domingo, 30 de março de 2014

SONHO DE UMA CRIANÇA DE MORAR NO CÉU

CRIANÇA COM CÂNCER SONHA MORAR NO CÉU

 

Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. 1 João 3:14

Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida. João 5:24

Quem crê em mim, como diz a Escritura, rios de água viva correrão do seu ventre. João 7:38 

Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido. Romanos 10:11 

E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão (esta criança) em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus. Tiago 2:23


quinta-feira, 27 de março de 2014

QUERO VER OS NATURISTAS DE PÚLPITOS

QUERO VER OS NATURISTAS DE PÚLPITOS
QUE ENSINAM QUE A CARAMBOLA É EXCELENTE PARA QUEM TEM PROBLEMAS DE RINS

MEDICINA: POR QUE PASSARINHO​S NÃO BICAM CARAMBOLA? 

Recebido por e-mail do amigo fraterno BQ-75 MAGNO

ISSO SÓ VEM CONFIRMAR O VELHO DITADO POPULAR: "PASSARINHO QUE COME PEDRA SABE OS RINS QUE TEM".

Passarinho não bica CARAMBOLA! - Utilidade pública


A Câmara de Vereadores da cidade de Jaú, no interior de SP, aprovou por unanimidade um projeto do vereador José Mineiro de Camargo (PSB) que obriga estabelecimentos como lanchonetes, bares, restaurantes, hospitais e repartições públicas municipais a afixarem cartazes alertando para o risco do consumo da carambola e do suco da fruta.

A carambola tem uma toxina que pode matar portadores de insuficiência renal.

A lei, que também estabelece aos donos de estabelecimentos que evitem a venda da fruta a pessoas que tenham complicações renais, vigora há menos de 2 meses. "É mais um alerta do que uma proibição às pessoas que têm insuficiência renal, para que não venham a sofrer as consequências.
 
A carambola tem uma neurotoxina que, se não for filtrada, vai direto para o sangue. Se o paciente portador de insuficiencia renal comer a fruta, ele deve contar ao médico, pois corre o risco de entrar em coma e morrer, se não fizer hemodiálise. O rim normal filtra a toxina", afirmou o vereador. Depois de contar que pesquisou o assunto, Camargo disse que os diabéticos também correm risco e que 99% da população desconhece os danos causados pela carambola.
 
O médico Eduardo Martins Rebec, nefrologista do setor de hemodiálise da Sta Casa de Jaú, confirma o risco no consumo da fruta. "Há risco de morte, sim. O rim de quem tem insuficiência renal não consegue eliminar a toxina, que se acumula no sangue e acomete o sistema nervoso central. Se o portador de insuficiência renal ingerir a carambola, pode ter convulsões e entrar em coma com risco de óbito", alerta. Para remover a toxina, é feita uma hemodiálise de urgência.
 
ATENÇÃO: O ASSUNTO É MUITO SÉRIO "Soube da periculosidade da carambola quando, em Jan/2010, minha esposa esteve internada no Hospital Albert Einstein, em SP. Na prescrição de sua dieta, estava explicitamente recomendado que pacientes portadores de insuficiência renal não deveriam consumir esta fruta." Moacyr Mansur TOXINA DA CARAMBOLA... (links no final da noticia) "Sei disto já faz tempo, pois meu pai ficava repetindo: "É muito estranho, porque os passarinhos não bicam as carambolas, mesmo quando estão bem maduras?"
 
Não deixem de ler mais informações nos links indicados abaixo.
 
http://www.todafruta.com.br/portal/icNoticiaAberta.asp?idNoticia=8327
 
http://taibioideias.blogspot.com/2010/03/toxina-da-carambola.html
 
http://medicinasnaturais.blogspot.com/2008/02/carambolas-vs-doentes-nefrolgicos.html
 
Fonte: http://rvchudo.blogspot.com.br/2011/09/medicina-por-que-passarinhos-nao-bicam.html?spref=fb

 

EX - TJS - II

Ex-Testemunha de Jeová conta como se transformou em ateu

 do leitor Regis (foto) a propósito de

Ex-fiel diz que TJs pressionam sua mãe para considerá-lo como morto

Sou ex-testemunha de Jeová e infelizmente casos de destruição familiar se repetem quando um dos membros TJs deixa a religião, seja por ser expulso ou por pedir para sair.

No meu caso, o bom foi que eu e minha esposa saímos juntos depois de ficarmos considerando as bases de nossa fé por dois anos. Se não fosse a pesquisa conjunta hoje nossa família estaria destruída.

Pedimos nossa saída por carta e uma comissão de anciãos julgou nosso pedido, aceitaram nosso desligamento, mas todos nossos familiares e antigos amigos que lá frequentam não podem mais nos dirigir a palavra.

O pai de minha esposa vive depressivo por ser ancião e ser obrigado a evitar a filha sob pena de perder o cargo. A vigilância entre os membros é severa e qualquer deslize pode levar a pessoa a ser julgada e desassociada, recebendo o mesmo tratamento de exclusão social.

O mundo das TJs é isolado, crescer lá sem nunca poder ter amizade com quem não é da mesma fé torna a expulsão avassaladora. Perder esse círculo social religioso significa estar sem qualquer suporte emocional, tudo afora das TJs é de Satanás.

A organização das TJs é voltada para criar no seguidor uma forte dependência mental, toda sua vida lá é dirigida através de normas e regras estudadas exaustivamente em revistas e livros. Mesmo alguma questão dita de "consciência" já tem pré-estabelecida a resposta certa a tomar.

O controle pelo medo é através de chantagem teológica. Você pode deixar a religião, mas vai pagar perdendo sua família, seus amigos, a vida eterna, o amor de Deus e a estabilidade emocional. TJs são enfraquecidos a ponto de não suportar o mundo sem a muleta religiosa.

A vida como TJ é mentalmente cansativa e seu estilo levam muitos à depressão, ser expulso tem levado a suicídios. Se uma pessoa já possui algum distúrbio mental e vive num ambiente TJ, é certo que seu caso será agravado. É um ambiente insalubre.

O caso de Realengo é um exemplo disso e foi pouco explorado o fator TJ na infância do maluco. Muito do molestamento que ele sofreu foi por ser TJ, como a própria irmã de criação afirmou no programa "A Liga" da Band. Ele tinha sido expulso das TJs e estava isolado da família. Será que esse fator não foi importante?

Quem deixa as TJs precisa de um novo círculo social para se estabelecer de forma mentalmente saudável. Porém alguns não suportam o isolamento e voltam para religião. Para ser aceito de volta a pessoa tem de frequentar as reuniões entrando sempre um pouco depois do inicio, não cumprimentar ninguém (ninguém vai cumprimenta-la também), tem de sentar-se nos fundos de forma discreta e sair imediatamente após a oração final. Os anciãos estarão avaliando sua submissão.

Após no mínimo seis meses nessa rotina de silêncio, o interessado tem de escrever uma carta mostrando arrependimento e os motivos de desejar ser a readmissão. Esta carta pode ser rejeitada e ele continuar na situação por anos. Isso quebra a personalidade humana.

A programação faz toda TJ acreditar que o mundo está muito perto do fim e que a única chance de salvação é dentro dessa organização, mas sair de lá não garante a libertação da mente.

Para minha família, a chave foi a coragem de aos poucos questionar e procurar respostas sérias. Conforme fomos pesquisando novas questões surgiram e mesmo que isso destruísse nossas antigas certezas, as respostas racionais trouxeram satisfação. Não que as respostas fossem o que desejávamos, não eram. No entanto isso foi nos livrando da dependência, da programação.
Com o tempo nossas perguntas tiveram de ir além das TJs, tivemos de investigar o cristianismo e suas bases, a Bíblia e suas origens.

Com o passar dos anos eu e minha esposa nos tornamos ateus, e é hoje um enorme alivio vermos nossos filhos longe do que poderia estar sendo a vida deles vivendo com medo e ignorância, pregando de casa em casa sobre a guerra de Jeová e o banho de sangue a fim de trazer um paraíso para robôs.

Leia mais em http://www.paulopes.com.br/2012/04/regis-conta-como-deixou-de-ser.html#ixzz2xAvMPGZd
Paulopes informa que reprodução deste texto só poderá ser feita com o CRÉDITO e LINK da origem.
 https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=3034081135379633401#editor/target=post;postID=6560964486823261591



EX - TJS


EX - TJS VÃO AS RUAS PARA COMBATER A DISCRIMINAÇÃO

Ramos pede à população reação à intolerância 

 Sebastião Ramos (foto), 55, vai com frequência às ruas de Fortaleza (Ceará) para combater a discriminação das Testemunhas de Jeová contra seus ex-seguidores e a intolerância praticada pelas demais religiões.

À frente de um grupo de pessoas — ex-TJs na maioria —, Ramos tenta sensibilizar a população munido de megafone, folhetos, faixas e carro de som. Ele tem usado a experiência que obteve como diretor de política e educação do Sindicato dos Servidores da UFC (Universidade Federal do Ceará).

A sua militância contra o fanatismo religioso se estende à internet e a outdoors. Ele tem procurado ajuda de autoridades governamentais, do Ministério Público e da Justiça. Fundou a Abravipre (Associação Brasileira de Apoio a Vítimas de Preconceito Religioso).

A obstinação marca a personalidade de Ramos. Quando foi fiel das TJs — por cerca de 10 anos, a partir de 2001 — ele batia de porta em porta para pregar a doutrina da religião. Acreditava piamente que assim estava ajudando a levar as pessoas para o reino de Deus.

Ramos, contudo, acabou sendo vítima da própria doutrina que pregava, com se tivesse sido atingido por um tiro que saiu pela culatra.

Ele foi sumariamente expulso das TJs, tornou-se um maldito, um desassociado. E por um motivo inesperado. Ramos estava publicando em jornais artigos elogiosos à doutrina. Até escreveu um texto fazendo restrição à transfusão de sangue.

Então ele deu conta de que as TJs cassam de seus fiéis o direito constitucional de livre expressão, pelo menos em relação a assuntos bíblicos e religiosos. Ninguém pode pensar com sua própria cabeça porque a igreja não tem controle sobre as conclusões às quais se pode chegar. Somente alguns poucos iluminados “anciões” (pastores) podem se manifestar em público sobre a doutrina.

Ramos passou a ser evitado por amigos, colegas e familiares que fazem parte da igreja. Sentiu o quanto pode ser odiosa e perversa a discriminação religiosa. Desde que foi chutado para fora dos salões das TJs, por exemplo, ele tem sido rejeitado pela sua irmã. Faz quatro anos.

Na entrevista abaixo, concedida por e-mail, além de sua luta contra a intolerância religiosa, ele fala por que se tornou um fiel das TJs e acabou escorraçado de lá. 

Entrevista

Leia mais em http://www.paulopes.com.br/2014/03/ex-tjs-sai-as-ruas-para-combater-discriminacao-religiosa.html#ixzz2xArzQg6S
Paulopes informa que reprodução deste texto só poderá ser feita com o CRÉDITO e LINK da origem. Diga-me como você se tornou seguidor das Testemunhas de Jeová, quanto tempo se manteve nessa religião e por que acabou sendo expulso sumariamente dos salões da igreja.

As Testemunhas de Jeová são treinadas para atingir toda sorte de pessoas. Eu estava totalmente descrente nas religiões, com o movimento sindical e com a política quando fui abordado por pregadores das TJs. Eles disseram que os integrantes da religião não se envolviam com eleições, e então me encantei à primeira vista com a sua proposta. Troquei as passeatas pela pregação de porta em porta e, tempos depois, fui julgado e expulso da congregação simplesmente por escrever artigos de opinião em jornais, falando bem da doutrina das TJs. Aproximadamente passei dez anos nessa organização.

Parece-me estranho que alguém seja expulso de uma religião porque estava escrevendo elogiando sua doutrina. Dá para explicar isso melhor? As TJs cassam o direito de livre expressão de seus seguidores, mesmo quando eles fazem elogio à doutrina? É isso?

Falar na mídia sobre a doutrina das Testemunhas de Jeová teria que ser por meio de um grupo seleto (comissionado) de anciãos congregacionais. Fui o primeiro a publicar matérias em jornais a respeito das crenças das Testemunhas de Jeová. O seu conteúdo se pautava em pontos sensíveis para a Sociedade Torre de Vigia [nome oficial da religião], que denomina o inteiro sistema religioso de babilônico. Minha intervenção era direta nesse sentido. O observe neste link um dos textos que fizeram os anciões aumentarem a pressão sobre mim. Recebia elogios das TJs pelos escritos e ainda hoje continuo a receber e-mails.

O problema é que o direito de expressão não existe para as Testemunhas de Jeová, pois as publicações da congregação vêm condensadas aos interesses da cúpula que administra os templos no Brasil.

Fiquei com a impressão de que a direção da Sociedade Torre de Vigia temia que eu sozinho, começando a fazer análise de textos bíblicos, poderia identificar alguma contradição naquilo que eles pregam, invocando passagens bíblicas, como, por exemplo, o tratamento que deve ser dispensado a ex-membros, totalmente fora de qualquer propósito divino ou humano.

Na termologia das TJs, você foi “desassociado”, o que é pior do que a excomunhão da Igreja Católica, porque, no seu caso e de tantos outros, há por parte dos integrantes da igreja uma discriminação descarada, sem nenhum disfarce.

É isso mesmo que acontece. E o mais grave, no caso de expulsão, é que você não pode trocar sequer um “oi” com seus antigos amigos. Faz quatro anos que eu não vou à casa de minha irmã porque, para quem não mora sob o mesmo teto de seus familiares, o apartheid é total. Isso gera danos psicológicos gravíssimos, alguns até irreversíveis. Trata-se de um dos maiores atentado à vida e aos direitos humanos.

Você recorreu ao Ministério Público, que acionou a Justiça. Em que pé se encontra o processo judicial?

São três processos. Uma ação penal contra lideranças locais (ajuizada pelo MP do Estado do Ceará), uma ação civil pública pelo MPF/CE e uma ação por danos morais pela Defensoria Pública do Ceará. As duas primeiras foram extintas e a terceira continua sub judice.

Você realmente acredita que uma decisão judicial favorável a sua luta contra a intolerância, caso ocorra, possa mudar algo que está enraizado na doutrina das TJs? Você não estaria sendo idealista demais (para não dizer inocente), como já foi quando defendia essa mesma doutrina?

Na época em que abri um procedimento no Ministério Público Estadual do Ceará contra os pastores que me desassociaram, houve uma grande expectativa em todo o país. Entretanto, para um movimento que estava dando seus primeiros passos, precisava de algo que proporcionasse sustentação política devido às pressões crescentes da Torre de Vigia contra mim. E então passamos a "dialogar" com a sociedade através de panfletagens e manifestações sobre o tema. A Torre de Vigia, apavorada, enviou carta a todas as congregações da Grande Fortaleza e região alertando sobre o “perigo” que representava o nosso movimento. Na realidade estávamos corretos, pois nossas ações resultaram na construção de um movimento muito mais forte, o que possibilitou a criação da primeira associação de combate à intolerância religiosa no Brasil, a ABRAVIPRE.

Em resumo: em um determinado momento você se decepcionou com a política, com o movimento sindicalista e, de maneira geral, com as religiões, e acabou se encantando com as Testemunhas de Jeová, como se o dogmatismo dessa crença fundamentalista pudesse ser uma solução. Agora você procura apoio de políticos para combater a discriminação religiosa. Mas os políticos não estão preocupados com esse tipo de coisa. Eles querem mesmo é agradar os religiosos, incluindo os mais conservadores, na expectativa de obter votos. Você não estaria de novo navegando em um barco furado?

Concordo em número, gênero e grau com que você diz na pergunta. Historicamente, a política sempre esteve atrelada às religiosidades. Quando comecei a denunciar a desassociação, passei a bater na porta de todos os segmentos da sociedade, independentemente de sua ideologia política — partidária, religiosa e social. Quando passei a denunciar a tortura psicológica praticada contra as ex-Testemunhas de Jeová, consegui apoio institucional de alguns políticos que historicamente já combatiam violações de direitos humanos.

Retomando ao começo da entrevista, tenho uma curiosidade: na época em que escrevia elogios à doutrina das TJs, você chegou a defender a proibição de transfusão de sangue?

Todas as Testemunhas de Jeová acreditam piamente em tudo que é ensinado pelos pregadores, inclusive no veto às transfusões sanguíneas por motivo bíblico. Cheguei a publicar um artigo defendendo a transfusão (Novos Experimentos Revolucionam a Medicina Transfusional). Após a publicação desse texto, recebi uma visita da Colih — Comissão de Ligação com Hospitais — em meu trabalho, intimando-me a parar de escrever. Após a minha desassociação, denunciei as mortes que têm acontecido pela recusa das transfusões de sangue por meio de outro artigo (Morte imposta por decreto religioso).

Você atualmente segue alguma religião? 

Sou um defensor da liberdade religiosa. As pessoas têm o direito de exercer fé, ingressar em uma religião ou não ter fé em uma divindade. Particularmente, a proposta que as religiões hoje oferecem não me atrai mais. A máxima dos antigos repassada pelo meu pai é a metodologia que acredito hoje: "Creia em Deus, que é santo velho". Essa frase, em conexão com a leitura da Bíblia, me convenceu de que Deus não habita em templos erigidos por mãos humanas. Ou seja, onde dois ou três se reunirem em nome de Cristo, ou em particular, qualquer lugar, acredito que nossas orações podem ser ouvidas..

Para finalizar, fale um pouco sobre a Associação Brasileira de Apoio a Vítimas de Preconceito Religioso (ABRAVIPRE), da qual é fundador. Que tipo de apoio a associação dá às vítimas e dê exemplo de casos que têm aparecido por lá.

A ABRAVIPRE é fruto de uma trajetória muito conturbada. Denunciar a intolerância religiosa além do mundo virtual, em faixas, outdoors, manifestações públicas, TVs, rádios, jornais impressos), provoca fortes reações dos opressores.

Por outro lado, estamos colhendo frutos. Ao passamos com o áudio pelas ruas e avenidas, as pessoas saem às portas para nos cumprimentar e receber panfletos. Muitos têm afirmado que não mais frequentam o salão do reino das Testemunhas de Jeová devido ao nosso trabalho. Outros desistem do estudo da Bíblia com esse grupo.

A ABRAVIPRE é a primeira associação que se propõe a ajudar pessoas de todas as religiosidades que se sentirem discriminadas. Continuamos em processo de construção, objetivando uma ampliação de tarefas nos demais estados. Voluntários se propõem a nos ajudar em diversas modalidades. Um exemplo: um desassociado de Minas Gerais, que é proprietário de bancas de jornais, se propôs a colocar panfletos nos encartes que serão distribuídos aos milhares. Uma forma simples, mas objetiva. Outros deixam o panfleto nas caixas de correio, etc.

Mais exemplo: uma mulher denunciou que sua irmã doou seu carro e um cheque de valor expressivo para determinada igreja. Depois, ela passou a entregar parte do dinheiro da aposentadoria de sua própria mãe. A ABRAVIPRE procurou algumas entidades de direitos humanos para atuar em conjunto nessa causa, até porque nosso movimento desde o início tem conseguido apoios institucionais.

Não por acaso que, em parceria com entidades religiosas e institucionais, formalizamos o nosso Comitê Estadual em Defesa do Respeito à Liberdade Religiosa, Direitos Humanos e contra a Intolerância Religiosa - um ganho imensurável.

Leia mais em http://www.paulopes.com.br/2014/03/ex-tjs-sai-as-ruas-para-combater-discriminacao-religiosa.html#ixzz2xAsKUw6A
Paulopes informa que reprodução deste texto só poderá ser feita com o CRÉDITO e LINK da origem.


Ramos levou para rua sua luta contra intolerância religiosa

https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=3034081135379633401#editor/target=post;postID=6560964486823261591

segunda-feira, 24 de março de 2014

A DIVINDADE DE CRISTO E DE SATANÁS SÃO IGUAIS?



A DIVINDADE DE CRISTO E DE SATANÁS SÃO IGUAIS?
ANÁLISE DA DOUTRINATESTEMUNHA DE JEOVÁ


Para ser entendida esta questão sem deixar nenhuma dúvida, é necessário que façamos uma analogia sobre a questão.
Eu estaria conversando com um de vocês leitores e faço a seguinte afirmação: O “X” é meu grande amigo.
Você para contestar minha afirmação ou para insinuar que o “X” não é um bom amigo como eu pensava e cria, você faz a seguinte afirmação: Os vagabundos também são teus melhores amigos.
Para quem tem um mínimo de inteligência foi o mais que suficiente para entender que você quis fazer a seguinte afirmação: Entre teu amigo “X” e os vagabundos não tem nenhuma diferença porque os mesmos têm caráter, personalidade, moral e ética iguais. Tanto faz ser amigo do “X” bem como de um vagabundo que dá no mesmo.
Vamos entrar em detalhes sobre a questão entre Cristo e Satanás.
No livro “PODERÁ VIVER PARA SEMPRE NO PARAÍSO NA TERRA”, as Testemunhas de Jeová fizeram a seguinte afirmação comparando a divindade, moral, caráter e ética de Cristo igual à de Satanás simplesmente com a intenção de tentarem provar que Cristo não é Deus e de rejeitarem Sua divindade. Chegaram ao ponto de igualar a divindade de Cristo com a do Demônio.
Pg. 40: Mas, não é Jesus chamado de deus na Bíblia? Poderá perguntar alguém. Isto é verdade. Contudo, Satanás também é chamado de deus. II Cor. 4: 4.



Em outras palavras: A divindade de Cristo e de Satanás é igual para as Testemunhas de Jeová e entre os dois não há nenhuma diferença no ser divino, portanto, Cristo e Satanás são dois seres divinos de caráter, moral, ética e personalidade iguais.
A pessoa ou a religião que é usada por Deus, jamais, em hipótese alguma fará uma comparação maligna dessa entre Cristo e Satanás. Somente os que têm em verdade o Espírito Santo e a presença de Deus é que afirmam ser a divindade, moral, caráter, ética e personalidade de Cristo totalmente diferente da do Demônio. Portanto, vos quero fazer compreender que ninguém que fala pelo Espírito de Deus diz: Jesus é anátema, e ninguém pode dizer que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo. I Coríntios 12: 3.
A organização das Testemunhas de Jeová com esta afirmação mostrou e provou que é usado pelo mesmo espírito que usou os fariseus para malignizar o trabalho de Cristo. Mas os fariseus, ouvindo isto, diziam: Este não expulsa os demônios senão por Belzebu, príncipe dos demônios. Mateus 12: 24.
Tem como acreditar que esta organização é obra de Deus?
Eu não creio.
É impossível uma religião ser usada por Deus desqualificar o Salvador a tal ponto de igualá-Lo a o chefe dos demônios.
Porventura, agora sou vosso inimigo por revelar a verdade sobre a organização?
Aguardem novas revelações.
Autor: Eurias R. Carneiro


  

sexta-feira, 21 de março de 2014

TRÊS RAZÕES PORQUE A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE É DIABÓLICA



TRÊS RAZÕES PORQUE A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE É DIABÓLICA




Por Fabio Campos

Texto base: “Mas o Espírito expressamente diz que nos últimos tempos apostatarão alguns da fé, dando ouvidos a espíritos enganadores, e a doutrinas de demônios” – 1 Timóteo 4.1 AFC
A serpente era o mais astuto de todos os animais (Gn 3.1), e desde a criação vem enganado a muitos (Ap 12.9). “Endeusar” o homem e o “tornar divino” são o sucesso do marketing: “... e vocês serão como Deus” (Gn 3.5). Satanás tem seus planos; mas o principal deles é nos afastar da simplicidade de Jesus Cristo (2 Co 11.3), a qual nos faz humanos pela humildade (Fp 2.5-8).
A “Teologia da prosperidade”, movimento também conhecido como “confissão positiva” e “palavra da fé”, apregoa que a marca do cristão maduro é a plena saúde física e emocional, e a prosperidade material. O cristão da confissão positiva é “supercrente”, pois acredita que nada o atinge. Esse movimento surgiu na primeira metade do século XX, nos Estados Unidos. De acordo com essa doutrina, o cristão não deve ser atingido pelas vicissitudes da vida, assunto que ainda atrai multidões devido às carências da vida. Seus arautos proclamam que a pobreza não faz parte dos propósitos divinos.
Na tentativa de fazer do homem um “semideus”, seus adeptos alegam por ter sido o homem criado a imagem e semelhança de Deus, assim também Ele deseja distribuir riqueza, saúde e felicidade àqueles que têm fé e a experimentem intensamente. Essa teologia é irresponsável pelo seu pragmatismo. Sem nada a perder, mas tudo a ganhar, o fiel é incentivado a apostar tudo para que, de imediato ou em um curto período de tempo, qualquer situação de revés mude radicalmente, experimentando assim o sentimento de já estar no caminho da prosperidade.
Muitos promovem congressos de batalha espiritual para “exorcizar” os diversos tipos de demônios [inventado por eles ou copiado dos cultos afros]. Dizem, se o crente está no deserto, é porque tem brecha em sua vida ou foi possuído pelo demônio. Contudo, se esquecem de que, quem conduziu Cristo para o deserto foi o Espírito de Deus e não o Diabo. O Diabo estava no deserto e não no “corpo de Jesus” (Mt. 4.1).  O Senhor nos conduz para o deserto para provar nosso coração (Dt 8.2). Depois de ter jejuado quarenta dias e quarenta noites, Jesus teve fome. As necessidades físicas de Cristo lhe sobrevieram com força apenas depois de muitos dias. Isto só lhe foi possível porque seu alimento era fazer a vontade de Deus (Jo 4.34) - assim subjugava sua fome com Sua Palavra (Mt 4.4). Os teólogos da prosperidade não se sujeitam a vontade do Senhor. Antes, determinam sua própria vontade pela confissão positiva. Suas exegeses comprovam que eles são nutridos pelos tesouros terrenos, visto o seu desprezo para com a “Sã Doutrina”.
Com base na passagem de Mateus (4.1-11), onde Jesus foi tentado no deserto pelo Diabo, quero trazer a luz das Escrituras, os ensinos e as promessas dos “teólogos da prosperidade” fronte o que foi “ensinado” e “prometido” a Cristo pelo Diabo.

AS TRÊS FORMAS QUE SATANÁS FALA PELA BOCA DESTES “TEÓLOGOS”:

I)              “O tentador aproximou-se dele e disse: “Se você é o Filho de Deus, mande que estas pedras se transformem em pães”“. (Mateus 4.3 AFC)
O Diabo sempre nos tenta a usarmos de métodos carnais e pragmáticos para provarmos ao mundo que somos de fato filhos de Deus. “Se você é filho de Deus - não aceite esta dificuldade - não aceite esta luta e nem essa enfermidade - mas venha para nossa igreja”, dizem eles com seus “evangelismos corporativos”. Com doutrinas espúrias transformam pedras em pães para suprir a necessidade do momento não importando o seu meio. Preocupam-se não com o que é certo, mas o que dá certo. Suas igrejas estão lotadas de pessoas, porém, grande parte, insatisfeitas com aquilo que possuem, sempre querendo mais. Esses agentes de satanás se colocam na posição de “heróis da guerra”, mas sem domínio próprio (Pr. 16.33), são dominados pela cobiça e sensualidade das riquezas. 
A verdade da Palavra de Deus não faz sentido para eles. Negam o Soberano Senhor que diz: “Nem só de pão viverá o homem, mas de toda palavra que sai da boca de Deus”. Ela é o verdadeiro alimento, e supri até nossas necessidades físicas em tempos de crises e provações (Dt 8.3). Um fato que comprova a malignidade desta teologia se encontra na escassez da Palavra nos púlpitos destas igrejas. O contraste disso é a pregação de auto-ajuda que foca no acúmulos de bens e no bem estar do homem ao invés de exaltar a Cristo e proclamar a Glória de Deus. Nisto prova-se que estão pervertendo a verdade juntando tesouros terrenos.  
II)            Então o diabo o levou à cidade santa, colocou-o na parte mais alta do templo e lhe disse: "Se você é o Filho de Deus, jogue-se daqui para baixo. Pois está escrito: ‘Ele dará ordens a seus anjos a seu respeito, e com as mãos eles o segurarão, para que você não tropece em alguma pedra’". (Mateus 4. 5-6 AFC)
Os teólogos transportam muitos para os seus templos. No clima do sacro, colocam seus membros nas “partes mais altas”, dizendo: “você nasceu para ser cabeça e não calda; vai emprestar ao invés de tomar emprestado”, e com a proposta de destaque sobre os demais, seja na igreja - seja na empresa ou na família, dizem: “Se você é filho de Deus, prove ao mundo esta verdade”. Aprenderam com o seu pai em como tirar textos do seu contexto para auferir benefícios que suprem a ganância do seu coração. Promovem a ostentação dos bens. Reivindicam promessas que não foram prometidas. Os crentes carnais, os quais desejam as coisas da carne, caem no seu conto porque não são seduzidos pela as coisas do Espírito (Rm 8.5).
A resposta do Senhor Jesus: “Não tentarás o Senhor teu Deus”, é uma prova clássica do quanto estes teólogos não têm temor. Tentar a Deus é lançar dúvida sobre o seu caráter. Ficam pedindo sinais. A fé não pede sinais - quem pede sinais é a dúvida - e aquele que duvida quando pede é semelhante à onda do mar, que é levada pelo vento, e lançada de uma para outra parte. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa (Tg 1.6-7). Homem inconstante em todos os seus caminhos. Vemos com frequência esses apóstolos e bispos colocarem Deus na parede. Assim como fez satanás com Cristo dizendo: “joga-te daqui para baixo”, assim também fazem eles dizendo: “se Deus não fizer, eu rasgo minha Bíblia”. Que absurdo! O povo vai ao delírio; Deus passa a ser o coadjuvante e servo no culto, ao invés de ser Cristo e Senhor para a Glória de Deus Pai. Determinam pela palavra da fé [criada na mente deles], e rejeitam a Palavra de Deus que é Eterna e imutável. Tentam a Deus o tempo todo! As rádios ditas evangélicas estão cheias de promessas baseadas na reciprocidade. “Se Deus não fizer eu devolvo a oferta”. Dorme nesse barulho, vai...! Suas obras são más, porque são mentirosas, por isso têm eles por pai o Diabo (1 Jo 3. 8-10). 
III)           “Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles. E disse-lhe: Tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”. (Mateus 4.8-10 AFC)
Os teólogos da prosperidade não se satisfazem apenas em transportarem pessoas para dentro dos seus templos. Eles precisam levá-los aos “lugares mais altos” e “mostrar-lhes toda a glória e riquezas deste mundo. Por isso encontramos testemunhos sensacionalistas, onde de mendigo, em menos de um ano, o fiel passa a ser diretor da “Vale do rio doce”. “Vejam vocês, a mão de Deus está aqui”, é o papo furado deles. Mostram gente bonita e rica, e junto deles “toda a riqueza” em eleva estima. Essa pregação é anti-bíblica, e estes testemunhos não trazem a glória para Deus, pois o mesmo Senhor diz para “não amarmos o mundo nem nele o que há” (1 Jo 2.15). São predadores e não pregadores! Atacam as vítimas por meio dos seus discursos triunfalistas aguçando a cobiça da carne, a cobiça dos olhos e a ostentação dos bens - todas essas coisas que não provém de Deus, mas do mundo (1 Jo 2.16). Enganam mais ainda o coração dos indoutos que já é corrupto por natureza (Jr 17.9).
São sectários! Pela “idolatria messiânica” aguçada pelas vitórias terrenas, afirmam que suas denominações [se assim podemos chamá-las], são o “caminho”, a “verdade” e a “vida”. “Aqui tem milagre”, é o grito desses hipócritas. Dizem serem eles a resolução para todos os problemas. “Você quer cura, restauração da família ou dinheiro? faça o sacrifício – faça um voto -, afinal, vocês precisam tomar uma atitude”, são suas palavras de “incentivo”. Satanás continua falando hoje: “tudo isto te darei se, prostrado, me adorares”. Adorar não se restringe apenas em curvar a fronte frente outro deus, mas em não entregar o coração ao Único Deus. O “deus” destes pregadores é “mamon”. Jesus foi bem claro ao dizer que “não tem como servir a dois senhores; será inevitável em amar a um e aborrecer o outro; se dedicar a um e desprezar o outro” (Mt 6.24). A ordem para a igreja é: “Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro”. E como bem disse nosso Senhor para terminar com batalha no deserto: “Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás” (Mt 4.10 AFC). Pelos apelos sabemos quem é o “deus” destes “pregadores” e a quem eles adoram.

Conclusão:


A teologia da prosperidade transforma igrejas em empresas e fieis em clientes. É grande e ainda cresce o número de pessoas que não querem mais saber de igreja por causa dos abusos e das frustrações por não terem recebido o que lhe foi prometido. Hoje as ofertas são muitas: alegria, paz, cura, restauração, riquezas e posses. Tudo isso em único produto: “jesus”. O Dr. Paulo Romeiro, pastor da Igreja Cristã da Trindade e professor de ciências e religião da Universidade Mackenzie, diz que “o problema da ‘teologia da prosperidade’ não é a ‘prosperidade’, mas a ‘teologia’”. Ser próspero é bíblico e assim Deus faz de alguns conforme sua Soberania. O contrário também deve ser arrazoado. Ser pobre e de condição humildade não é sinal de maldição. O grande problema da “prosperidade” pregada por estes teólogos é que ela não é bíblica. Antes é “luciferiana”! Não tem contentamento e por isso usam todo tipo de método para auferir ganhos e obter lucros. A prosperidade bíblica tem por plenitude o viver contende em toda e qualquer situação – seja na abundância, seja na escassez – pois o crente é fortalecido em Cristo e assim pode passar por todas as coisas sendo suprido pelo pão que não perece (Fp 4.12-13).
Muitos ignoram o alerta de Jesus - “cuidado com os falsos profetas. Eles vêm a vocês vestidos de peles de ovelhas, mas por dentro são lobos devoradores” (Mt 7.15) -, usando fora do contexto “não julgueis para não ser julgado”. Não podemos fazer o gosto do Diabo. Não se opor a mentira é ser conivente dela. O Senhor nos ensina a “julgarmos os frutos” (Mt 7. 16-23), pois nem todo aquele que diz Senhor é do Senhor; não podemos dar crédito a qualquer espírito; antes, precisamos prova-los se procedem de Deus, porque muitos falsos profetas têm saído pelo mundo a fora (1 Jo 4.1).  
Algumas características dos teólogos da prosperidade:        
Usam de versículos bíblicos sem contexto para seu próprio beneficio (Mt 4.6).
Privam-se da verdade para obter lucro (1 Tm 6.5).
Não suportam a “sã doutrina”, por isso não ensinam a teologia ortodoxa cristã; antes inventam “todo tipo e doutrina” que se amolde a suas concupiscências (2 Tm 4.3).
Têm aparecia de piedade; são carismáticos; choram com o “povão” (2 Tm 3.5).
São avarentos e amantes de si mesmo (2 Tm 3.2).
Por amarem as coisas ao invés de pessoas, têm por “deus” seu próprio ventre, e por Deus foram sentenciados como “inimigos da cruz” (Fp 3. 18-19)
Amam mais a “Jerusalém” terrestre do que a celestial (Fp 3.20).


Alerta:

Tome cuidado com suas profecias. Ainda que tal profecia ou sinal proceda conforme o que foi dito, tenha muito cuidado. Pois estes só farão seguir a outros deuses, e assim Deus permitiu que tal profecia ou sinal se cumprisse para provar nosso coração, para saber se amamos o Senhor, nosso Deus, de todo o nosso coração e de toda nossa alma (Dt 13. 1-3).
Muitos ignorarão o artigo e dirão que duro foi à escrita. De fato escrevi com muito ódio, mas não do homem, apenas do Diabo e do pecado [o qual também habita em mim]. Contudo, em Deus por meio de Cristo, sou o que sou, e isto pela graça; sabendo do chamado que foi dispensado aos santos (Jd 3), o temor me é constante, pois sei que terei um maior rigor no juízo por haver recibo como dom o ensino das Escrituras (Tg 3.1), e nisto importa, obedecer a Deus do que a homens, sendo escravo da minha consciência que ter por norte a Palavra de Deus.
Que Deus nos livre destes agentes do Diabo nababescos que querem ficar ricos e que querem levar uma vida megalomaníaca. Eles caem em muitas tentações, pois o amor ao dinheiro é a raiz de todos os males e nessa cobiça alguns se desviram da fé, se atormentando em muitas dores. Não ignoremos os ardis de satanás (2 Co 2.11), pois está escrito:
“E também houve entre o povo falsos profetas, como entre vós haverá também falsos doutores, que introduzirão encobertamente heresias de perdição, e negarão o Senhor que os resgatou, trazendo sobre si mesmos repentina perdição. E muitos seguirão as suas dissoluções, pelos quais será blasfemado o caminho da verdade. E por avareza farão de vós negócio com palavras fingidas; sobre os quais já de largo tempo não será tardia a sentença, e a sua perdição não dormita”. – 2 Pedro 2. 1-3 AFC
Soli Deo Gloria!
Fabio Campos

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

Decepcionados com a graça; ROMEIRO, Paulo; Ed. Candeia.
Super Crentes; ROMEIRO, Paulo; Ed. Mundo Cristão.