.
Qual tem sido o resultado dessas reuniões? Encontra-se a igreja ASD enumerada directamente como unida ou conectada ao CMI?
Em 1985, o CMI publicou o Directório de Concílios Cristãos, um directório que enumera todas as suas igrejas membros - unidos através do mundo – incluindo aquelas igrejas que se encontram dentro do CNI e em outras ramificações diversas. O seguir vem uma lista da união, associação na qualidade de membro e participação da igreja ASD através do mundo.
Associados Fraternais:
Kenya, África - Igreja da União Africana de Leste – Adventista do Sétimo Dia”. Directory, pág. 15.
Membros Associados:
Rwanda, África - “Eglise Adventiste du Septiéme Jour (Igreja Adventista do Sétimo Dia)”. Directory, pág. 35.
Ilhas de Salomão – “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Directory, pág. 195.
Observadores:
Finlândia – “Igreja Adventista”. Directory, pág. 133.
República Democrática Alemã – Gemeinschaft der Siebenten-Tags-Adventisten (Adventista do Sétimo Dia).” Directory, pág. 139.
Membros:
Bahamas - “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Directory, pág. 99.
Belize - “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Directory, pág. 100.
Ilhas Cook - “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Directory, pág. 189.
Suécia - “Igreja Adventista do Sétimo Dia”. Directory, pág. 144.
Isto sem mencionar outras ramificações e organizações membros do CMI, à parte do CNI, em que a igreja ASD também é membro, como por exemplo o Conselho Húngaro de Igrejas Livres (ver Directory, pág. 142). Ainda assim a mesma igreja ASD (ver Southern Tidings, Setembro de 1977) e Neal C.Wilson, então presidente da Conferência Geral (ver Pacific Union Recorder, 18 de Fevereiro de 1985, pág. 4), admitiram que a igreja ASD era membro desta organização!
Mas como seria de esperar, a igreja ASD também nega qualquer união das igrejas ASD húngaras com o CMI.
“Nós não estamos junto com os ‘ecumênicos’. A nossa igreja na Hungria não é membro do Conselho Mundial de Igrejas; não está representada nas suas reuniões.” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Departamento de Ralações Públicas, 2 de Fevereiro de 1987, de B.B.Beach.
Também a igreja ASD é membro da organização da Igreja de Cristo no Zaire, África: e isto também foi admitido pela igreja ASD!
“Líderes mundiais adventistas… submeteram-se às demandas do governo para comprometerem-se com a organização protestante… (e) a 24 de Março de 1972 os Adventistas do Sétimo Dia converteram-se à comunhão com o número 42 da Igreja de Cristo no Zaire.” Review and Herald, 27 de Fevereiro de 1975.
A igreja ASD também é membro da organização Igreja Comunista na China.
“Os ASD foram uma das primeiras denominações a modificar-se e unir-se à Igreja Comunista. Outras denominações, ainda que nem todas, seguiram-na logo depois disto. Estas foram a Igreja Evangélica, sob a liderança do Rev. Wang, e a Igreja Ortodoxa da China, sob a liderança do Rev. Watchman Nee.” Haagse Courant (jornal dinamarquês), 27 de Janeiro de 1962.
“Declarou-se que os adventistas passaram por um ‘novo nascimento’ como organização. Eles foram recompensados ao ser classificados oficialmente como uma ‘Igreja Reformada’, a primeira na China Comunista. The Story of Mary Liu, pág. 222, por Edgard Hunter.
Mas logo depois de enumerar todas as suas diferentes organizações, ramificações e igrejas membros, o CMI faz esta declaração final:
“Em adição às relações das igrejas mencionadas acima com os concílios regionais e nacionais, o CMI está trabalhando em parceria com muitas Comunhões Mundiais Cristãs, incluindo o Conselho Consultativo Anglicano, a Aliança Mundial Baptista, o Conselho Consultativo Ecumênico dos Discípulos, o Comité Mundial de Amigos para Consulta, a Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, a Federação Mundial Luterana, a Conferência Mundial Menonita, a Organização Internacional Católica Antiga, o Sínodo Ecumênico Reformado, o Exército da Salvação, a Aliança Mundial de Igrejas Reformadas, a Convenção Mundial de Igrejas de Cristo, a Irmandade Evangélica Mundial, e o Conselho Metodista Mundial.” Directory of Christian Councils, pág. 244.
Mas o envolvimento da igreja ASD com o CMI não fica por aqui.
A 1973 a igreja ASD, junto com o CMIm foi co-autora de um livro entitulado: So Much in Common (Tanto em Comum). E na contracapa estabelece-se claramente que este livro foi escrito por: “o Conselho Mundial de Igrejas e a Igreja Adventista do Sétimo Dia.
Em 1989 a igreja ASD, junto com outras igrejas, “acordaram formar o Conselho de Igrejas da Estónia, o primeiro desse tipo criado na URSS”. Jornal Christian in Crisis, vol. 5, #2, Março-Abril de 1989, pág. 1.
A igreja ASD nem sequer teve medo de dizer aos seus membros que ela é muito amistosa com o CMI!
Em 1983, o CMI levou a cabo a sua sexta assembleia em Vancouver, Canadá, a que assistiram representantes da igreja ASD. O povo ASD foi entitulado como se segue:
Os Adventistas Encontram Amigos no Conselho Mundial de Igrejas” Messenger, Setembro de 1983, pág. 5.
Noutra publicação da igreja ASD, Douglas Devnich, que foi um representante da igreja ASD na Assembleia do CMI em Vancouver (e que logo foi presidente da Conferência da União Canadense dos ASD), declarou:
“… o CMI não falhará nos seus esforços… O chamado vindo de Vancouver em 1983 para uma Nova Ordem Mundial…
“A minha posição é que o CMI, como a agência social cristã mais poderosa, poderia muito bem ser a resposta do mundo tanto para idealizar como para aplicar o ministério de Jesus Cristo… e no estabelecimento literal do Reino de Deus.” Revista Ministry, Novembro de 1983.
Portanto a Igreja ASD também está enumerada como membro pleno do corpo teológico principal do CMI desde 1968: a Comissão da Fé e Ordem (ver New York Times, 12 de Julho de 1968). A Comissão da Fé e Ordem “provê o apoio teológico para os esforços que as igrejas estão fazendo em direcção à unidade” com o CMI (ver publicação #111 da Fé e Ordem, Batismo, Eucaristia e Ministério, pág. VII).
Mas, o que declara a liderança da igreja ASD acerca deste fato mencionado acima?
“Permita-me primeiro assegurá-lo que a igreja Adventista do Sétimo Dia não é membro nem do Conselho Mundial de Igrejas nem da Comissão da Fé e Ordem.” Carta da Conferência Geral dos Adventistas do Sétimo Dia, Departamento de Relações Públicas, 2 de Abril de 1982, de B.B.Beach.
Ainda a Igreja ASD convidou um representante oficial do CMI como hóspede-observador para a Sessão da Conferência Geral de 1990 em Indianápolis, Indiana, para trazer uma mensagem ao corpo de delegados!
Joan Campbell, director do Serviço do Conselho Mundial de Igrejas nos Estados Unidos, declarou:
“Para mim é um prazer estar novamente convosco… Trago-vos as mais calorosas saudações da parte do CMI e de todas as nossas igrejas membros ao redor do mundo… Quando estive esta manhã no serviço de adoração, pareceu-me que estava no meu momento de adoração, igual ao vosso. E isto diz-me que existem muitas coisas que temos em comum…
“Portanto, como irmãos cristãos, tal como os pentecostais nestes últimos dias, olhamos uns para os outros e dizemos quetemos todas as coisas em comum.” Adventist Review, 10 de Julho de 1990, pág. 6.
Não somente a igreja ASD está em união com o CMI, mas também estão envolvidos e fazem parte do Movimento Ecumênico. Este Movimento reconhece todas as igrejas como parte do corpo de Cristo, e luta pela união de todas as igrejas num só corpo – quase igual ao CMI!
Esta união é vista claramente pela boa vontade com que a igreja ASD está trabalhando junto com as outras denominações – incluindo com a igreja católica! E que fonte melhor para encontrar documentos que evidenciem isto, que a própria boca da igreja ASD!
"Em 29 de Outubro de 1966 deu-se um passo adiante em direcção à liberdade religiosa na Colômbia, como a  fundação da Associação para a Liberdade Religiosa da Colômbia... Elegeu-se presidente a Raimundo Suárez Pardo, um adventista do sétimo dia. O vice presidente é o reverendo Noel Olaya, um sacerdote católico e relacionado com alguns antigos presidentes da Colômbia. H. Niemann, pastor da igreja central de Bogotá, foi eleito secretário, e Fernando Tapias, um homem de negócios adventista, foi eleito tesoureiro. O Dr. Carlos Didacio Alvarez, um advogado católico e firme defensor da liberdade religiosa, foi designado auditor. O resto da directiva elegeu-se entre as diversas crenças religiosas." Review and Herald, 9 de Março de 1967.
"Entre aqueles que se reuniram para louvar juntos ao Senhor com cânticos estavam alguns das seguintes igrejas: Raymond BlacKford, da Luterana Betel; o Dr. William Early, da Metodista de Cicero; o Rev. Stephen Bard, da Wesleyana de Cicero; o Padre Duane Craycraft, da igreja Católica o Sagrado Coração; o Rev. Dom Paden da Cristã de Cicero; e o Pastor Randall Murphy, da Igreja Adventista do Sétimo Dia da região de Cicero" Review and Herald, 9 de Março de 1967.
"O que nós gostamos acerca desta preocupação é que têm que se derrubar as barreiras denominacionais. Elegeu-se um novo comité na eleição recente de oficiais na reunião geral. Este comité consistiu de dois católicos, um presbiteriano, um anglicano, um pentecostal, e quatro adventistas." Record, 3 de Setembro de 1973.
"Robert Hunter, pastor (da IASD)  de Morganton, Carolina do Norte, distrito e membro da associação ministerial local, uniu-se ao Dia de Intercâmbio de Púlpitos, intercalando o púlpito com Thomas Burke, da igreja Católica Romana de St. Charles. O tema do programa de toda a cidade foi 'Bendito Seja o Vínculo.'" Southern Tidings, Abril de 1975.
"...membros da igreja adventista japonesa... (assistiram) a um serviço de adoração ecumênico realizado em Janeiro na Igreja Católica Romana São Pio X. O pastor (ASD) Lyle Araki foi convidado para pregar o sermão... Este serviço especial de adoração marcou o começo da Semana de Oração para a Unidade Cristã... A organização "Manoa Interchurch Service and Outreach" (MISO) patrocinou este serviço ecumênico... 
"MISO inclui à Igreja Católica Romana San Pio X, a Igreja Luterana de Honolulu, a Igreja de Manoa Valley (Igreja Unida em Cristo), assim como também a Igreja Adventista Japonesa." Recorder, 17 de Março de 1986, pág. 16.
"A Igreja Adventista do Sétimo Dia de Glendale é anfitriã de um festival de ensino para o Conselho de Igreja de Verdugo..." Recorder 7 de Novembro de 1988, pág. 22.

Porque a IASD está tão ansiosa para trabalhar com essas outras igrejas de Babilônia? 
"Nós (a igreja ASD) somos um, junto dos nossos companheiros cristãos de outros grupos denominacionais, no grande fundamento da fé uma vez entregue aos santos." Questions on Doctrine, pág. 32.

Além disso, a IASD tem um dos seus líderes na equipe de uma organização ecumênica chamada a Comunhão Mundial Cristã.

"Roma - membros da equipe de mais de uma dúzia de Comunhões Mundiais Cristãs (CMC- organizações mundiais de várias tradições cristãs) levaram a cabo a sua conferência anual de secretários (de 20-23 de Outubro). Isto inclui secções separadas com o papa, e líderes da Federação das Igrejas Evangélicas em Itália... A conferência seleccionou como presidente Pierre Duprey, secretário da Secretaria do Vaticano para a Promoção da Unidade Cristã, sucedendo a Joe Hale secretário do Conselho Mundial Metodista. B. B. Beach, director de relações públicas e do departamento de liberdade religiosa da Conferência Geral dos ASD,continua como secretário do grupo...

"Ele (Hale) disse que ainda que a maioria das comunhões sejam suficientemente fortes para funcionar isoladas, em prol do mundo... necessitamos de fazer mais e estar mais como uma igreja unida, e impulsionar mais além do que ser simplesmente fortes anéis numa cadeia de comunidades separadas. Ele propõe 'um passo calculado, um pequeno passo' nessa direcção incluindo definir e reclamar publicamente 'uma unidade ainda mais formal do que admitimos agora' ...

"Além daquelas já mencionadas, as Comunidades Mundiais Cristãs incluem a Federação Mundial Luterana, o Conselho Consultativo Anglicano, Aliança Mundial Baptista, o Exército de Salvação, o Comité Mundial de Amigos Para Consulta, a Irmandade Evangélica Mundial, a Conferência Mundial Menonita, a Convenção Mundial de Igrejas de Cristo, o Sínodo Ecumênico Reformado, Aliança Mundial das Igrejas Reformadas, o Patriarcado Ecumênico (Ortodoxos do Leste), o Patriarcado de Moscou (Ortodoxos de Leste), as Igrejas dos Irmãos, e a Antiga Conferência Internacional Católica de Bispos. Também participou na equipe do Conselho Mundial de Igrejas." Ecumenical Press Service, Outubro de 1986 (86.10.126).

Mas não apenas B.B. Beach é secretário desta organização ecumênica, como também foi parte integral da Comissão da Fé e Ordem do CMI!

O próprio Beach declarou: 
"Eu tenho estado a representar a nossa igreja nessa reunião por nove anos. Eu tenho servido como secretário nessa conferência" carta de B. B. Beach, Novembro de 1977.

Não apenas a IASD está em completa união com o CMI, o CNI e o Movimento Ecumênico, como também eles estão buscando união doutrinal ao abraçar as heresias de outras igrejas - especialmente da católica!

Em Janeiro de 1982 a liderança Adventista do Sétimo Dia - representando a IASD - assistiu e fez parte da reunião ecumênica da Comissão da Fé e Ordem do CMI em Lima, Perú (ver publicação# 111 da Comissão da Fé e Ordem, Batismo, Eucaristia e Ministério - BEM)

O livro impresso pelo CMI documentou a "resposta oficial" da IASD a este texto de Lima que eles enviaram ao CMI sobre os temas ecumênicos discutidos nessa reunião. A IASD declarou oficialmente através do seu Conselho de Relações Interdenominacionais que, entre outras coisas: 
"O propósito principal deste documento é para demonstrar... como os adventistas do sétimo dia entendem a eucaristia ou santa ceia do Senhor... (e para) enfatizar a compreensão eprática da eucaristia pelos adventistas... 

"Na preparação para a celebração da eucaristia, os adventistas do sétimo dia praticam o lava pés..." Churches Respond to BEM(Batismo, Eucaristia e Ministério), vol. 2, págs. 341-343, publicado pelo CMI em 1986.

A eucaristia é também chamada pela IASD como a "celebração central da igreja cristã" (ver idem 341). 

A IASD também declarou: 
"Em certas ocasiões, os adventistas do sétimo dia referem-se à eucaristia como um sacramento." (Churches Respond to BEM, vol. 2, pág. 342)

Também a IASD declarou estar "consciente da sagrada celebração da eucaristia" (ver idem., pág. 342).

A IASD já não considera a eucaristia como "a maior blasfémia" e "heresia que opõe-se ao céu" (ver Spirit of Prophecy, vol 4 pág. 63), mas agora considera-a como uma parte sagrada e próxima das crenças da igreja! Mas uma coisa é declará-lo às demais igrejas membros do CMI; haverá dito a liderança da IASD aos seus membros acerca destas novas posições da sua igreja em relação a esta heresia católica?

Em 1991 o CMI levou a cabo a sua convenção em Camberra, Austrália. Os representantes da IASD
estiveram presentes, a seguir veja esta reportagem que se levou ao povo adventista: 
"E poderíamos, se o espaço permitisse mencionar a ênfase... do CMI sobre o Espírito Santo e a Eucaristia. Todas estes tópicos se ajustam ao âmbito das mensagens dos três anjos." Adventist Review, 2 de Maio e 1991, pág. 10.

Desde quando esta heresia católica da eucaristia, que levou à morte milhões de cristãos protestantes durante a era das trevas quando eles recusaram aceitar este falso ensino, encontra um lugar dentro das mensagens dos três anjos de Apocalipse 14?Você não pode encontrar que isto tenha sido ensinado em nenhum lugar de todas as Escrituras, muito menos nas mensagens dos três anjos! A única maneira de encontrá-la é acrescentando-a como tem feito a IASD. 

A IASD não é hoje a mesma igreja que Deus estabeleceu! Tão pouco ela ensina hoje as mesmas verdades que tinha quando foi originalmente fundada! 
A IASD está verdadeiramente em união e faz parte do CMI do CNI e de todo o Movimento Ecumênico. Portanto a IASD faz parte de uma união ímpia com o romanismo e o protestantismo apóstata -  logo em união com a Grande Babilônia! 

Esta união com as demais igrejas caídas está claramente revelado no livro What I Like About... The Lutherans, The Methodists, The Charismatics, The Catholics, Ours Jewish Friends, The Adventists: Rescuers of Neglected Thruth, escrito por George E. Vandemam (Pastor adventista) e publicado pela Pacific Press em 1986. Este também foi o Livro Missionário do Ano para 1987.

Este livro é realmente ecumênico; e a IASD declara: 
"O livro que tem nas suas mãos é o produto de uma ideia que finalmente amadureceu" (What I Like About página 3).
Todas as denominações mencionadas neste livro já fazem parte de Babilônia. Este livro exalta-as a todas elas, declarando que todas têm contribuído para a verdade do evangelho de Jesus Cristo. Este livro ainda ajuda o proselitismo destas igrejas babilônicas ao incentivar os leitores a estabelecer contacto com qualquer das denominações mencionadas, e oferece-lhes direcções/endereços das diferentes denominações! (Ver What I Like About, pág. 108- 109).
Existem duas razões pelas quais a IASD pode dizer que gosta muito destas outras denominações. Primeiro ela declara: "Nós queremos construir pontes" (idem pág. 51), porque "sendo cristãos ou judeus, todos nós juntos somos a família de Deus" (idem pág. 83). Segundo, a IASD está de acordo e está ensinando as mesmas doutrinas babilônicas!
Claramente, a IASD está completamente em união com outras denominações e religiões, e com efeito está trabalhando em direcção a Uma Religião e Igreja Mundial! Isto está positivamente apoiado pelo seguinte fato. 
Em 1993, os representantes das principais religiões do mundo reuniram-se em Chicago, Illinóis, no Parlamento Mundial das Religiões. Esta reunião foi estabelecida para finalizar os planos para formar uma só Igreja Mundial. A 5 de Setembro firmou-se a sua declaração e ética global que dizia: "Chamado para aliar todas as religiões da Terra - as religiões do mundo serão uma só" (The World's Last Dictator, Dwight L. Kinman, pág. 98). E que igrejas estiveram representadas? 
"O Dalai Lama que se considera deus-homem esteve ali. Joan Campbell, feminista e lider do CNI de igrejas de orientação marxista, esteve ali. Também esteve presente Lucis trust em representação da religião da Nova Era. Sumos sacerdotes do Vudú, grupos Wicca e feiticeiros estiveram ali. Assistiram altos líderes Maçons. A Igreja Adventista do Sétimo Dia esteve representada. Encantadores de serpentes, druidas e adoradores de Satanás, Baptistas liberais, astrólogos e Zen budistas estiveram representados. O Conselho Mundial de Igrejas e a poderosa igreja Católica Romana estiveram altamente representados. Todos estes se reuniram com o objectivo de celebrar a 'unidade na diversidade'" The World's Last Dictator pág. 97, 98.
Mas a igreja de Deus e povo de Deus deveria manter-se separado e ser distinto de todas as igrejas de Babilônia, de maneira que fosse um povo peculiar para Ele, e Seu especial tesouro neste mundo cheio de maldade. 
"Agora pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz, e guardardes o meu concerto, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos..." Êxodo 19:5.
"E ser-me-eis santos, porque eu, o Senhor, sou santo, e separei-vos dos povos, para serdes meus." Levítico 20:26.
"Porque povo santo és ao Senhor teu Deus: o Senhor teu Deus te escolheu, para que lhe fosses o Seu povo próprio, de todos os povos que sobre a terra há... E o Senhor te fez dizer que lhe serás por povo Seu próprio, como te tem dito, e que guardarás todos os Seus mandamentos. Para assim te exaltar sobre todas as nações que fez, para louvor, e para fama, e para glória, e para que sejas um povo santo ao Senhor teu Deus, como tem dito." Deuteronómio 7:6 e 26: 18-19.
"Mas vós sois geração eleita, o sacerdócio real, a nação santa o povo adquirido, para que anuncieis as virtudes daquele que vos chamou das trevas para a Sua maravilhosa luz." 1Pedro 2:9.
"Deus tem escolhido um povo para que proclame ao mundo a mensagem  dos três anjos. Eles devem ser um povo peculiar e separado neste mundo de igrejas que estão transgredindo os Seus mandamentos." Review and Herald, 21 Junho 1898 (vol. 3 pág. 584)
Mas, o que tem feito a IASD com a vontade de Deus e que eles deveriam ser um tesouro especial, peculiar e sagrado para Ele mesmo e para ninguém mais? Eles tem recusado a vontade de Deus de ser um povo peculiar e separado para Ele, e têm se unido com as demais igrejas. Eles tem recusado ser um povo santo e especial para Deus, e em seu lugar têm escolhido cooperar e trabalhar com Lúcifer e seus agentes do mal para promover as sua metas satânicas! Eles têm recusado o imenso amor e misericórdia que Deus tem derramado sobre eles; e em troca, têm-se voltado para o tesouro do reino de Babilônia.
Como pode a igreja e o povo ASD crer realmente que eles podem fazer a obra de Deus, espalhando a mensagem dos três anjos, temer, obedecer e honrá-lo somente a Ele,  dar-lhe o devido louvor e glória ao Seu santo nome, ao entregar a sua peculiaridade e santidade, e unir-se com os agentes do mal e organizações iníquas, cumprindo as ordens de Lúcifer? Que cegueira! 
Se a igreja ASD pôs a sua dependência e união em harmonia com o catolicismo romano, o protestantismo apóstata, o CNI, o CMI junto com toda a família ecumênica, como podem eles continuar sendo o povo peculiar e separado de Deus? Como podem eles ser peculiares e separados quando estão em união e em aliança com os babilônicos, declarados inimigos de Deus? Portanto, a IASD e seus membros já não são a igreja e o povo peculiar e Deus! E Deus mesmo nos disse isso!

"Os professos seguidores de Cristo não são mais um povo separado e peculiar. A linha de demarcação é imperceptível." Review and Herald 21 de Junho 1898 (vol. 3 pág. 584) (Veja também Christ's Object Lessons, pág. 315-316; Testimonies, vol. 8 pág. 118-119) 
Mas a história diz a mesma coisa deles: que a igreja e o povo que uma vez foram favorecidos, não podem permanecer como os escolhidos de Deus se eles próprios se unem com os inimigos de Deus! 
"As alianças que os Israelitas fizeram com os seus vizinhos pagãos resultou na perda da sua identidade como povo peculiar de Deus. Eles foram influenciados pelas práticas malignas daqueles com quem  formaram alianças proibidas...
"A experiência de Israel será a experiência de todos os que buscam o mundo para a sua fortaleza voltando as costas ao Deus vivo. Aqueles que abandonam o Todo Poderoso, a fonte de toda a força, e se afilia com os mundanos pondo neles a sua dependência tornam-se débeis de poder moral como aqueles em quem confiam...
"Nenhuma aparência de intimidade com Deus, nenhuma declaração de ligação com Ele será aceite da parte daqueles que persistem em desonrá-Lo, inclinando-se ante o braço do poder mundano." Review and Herald, 4 Agosto  1904 (Vol. 5 pág. 63) (Leia também em Testimonies, vol. 1 pág. 283).
“A nação judia esteve em cativeiro e dispersa como o Senhor declarou que estariam se eles não honrassem e glorificassem a Deus como Seu povo peculiar. Eles separaram-se de Deus: eles não temeram nem honraram Seu santo nome, e o tempo do qual se gloriavam foi destruído.” Manuscript Releases, vol.7, pág. 334 (Manuscrito 122, 10 de Março de 1897).
Ao aliar-se a IASD numa tríplice aliança com Roma e o protestantismo apóstata – incluindo o CNI/CMI e o movimento ecumênico, ela não somente pôs de lado e rejeitou o mandato de Deus para ser um povo peculiar do resto das igrejas, mas também recusou aceitar Alguém. Ela rejeitou ao Senhor e ao Precioso Salvador Jesus Cristo.
Cristo passou 18 séculos fazendo preparativos para que a chegada da IASD fosse uma realidade, assegurando-se que tudo estaria pronto. Ele trabalhou com esta igreja sem cessar, abrindo os  olhos ao Seu povo para as preciosas verdades que polarizariam o mundo, e preparariam o caminho para a Sua segunda vinda e para o fim do pecado. Constantemente, Ele chamou o Seu povo peculiar, separado e especial tesouro, para reflectir a Sua imagem e vindicar o carácter de Deus perante todo o universo, provando que as acusações de Satanás são falsas.
Temos então uma igreja e povo escolhidos que rejeitaram o Seu imenso amor, voltando o rosto e as costas a Ele, renunciando a sua peculiaridade e unido-se com Satanás e Babilônia, sua esposa e igreja prostituta.

COMO ISTO FEZ CRISTO SE SENTIR?
Quantas lágrimas Cristo derramou por isto? Quanta dor sentiu? Quanto mais agonia pode Ele suportar? O que Ele estará pensando ao ver o Seu professo povo dormindo, crendo que tudo está bem dentro da IASD, quando tudo está terrivelmente mal? Ó, que nosso povo possa despertar e ver mais claramente que Cristo está passando ao lado, porque a igreja e povo uma vez escolhido rejeitaram-No, renunciando a sua peculiaridade, unindo-se em prostituição com os inimigos declarados de Deus, e está trabalhando directamente contra Ele com todo o poder e subtileza do diabo!
Devido à IASD estar fazendo todas estas coisas, já não é mais a igreja verdadeira, peculiar e escolhida de Deus! Ela não é mais do que uma falsificação da verdadeira igreja de Deus! E já que ela não é mais e igreja escolhida e peculiar de Deus, de quem é então essa igreja? De Satanás! E qual é o outro nome mencionado na Bíblia para a igreja de Satanás? Babilônia!
A IASD está em união e é uma imagem parecida com a mãe das ramificações – a igreja Católica Romana -, que é Babilônia. A IASD está unida com as suas filhas, as igrejas protestantes, o CNI, o CMI – que são Babilônia. E A IASD está tão estreita e ecumenicamente unida a essas igrejas protestantes que são Babilônia caída, que é como uma irmã delas. Portanto, ela é uma irmã da Babilônia caída!
De fato, a irmã White advertiu a IASD desta possibilidade real.
“Corremos o perigo de chegar a ser uma irmã da Babilônia caída, e permitir que nossas igrejas se corrompam e se encham de todo o espírito imundo e alberguem toda a ave imunda e aborrecível.” Manuscript Releases, vol. 21, pág.380 (carta 51, 6 de Setembro de 1886).
Se agora a IASD se tornou uma irmã da Babilônia caída, então quem é a sua mãe? Roma! Ou aquela “envelhecida em adultérios” (ver Ezequiel 23:43-44). E Deus advertiu o Seu povo também disto!
“Eis que todo o que usa de provérbios usará contra ti este, dizendo: Tal mãe, tal filha. Tu és filha de tua mãe, que teve nojo de seu marido e de seus filhos; e tu és irmã de tuas irmãs, que tiveram nojo de seus maridos e de seus filhos…” Ezequiel 16:44-45.
Se tanto Roma como o protestantismo apóstata são ambos Babilônia, então a IASD deve ser também Babilônia! A IASD está em união ecumênica com todas as igrejas babilônicas, portanto, ela não pode ser outra coisa senão Babilônia!
Agora, existem muitos adventistas que argumentam contra a possibilidade da sua igreja ser Babilônia. Eles dizem: “A IASD nunca pode ser Babilônia, não importa se ela se prostitui com o diabo e seus seguidores, e não importa se ela está unida ecumenicamente com Roma, e protestantismo, o CNI, o CMI, e o mundo inteiro; porque a IASD nunca pode ser Babilônia.”
Apesar de Deus nunca fazer promessas sem a condição da obediência (Fé e Obras, p.47; Evangelismo, p. 504; I Mensagens Escolhidas, p. 77; Profetas e Reis, p. 219), e apesar da irmã White ter escrito que a IASD poderia se tornar Babilônia se ela não cumprir a vontade de Deus e se unisse com o mundo (Ver Testemunho para Ministros p. 265, II Mensagens Escolhidas, p.78; III Testemunhos Seletos p. 254), todavia alguns não cedem. Mas o ponto seguinte devia clarificar esta questão sobre Babilônia.
O que sucederia se a própria IASD se declarasse parte de Babilônia, e houvesse dito a todos os seus membros para se separarem dela? Se isto acontecesse, quem poderia argumentar o contrário? Seguramente ninguém poderia negar que a IASD é Babilônia! Você sabia que a IASD, no fundo, declarou que ela própria faz parte de Babilônia a Grande, e que tinha dito a todos os seus membros para se separarem dela? Por favor, leia cuidadosamente o que a mesma IASD disse:
A pedra de toque do esforço ecumênico chegou com acriação do Conselho Mundial de Igrejas
“Com base nas profecias da Bíblia e nos escritos de Ellen G. White, os Adventistas do Sétimo Dia anteciparam o êxito do movimento ecumênico em eliminar as divisões do protestantismo e reunir a cristandade ao ressalvar o abismo de separação que afasta as comunidades católicas de Roma. O movimento ecumênico fará então um esforço concertado para unir o mundo e assegurar a paz e segurança universal, ao unir-se com o poder do governo numa cruzada universal político-religiosa para eliminar os dissidentes. Os Adventistas do Sétimo Dia têm visto esta cruzada como uma grande apostasia, à qual o profeta João se referiu como ‘Babilônia a Grande’. Eles também entendem que antes da segunda vinda de Cristo com poder e glória, a última mensagem de misericórdia de Deus para o mundo consistirá numa admoestação contra o grande movimento apóstata, e no apelo a aqueles que querem permanecer fiéis a Ele a que se separem das igrejas ligadas a este movimento.” ASD Encyclopedia, vol. 10 of the Bible Comentary Reference Series, pág. 410-411.
O que acaba de dizer a IASD aos seus membros? Que qualquer igreja unida ao Movimento Ecumênico e unida ao CMI torna-se parte de Babilônia a Grande, e todo aquele que escolha servir a Deus e ser-Lhe leal deve separar-se dessa igreja.
A IASD definitivamente uniu-se ao Movimento Ecumênico, e está unida e conectada ao CMI. Então a IASD declara-se como parte de Babilônia a Grande! E diz a todos os seus membros que se separem dela para que se mantenham fiéis a Deus!
Não somente temos visto que a IASD a sua liderança têm mentido e enganado o seu povo durante algum tempo – isto foi provado como uma abundante quantidade de fatos documentados. Não somente temos constatado que a IASD verdadeiramente tem formado uma tríplice aliança com Roma e com o protestantismo apóstata, mas também que temos visto que se uniu com o CMI, o CNI e o movimento ecumênico. Não somente a IASD está em acordos e trabalha em sociedade com estes grupos babilônicos, mas que ainda está dando apoio monetário para a promoção das metas de Uma Igreja Mundial e Uma Nova Ordem Mundial, e o assassinato de pessoas inocentes que não estão de acordo com esses planos satânicos.
Não somente temos constatado que a IASD é parte da Babilônia a Grande, mas também temos descoberto que a própria IASD admite isto, e exige dos seus membros que se separem dela! Mas ainda que a IASD não esteja de acordo com isto, os fatos documentados provam que o que foi dito acima está correcto! E, quererá  Deus que  Seu povo verdadeiro faça relações e sejam membros de qualquer igreja que esteja unida com Babilônia a Grande?
“Depois destas coisas, vi descer do céu outro anjo, que tinha grande autoridade, e a terra se iluminou com a sua glória. Então, exclamou com potente voz, dizendo: Caiu, caiu a grande babilônia e se tornou morada de demónios, covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo género de ave imunda e detestável, pois todas as nações (ou todas as igrejas – ver Comentário Bíblico Adventista, vol. 7, pág. 990, col. 2) têm bebido do vinho do furor da sua prostituição. Com ela se prostituíram os reis da terra. Também os mercadores da terra se enriqueceram à custa da sua luxúria. Ouvi outra vez do céu, dizendo: Retirai-vos dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes dos seus flagelos; porque os seus pecados se acumularam até ao céu, e Deus se lembrou dos actos iníquos que ela praticou.” Apocalipse 18:1-5
Este último chamado de misericórdia revela a cada membro de todas as igrejas que estão conectadas com Babilônia a Grande (quer seja Roma, o protestantismo apóstata, a Igreja Adventista do Sétimo Dia, o CMI/CNI, as religiões espíritas), que se permanecerem como membros, serão participantes dos seus pecados, e receberão as suas pragas. O único rumo que Deus preparou para que o Seu povo caminhe, evitando ser achados culpados dos pecados delas e ser destruídos juntos com as igrejas apóstatas, é separando-se completamente da conexão e de ser membros da igreja, e em lugar disto estar conectados a Jesus Cristo e ser participante da Sua graça e justiça – e assim ter a segurança da vida eterna.
Mas se você permanece como membro de qualquer igreja – incluindo a IASD – que tenha perdido a sua peculiaridade para Deus e se tenha corrompido ao conectar-se com o CMI e Babilônia a Grande, então você mesmo terá perdido a sua peculiaridade de ser um dos filhos de Deus, devido à sua ligação com o CMI e Babilônia a Grande pelo fato de ser membro da igreja! Então, como você pode receber o selo de Deus e chegar ao céu? Isto será impossível, devido a você se considerar participante de todos os pecados da sua igreja corrupta, e já não ser mais peculiar para Deus!
É impossível que vos unais com os que são corruptos, e que permaneçais puros. Que companheirismo tem a justiça com a injustiça? E que comunhão a luz com as trevas? E que concórdia entre Cristo e Belial? Deus e Cristo e a hoste celestial querem que o homem saiba que se se une com o corrupto, se tornará corrupto.” Comentário Bíblico Adventista, vol. 6, pág. 1102.
"Os que são herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo, da herança imortal, são peculiares. Sim, tão peculiares que Deus coloca sobre eles um sinal de que são Seus, inteiramente Seus. Pensais que Deus receberá, honrará e reconhecerá um povo tão misturado com o mundo que em nada difere a não ser no nome?... Em breve se saberá quem está do lado do Senhor, quem não se envergonhará de Jesus." (Testemunhos, vol.1, pág. 287)
Não há maneira de que algum membro de qualquer igreja – incluindo a IASD – que está conectada com o CMI e com a Grande Babilônia, ou com qualquer outra organização satânica, possa receber o selo de Deus até que rompa toda a união com a sua igreja corrupta, e demonstre que é de Deus – separando-se do pecado e dos pecadores. E se eles recusam separar-se e permanecem ao lado de Babilônia, então demonstram que se envergonham, de Jesus, devido a não obedecerem à sua voz para separar-se e demonstrar que são um povo peculiar e distinto – permanecendo ao lado do Senhor! Então, eles serão destruídos juntamente com a sua igreja apóstata.
O anjo colocará uma marca na testa de todos os que estão separados do pecado e dos pecadores, e o anjo da destruição o seguirá para matar a todos , tanto velhos como novos.” Testimonies, vol. 5, pág. 505.
Portanto, a única maneira de recuperar a sua peculiaridade e ser de novo parte do povo escolhido de Deus,  é que você próprio se separe completamente de todas as igrejas que fazem parte, ou que estão em união com a Grande Babilônia – que é o Catolicismo Romano, o protestantismo apóstata, o adventismo de sétimo dia, o CNI/CMI, o movimento ecumênico, e todas as demais religiões espíritas! Até que você siga este caminho recto e estreito de separação, você não é parte dos seguidores de Deus, ou um dos Seus filhos!
“As alianças que os israelitas fizeram com os seus vizinhos pagãos resultou na perda da sua identidade como um povo peculiar de Deus
A palavra de Deus hoje para o Seu povo é: ‘Saí do meio deles, e apartai-vos, e não toqueis o imundo; e eu os receberei, e vos serei por Pai, e vós me sereis por filhos e filhas.’ ‘Mas vós sois linhagem escolhida, sacerdócio real, nação santa, povo adquirido por Deus, para que anuncieis as virtudes daquele que os chamou das trevas para a sua admirável luz.’
O povo de Deus deve distinguir-se como um povo que O serve completamente, de todo o coração, sem tomar as honras para si, e lembrando que pelo mais solene dos pactos, eles se uniram para servir ao Senhor, e somente a Ele.” Review and Herald, 4 de Agosto de 1904 (vol. 5, pág. 63).
Quando recuperaremos a nossa peculiaridade para Deus – ao nos convertermos em Seus filhos e filhas, e Deus tornar-se nosso Pai? Isto ocorre somente logo que nos separamos e rompemos todas as ligações com todas as igrejas apóstatas que compõem a Grande Babilônia; não antes, mas sim depois! Você pode fazer um pacto para servir a Deus e a Ele somente logo que você tenha quebrado as conexões e convénios que fez com outros! E até que você rompa todas as uniões com uma igreja apóstata, você não é um filho de Deus, e o céu não é o seu lugar.
Deus não pediu a Seu povo que passe por este processo de separação, sem que tenha prometido ajudar-nos se escolhêssemos regressar a Ele de todo o coração e começar a caminhar por este caminho estreito. Mas ainda, Deus não forçará ninguém a separar-se completamente de todas as conexões com as igrejas babilônicas para que regresse a Ele. Isto é uma escolha de livre vontade.
Perante isto, qual será a sua decisão? Permanecerá ligado a uma igreja que está em união e harmonia com a Grande Babilônia, e ser culpado de todas as suas maldades? Ou obedecerá a Deus, e passará por um processo de santificação ao romper todas as conexões com o pecado e pecadores, separando-se de todas as igrejas – incluindo a IASD – que fazem parte da Grande Babilônia, e recuperará a sua peculiaridade, convertendo-se outra vez em Seu filho? Fará este pacto de sacrifício para regressar a Deus, e segui-Lo e servi-Lo somente a Ele? Escapará de ser culpado dos pecados dela e de receber as suas pragas? Ou abraçar-se-á à igreja, partilhará dos seus pecados, e sofrerá a ira de Deus?
“Até quando coxeareis entre dois pensamentos? Se o Senhor é Deus, segui-o; se é Baal, segui-o.” 1 Reis 18:21
“Porém, se vos parece mal servir ao Senhor, escolhei, hoje, a quem sirvais… eu e a minha casa serviremos ao Senhor.” Josué 24:15
"Na epístola de Paulo a Tito, capítulo 2: 13, 14, lemos: 'Aguardando a bem aventurada esperança e o aparecimento da glória de nosso grande Deus e Salvador Jesus Cristo, que Se deu a Si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para Si um povo todo Seu, zeloso de boas obras.' Esta grande obra deve ser levada a cabo somente pelos que estão dispostos a ser purificados, dispostos a ser peculiares, e que manifestam zelo em boas obras." (Testemunhos para a Igreja, vol. 1, pág. 274)
“Dar-lhes-ei coração para que me conheçam que eu sou o Senhor; eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus;porque se voltarão (separados) para mim de todo o seu coração.” Jeremias 24:7. http://www.adventistas.com/biz/robert_sessler/apendice6.htm