segunda-feira, 21 de outubro de 2013

O DÍZIMO NA TUA IGREJA É BÍBLICO? I



O DÍZIMO NA TUA IGREJA É BÍBLICO?

Quando acabares de separar todos os dízimos da tua colheita no ano terceiro, que é o ano dos dízimos, então os DARÁS AO LEVITA, AO ESTRANGEIRO, AO ÓRFÃO e à VIÚVA, para que comam dentro das tuas portas, e se fartem;

E dirás perante o Senhor teu Deus: Tirei da minha casa as coisas consagradas e as dei também AO LEVITA, E AO ESTRANGEIRO, E AO ÓRFÃO E À VIÚVA, conforme a todos os teus mandamentos que me tens ordenado; não transgredi os teus mandamentos, nem deles me esqueci. Deuteronômio 26: 12 - 13 (JFA).

O dízimo é a menina dos olhos de ouro das igrejas e é intocável. Para isso usam alguns textos das Sagradas Escrituras e os demais são descartados por não serem de interesses dos pastores ou por os mesmos serem contrários as suas teologias. A membresia por não terem disposição para pesquisar, ler por si mesmo, ficam a deriva a bel prazer dos pastores que lhes negam a verdade.

Deus mudou? Deus mudou Sua Palavra? Deus mudou a lei do dízimo? Para estes pastores parece que sim, pois esquecem ou fingem esquecer que a lei do dízimo não foi modificada o que é diferente de ser cancelada.

ANÁLISE CONCISA DO TEXTO DIZIMAL

Se a tua igreja não está colocando este texto em prática, fiquem sabendo que o sistema dizimal dela é anti bíblico. Tudo o que é anti bíblico é inimizade contra Deus, pois não está sujeito a Sua Palavra e não podem mesmo porque fizeram aliança com o pai da mentira, mentira é tudo que contradiz ou concorda em parte com a verdade. Porquanto dizeis: Fizemos aliança com a morte, e com o inferno fizemos acordo; quando passar o dilúvio do açoite, não chegará a nós, porque pusemos a mentira por nosso refúgio, e debaixo da falsidade nos escondemos. Isaías 28: 15.
1.          No sistema dizimal instituído por Deus, a cada três anos existe o ano do dízimo a semelhança dos anos sabáticos, ou seja, o terceiro ano é o ano do dízimo. Isto é instituição divina e a tua igreja observa e coloca em prática? Caso a resposta seja não, ela está praticando um dízimo falso.
2.          O dízimo do terceiro ano que é ano dizimal, tem destinos certos e rejeitar sob quaisquer pretextos é desafiar as ordenanças de Deus no que constitui desafio direto ao autor do dízimo.

a)          UMA PARTE DO DÍZIMO DO TERCEIRO ANO É DESTINADA AOS LEVITAS. Entra a velha história que os pastores, diáconos e diaconisas substituíram a tribo de Levi, portanto é necessário que estas pessoas observem bem o que a Palavra de Deus afirma sobre as pessoas que querem pertencer a alguma tribo Israelita sem terem nascido de alguma delas, ou seja, se você afirma ser levita sem ter nascido na tribo de Levi em vez de você ser um verdadeiro adorador, você é sinagoga de Satanás: ...e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. Apocalipse 2: 9 - Eis que eu farei aos da sinagoga de Satanás, aos que se dizem judeus, e não são, mas mentem... Apocalipse 3: 9.
b)          OUTRA PARTE É DESTINADA AOS ESTRANGEIROS – Quem são os estrangeiros? São as pessoas que não fazem parte da irmandade e que porventura vêm em busca de auxílio, estas pessoas devem também ser socorridas com os dízimos do terceiro ano.
c)           TAMBÉM DEVE SER REPARTIDO COM OS ORFÃOS – Se os órfãos onde está incluso orfanatos que passam por necessidades, que são entidades que cuidam destas pessoas sem pai e sem mãe estiver passando por necessidades devem ser ajudadas com os dízimos do ano dizimal. Se há na irmandade órfãos é dever serem mantidos em todas as suas necessidades no ano dizimal independentemente de que esteja em casa de algum parente ou amigo. Existem muitas entidades que cuidam de órfãos que estão passando por necessidades e é dever de quem arrecada o dízimo prestar socorro a elas com o dízimo do ano dizimal.

d)          DESTE DÍZIMO DEVEM MANTER AS VIÚVAS (OS) – Com a arrecadação deste dizimo do terceiro ano devem ser beneficiados as viúvas e os viúvos, mesmo que sejam pensionistas ou aposentados. Quem recebe apenas um salário mínimo na grande maioria das vezes estão passando por grandes necessidades. Este ajuda governamental (esmola – federal, municipal ou estadual) às vezes é insuficiente para os viúvos se manterem por não ser suficiente nem para comprar remédios para aliviar seus males adquiridos durante a vida de trabalho. Infelizmente o que as igrejas sabem colocar em prática é explorar as pobres ovelhas alegando que se não pagarem a eles a décima parte não tem como elas serem salvas. Alegam-nos que é para Deus ou Sua obra.
As igrejas e os pastores além de estarem roubando a Deus ainda estão comendo de forma desonesta e desumana a carne das ovelhas e se cobrindo com suas peles e as deixando nu e com necessidades.
Para estes líderes inescrupulosos é pecado obedecer às ordenanças de Deus relacionadas aos dízimos.
E por as ovelhas não conhecerem o verdadeiro Pastor que é Cristo e Sua Palavra, elas ficam escravizadas as palavras enganosas de seus líderes espirituais supostamente embasadas na verdade.
e)         SE FARTEM – Estas pessoas acima mencionadas devem ser mantidas com o dízimo do ano terceiro até se fartarem, ou seja, até que suas necessidades sejam resolvidas. Devemos obedecer estas ordenanças de Deus ou obedecer às ordenanças teológicas dos pastores das igrejas? Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens. Atos 5: 29.
f)           AS COISAS CONSAGRADAS – Como podem os pastores e as igrejas afirmarem diante de Deus que das coisas consagradas a Deus foram tiradas e destinas aos Levitas, órfãos, viúvas e as pessoas que não pertencem à irmandade? Qual será a desculpa esfarrapada que darão a Deus no juízo final onde será feita a prestação de contas? Se o líder ou a igreja não está colocando esta ordem da lei do dízimo em prática, ela está debaixo de grande maldição, portanto como pode tal religião afirma que ela é a igreja verdadeira de Deus e as demais falsas? Mas, chegando também o que recebera um talento, disse: Senhor, eu conhecia-te, que és um homem duro, que ceifas onde não semeaste e ajuntas onde não espalhaste; E, atemorizado, escondi na terra o teu talento; aqui tens o que é teu. Respondendo, porém, o seu senhor, disse-lhe: Mau e negligente servo; sabias que ceifo onde não semeei e ajunto onde não espalhei? Devias então ter dado o meu dinheiro aos banqueiros e, quando eu viesse, receberia o meu com os juros. Tirai-lhe pois o talento, e dai-o ao que tem os dez talentos. Porque a qualquer que tiver será dado, e terá em abundância; mas ao que não tiver até o que tem ser-lhe-á tirado. Lançai, pois, o servo inútil nas trevas exteriores; ali haverá pranto e ranger de dentes. Mateus 25: 24 - 30.
A igreja ou líder que não coloca este mandamento da lei do dízimo em prática estão roubando a Deus, ou seja, eles inflam o peito para chamar de ladrão os que não estão pagando o dízimo, mas em verdade eles próprios são os maiores ladrões porque são os orientadores espirituais nas igrejas, e quem paga a eles estão sendo cúmplices de suas más obras que embora aleguem estarem obedecendo a Deus, na verdade estão obedecendo ao deus da mentira.
Como saber qual é o terceiro ano do dízimo? É fácil, basta a igreja ou o pastor começar a contar a partir do ano 2012 e o terceiro será o ano de 2014, esta é uma sugestão por não tem mais como incluir ao ano de 2013 como o terceiro. 
A não ser que a teologia e os pastores estão corretos e a Palavra de Deus errada. Prefiro crer na veracidade da Palavra de Deus e rejeitar os ensinamentos falsos das igrejas e dos pastores.

A obediência aos pastores é dentro da Palavra de Deus, se eles estão aceitando apenas o que lhes convêm, a desobediência a eles é necessária para podermos ser salvos.


Pensem bem nestes textos: Dize-lhes pois: Assim diz o Senhor Deus de Israel: Maldito o homem que não escutar as palavras desta aliança. Jeremias 11: 3.
Todo aquele que prevarica, e não persevera na doutrina de Cristo, não tem a Deus. Quem persevera na doutrina de Cristo, esse tem tanto ao Pai como ao Filho. II João 1: 9.
Se alguém vem ter convosco, e não traz esta doutrina, não o recebais em casa, nem tampouco o saudeis.
Porque quem o saúda tem parte nas suas más obras. II João 1: 10, 11.
Se algum de vocês acha que é invenção minha como alguns tem afirmado, fica o desafio para você explicar o mesmo texto sem incluir a maldita teologia.
Continua.
Autor: Eurias R. Carneiro

sábado, 19 de outubro de 2013

PORQUE CHAMAM CRISTO DE SATANÁS? III



PORQUE CHAMAM CRISTO DE SATANÁS? III

ELLEN WHITE X LEVÍTICOS PT 1

Bom dia a todos amigos e irmãos.     
Hoje quero apresentar-lhes um texto de Ellen G. White e sua real verdade, é muito proveitoso tanto um adventista quanto um não adventista conhecer esta passagem, pois surpreenderá a ambos. Incrível nunca ter ouvido falar disso na igreja antes.
Acompanhem o que diz Ellen White em seu livro "Patriarcas e Profetas", na página 354: 
"A parte mais importante do ministério diário era a oferta efetuada em prol do indivíduo. O pecador arrependido trazia a sua oferta à porta do tabernáculo e, colocando a mão sobre a cabeça da vítima, confessava seus pecados,
transferindo-os assim, figuradamente, de si para o sacrifício inocente. Pela sua própria mão era então morto o animal, e o sangue era levado pelo sacerdote ao lugar santo e aspergido diante do véu, atrás do qual estava a arca que continha a lei que o pecador transgredira. Por esta cerimônia, mediante o sangue, o pecado era figuradamente transferido para o santuário. Nalguns casos o sangue não era levado ao lugar santo; mas a carne deveria então ser comida pelo sacerdote,..." Patriarcas e Profetas, p.354 ou se preferir: http://www.ellenwhitebooks.com/?l=2&p=354
Vejamos o que a Bíblia diz para sabermos se as informações acima procede?
Leia Levíticos do capítulo 1 ao 7 em casa com tranquilidade e verás todas as formalidades do sacrifício e das ofertas que o povo de Deus fazia antes da morte de Cristo, vou citar apenas os versículos principais para essa questão, mas todo o conteúdo bíblico deve ser lido para se ter certeza, foi o que fiz e aconselho a todos que creem ou não que os escritos de Ellen White são inspirados diretamente de Deus em visões e não por um esforço pessoal como qualquer um de nós pode fazer.
Vejamos os texto bíblicos sobre a "transferência" do sangue para dentro do santuário:   
LEVÍTICOS 1:
5 Depois degolará o bezerro perante o SENHOR; e os filhos de Aarão, os sacerdotes, oferecerão o sangue, e espargirão o sangue em redor sobre o altar que está diante da porta da tenda da congregação.
11 E o degolará ao lado do altar que dá para o norte, perante o SENHOR; e os filhos de Aarão, os sacerdotes, espargirão o seu sangue em redor sobre o altar. 
15 E o sacerdote a oferecerá sobre o altar, e tirar-lhe-á a cabeça, e a queimará sobre o altar; e o seu sangue será espremido na parede do altar;
O capítulo 2 trata da oferta de alimentos, talvez se você encontrasse uma dessas hoje diria, sem dúvida, se tratar de um "despacho" de macumba, mas as ofertas de alimentos também existiam e foi um ordenamento bíblico, porém não precisamos ser nenhum expert em sacrifícios para saber que tais ofertas não produz sangue, logo não se levavam suco de laranja ou azeite para jogar na cortina interna do Santuário, concorda?
Passemos ao capítulo seguinte:        
Capítulo 3   
1 E se a sua oferta for sacrifício pacífico; se a oferecer de gado, macho ou fêmea, a oferecerá sem defeito diante do SENHOR.
2 E porá a sua mão sobre a cabeça da sua oferta, e a degolará diante da porta da tenda da congregação; e os filhos de Arão, os sacerdotes, espargirão o sangue sobre o altar em redor.
8 E porá a sua mão sobre a cabeça da sua oferta, e a degolará diante da tenda da congregação; e os filhos de Arão espargirão o seu sangue sobre o altar em redor.
12 Mas, se a sua oferta for uma cabra, perante o SENHOR a oferecerá,
13 E porá a sua mão sobre a sua cabeça, e a degolará diante da tenda da congregação; e os filhos de Arão espargirão o seu sangue sobre o altar em redor.
Observem que nenhum sangue foi levado para dentro do Santuário até agora e já foram vários tipos de sacrifício, mas o próximo capítulo trata de 3 casos específicos, veja que interessante:   
Capitulo 3   
1 Falou mais o SENHOR a Moisés, dizendo:
2 Fala aos filhos de Israel, dizendo: (1)Quando uma alma pecar, por ignorância, contra alguns dos mandamentos do SENHOR, acerca do que não se deve fazer, e proceder contra algum deles;
3 Se o (2)sacerdote ungido pecar para escândalo do povo, oferecerá ao SENHOR, pelo seu pecado, que cometeu, um novilho sem defeito, por expiação do pecado.      
4 E trará o novilho à porta da tenda da congregação, perante o SENHOR, e porá a sua mão sobre a cabeça do novilho, e degolará o novilho perante o SENHOR.
5 Então o sacerdote ungido tomará do sangue do novilho, e o trará à tenda da congregação;       
6 E o sacerdote molhará o seu dedo no sangue, e daquele sangue espargirá sete vezes perante o SENHOR diante do véu do santuário.
7 Também o sacerdote porá daquele sangue sobre as pontas do altar do incenso aromático, perante o SENHOR que está na tenda da congregação; e todo o restante do sangue do novilho derramará à base do altar do holocausto, que está à porta da tenda da congregação.
14 E (3) quando o pecado que cometeram for conhecido, então a congregação oferecerá um novilho, por expiação do pecado, e o trará diante da tenda da congregação,       
15 E os anciãos da congregação porão as suas mãos sobre a cabeça do novilho perante o SENHOR; e degolar-se-á o novilho perante o SENHOR.
16 Entäo o sacerdote ungido trará do sangue do novilho à tenda da congregação,
17 E o sacerdote molhará o seu dedo naquele sangue, e o espargirá sete vezes perante o SENHOR, diante do véu. 18 E daquele sangue porá sobre as pontas do altar, que está perante a face do SENHOR, na tenda da congregação; e todo o restante do sangue derramará à base do altar do holocausto, que está diante da porta da tenda da congregação.

Note que há 3 casos em que uma parte do sangue é transferida para dentro do santuário, para ser aspergida no véu, e que nem todos os casos são as pessoas que imolam o animal do sacrifício, pois quando o pecado é coletivo, são dos anciãos essa responsabilidade.     
Agora prossigamos nos demais textos subsequentes para ver até onde "esticamos esse chiclete":       
AINDA NO CAPÍTULO 4: 
22 Quando um príncipe pecar, e por ignorância proceder contra algum dos mandamentos do SENHOR seu Deus, naquilo que não se deve fazer, e assim for culpado;
23 Ou se o pecado que cometeu lhe for notificado, então trará pela sua oferta um bode tirado das cabras, macho sem defeito;
24 E porá a sua mão sobre a cabeça do bode, e o degolará no lugar onde se degola o holocausto, perante a face do SENHOR; expiação do pecado é.
25 Depois o sacerdote com o seu dedo tomará do sangue da expiação, e o porá sobre as pontas do altar do holocausto; então o restante do seu sangue derramará à base do altar do holocausto.   
27 E, se qualquer pessoa do povo da terra pecar por ignorância, fazendo contra algum dos mandamentos do SENHOR, aquilo que não se deve fazer, e assim for culpada;
30 Depois o sacerdote com o seu dedo tomará do seu sangue, e o porá sobre as pontas do altar do holocausto; e todo o restante do seu sangue derramará à base do altar;    
34 Depois o sacerdote com o seu dedo tomará do sangue da expiação do pecado, e o porá sobre as pontas do altar do holocausto; então todo o restante do seu sangue derramará na base do altar.      
Observe que para o príncipe e para a pessoa da terra, além de derramar o sangue na base do altar, que ficava fora do Santuário com o véu, havia apenas o detalhe de se passar um pouco do sangue nas pontas das extremidades superiores do altar, mas nenhum sangue era transferido lá pra dentro.      
Prossigamos:
Capitulo 5 (trata de pecados com teor imoral ou perverso e de falsidade para com o próximo - leia o capítulo)        
9 E do sangue da expiação do pecado espargirá sobre a parede do altar, porém o que sobejar daquele sangue espremer-se-á à base do altar; expiaçäo do pecado é.        
Note agora o que acontece com o restante dessa oferta em específico:
13 Assim o sacerdote por ela fará expiação do seu pecado, que cometeu em alguma destas coisas, e lhe será perdoado; e o restante será do sacerdote, como a oferta de alimentos.    
No próximo caso não se fala nada sobre o sangue:       
18 E trará ao sacerdote um carneiro sem defeito do rebanho, conforme à tua estimação, para expiação da culpa, e o sacerdote por ela fará expiação do erro que cometeu sem saber; e ser-lhe-á perdoado.
Capitulo 6   
9 Dá ordem a Arão e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei do holocausto; o holocausto será queimado sobre o altar toda a noite até pela manhã, e o fogo do altar arderá nele.       
12 O fogo que está sobre o altar arderá nele, não se apagará; mas o sacerdote acenderá lenha nele cada manhã, e sobre ele porá em ordem o holocausto e sobre ele queimará a gordura das ofertas pacíficas.
14 E esta é a lei da oferta de alimentos: os filhos de Arão a oferecerão perante o SENHOR diante do altar. 16 E o restante dela comerão Arão e seus filhos; ázimo se comerá no lugar santo, no pátio da tenda da congregação o comerão.    
Observe que a oferta que o sacerdote come no local Santo, ou seja, dentro do Santuário, é a oferta de alimentos do capítulo 2, não existe animal nessa oferta, ele não come a carne do animal, mas frutos da terra (cereais, farinhas, pães, azeite,...)     
20 Esta é a oferta de Arão e de seus filhos, a qual oferecerão ao SENHOR no dia em que ele for ungido; a décima parte de um efa de flor de farinha pela oferta de alimentos contínua; a metade dela pela manhã, e a outra metade à tarde.
23 Assim toda a oferta do sacerdote será totalmente queimada; não se comerá.
25 Fala a Aräo e a seus filhos, dizendo: Esta é a lei da expiação do pecado; no lugar onde se degola o holocausto se degolará a expiação do pecado perante o SENHOR; coisa santíssima é.
26 O sacerdote que a oferecer pelo pecado a comerá; no lugar santo se comerá, no pátio da tenda da congregação. 27 Tudo o que tocar a carne da oferta será santo; se o seu sangue for espargido sobre as vestes de alguém, lavarás em lugar santo aquilo sobre o que caiu.
28 E o vaso de barro em que for cozida será quebrado; porém, se for cozida num vaso de cobre, esfregar-se-á e lavar-se-á na água.
29 Todo o homem entre os sacerdotes a comerá; coisa santíssima é.
30 Porém, não se comerá nenhuma oferta pelo pecado, cujo sangue se traz à tenda da congregação, para expiar no santuário; no fogo será queimada.
Aqui aparece uma determinação de comer a carne e de não comer conforme o tipo da expiação, no caso de comer é por expiação do pecado, ou seja, ofertas pacíficas não se incluem nessa ocasião, pois eram ofertas que se ofereciam em agradecimento à Deus, não em arrependimento.
Capitulo 7   
1 E esta é a lei da expiação da culpa; coisa santíssima é.
2 No lugar onde degolam o holocausto, degolarão a oferta pela expiação da culpa, e o   
6 Todo o varão entre os sacerdotes a comerá; no lugar santo se comerá; coisa santíssima é.        
15 Mas a carne do sacrifício de ação de graças da sua oferta pacífica se comerá no dia do seu oferecimento; nada se deixará dela até à manhã.
37 Esta é a lei do holocausto, da oferta de alimentos, e da expiação do pecado, e da expiação da culpa, e da oferta das consagrações, e do sacrifício pacífico,         
38 Que o SENHOR ordenou a Moisés no monte Sinai, no dia em que ordenou aos filhos de Israel que oferecessem as suas ofertas ao SENHOR, no deserto de Sinai.     
Como podemos observar, os textos bíblicos são claros, apenas em 3 casos as ofertas eram aspergidas seu sangue sobre o véu do Santuário.
Veja novamente o que escreveu Ellen G. White:   
"A parte mais importante do ministério diário era a oferta efetuada em prol do indivíduo. O pecador arrependido trazia a sua oferta à porta do tabernáculo e, colocando a mão sobre a cabeça da vítima, confessava seus pecados, transferindo-os assim, figuradamente, de si para o sacrifício inocente. Pela sua própria mão era então morto o animal, e o sangue era levado pelo sacerdote ao lugar santo e aspergido diante do véu, atrás do qual estava a arca que continha a lei que o pecador transgredira. Por esta cerimônia, mediante o sangue, o pecado era figuradamente transferido para o santuário. Nalguns casos o sangue não era levado ao lugar santo; mas a carne deveria então ser comida pelo sacerdote,..." Patriarcas e Profetas, p.354 ou se preferir: http://www.ellenwhitebooks.com/?l=2&p=354
Agora eu pergunto:        
Será que Ellen White se esqueceu disso?   
Será que Deus lhe deu a visão de forma errada?  
A resposta é simples:    
Ellen White deu a sua contribuição ao mundo com muitas boas coisas que escreveu, mas nem tudo o que ela escreveu é verdade, aqui está a prova de um erro grosseiro seu, que aparentemente não trás nenhuma complicação, mas que vai interferir em uma outra visão que ela teve no livro: "O Grande Conflito", mas esse assunto falaremos no próximo estudo.

Estude e aguarde!!!!!     

Boa semana a todos!!