sábado, 9 de maio de 2015

PORQUE CRISTO NÃO VOLTOU EM 1844? II

PORQUE CRISTO NÃO VOLTOU EM 1844? II


Por anos acreditei que Satanás levava nossos pecados como sendo o responsável dos mesmos.
Lendo cuidadosamente as Sagradas Escrituras, podemos notar que há uma inconsequência extraordinária sobre esta questão.
A primeira inconsequência a ser mostrada é com referência ao bode que ficava vivo, é ensinado que ele era o bode Azazel, quando na verdade ele era mandado para Azazel após ter sido feito com ele a expiação pelo povo e pelo santuário, a expiação era feita com dois bodes, um vivo e outro morto.
Um dos bodes tinha a sorte de ser sorteado para Azazel e o outro para o Eterno. Sendo assim, o bode não era Azazel, apenas era enviado para Azazel.
Mas o bode sobre que cair a sorte para Azazel será posto vivo perante o Senhor, para fazer EXPIAÇÃO COM ELE a fim de enviá-lo ao deserto para Azazel.
Como já foi analisado no estudo anterior, vamos nos aprofundar mais um pouco sobre quem levava os pecados do povo perdoado, se era o Diabo (como dizem) ou Cristo como hoje eu creio baseado nos textos Sagrados. Lev. 16: 10.
O bode que era escolhido para ser entregue a Azazel morria no deserto como fome, sede, desprezado e fora do arraial do povo de Deus, da mesma forma Cristo foi entregue a Azazel (judeus/romanos) para ser morto fora de Jerusalém com fome, sede, desprezado e fora do arraial do povo de Deus.
O bode era levado vivo para o deserto, Cristo foi levado vivo para fora de Jerusalém, onde desde o dia anterior estava sem comer e sem beber.
O bode que era escolhido para o Eterno também morria fora do santuário e seu sangue era conduzido depois para dentro do santuário pelos sacerdotes e sumo sacerdotes.
Como podemos ver os dois bodes tinha o mesmo destino que era a morte fora do santuário e apenas o sangue de um era levado para o santuário e o outro representava que os pecados perdoados jamais seriam novamente trazido a existência, pois está perdoado é não ter passado sujo.
Com os dois bodes eram feito a expiação e é impossível fazer expiação por intermédio do Diabo.
Porque os corpos dos animais, cujo sangue é trazido para dentro do santo lugar pelo sumo sacerdote como oferta pelo pecado, SÃO QUEIMADOS FORA DO ARRAIAL.       
Por isso também Jesus, para santificar o povo pelo seu próprio sangue, SOFREU FORA DA PORTA.
Heb. 13: 11, 12.
A outra questão é que as pessoas ensinam que o bode Azazel leva ou levava os pecados do povo perdoado, mas lendo de forma honesta e sem o olhar pretensioso da teologia, podemos observar que a história é totalmente diferente.
Quem levava ou leva nossos pecados perdoados é Cristo e jamais o Diabo, o bode Azazel jamais foi responsabilizado pelo ser humano ter pecado, na verdade quem nos justifica é quem se responsabiliza por nossos atos pecaminosos diante do Eterno, Cristo não é culpado por pecarmos, Ele apenas se responsabiliza por nós como pecadores, isto é justificação pela fé o que encaixa perfeitamente no simbolismo que representava o bode que era conduzido para Azazel.
LEVANDO ELE PRÓPRIO OS NOSSOS PECADOS em seu corpo sobre o madeiro, a fim de que, mortos aos pecados, vivamos à justiça. Por suas feridas fostes sarados. I Ped. 2: 24.
Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e carregou com as nossas dores; e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.    
Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e esmagado por causa das nossas iniquidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.
Isa. 53: 4, 5.
Ignorar, rejeitar ou manipular estes textos para defender uma teoria ou doutrina que se adequada de forma aparente com a verdade de origem duvidosa é muito perigoso, pois na presença de Deus os mentirosos não serão contados, principalmente os que insinuam de forma direta ou indireta o personagem de Cristo com o Diabo.
O termo “Azazel” é meramente uma adaptação da palavra hebraica. As duas primeiras letras da palavra significam “BODE”, sobre o qual caia a sorte. O restante da palavra significa “IR EMBORA” ou “PARTIR”, e isso era exatamente o que o bode fazia. Assim, o bode era apresentado vivo “para ir embora”, também interpretado como “bode emissário”. 
Muitos teólogos aceitam a idéia que Azazel seja o líder dos espíritos maus do deserto, conhecido pelo nome de Satanás. Essa fundamentação não é extraída da Bíblia, mas de livros apócrifos como de I Enoque e Apocalipse de Abraão. Esses teólogos dizem que Levítico 16 sugere e esses livros apócrifos confirmam. Por que esses teólogos não buscam subsídios da própria fonte da verdade que é a Bíblia e somente a Bíblia?  
Os dois bodes apresentados a Deus deveriam ser sem mancha e sem defeito. No caso, eram tão semelhantes, que foi lançado sortes entre ambos E JAMAIS ESCOLHIDOS QUEM REPRESENTA QUEM - QUALQUER UM PODERIA SER O OUTRO POR MEIO DO SORTEIO. Se um dos dois bodes representava Satanás, pergunta-se: É Satanás um personagem sem mancha e sem defeito? Por que não foi escolhido um bode defeituoso qualquer para melhor simbolizá-lo?
A verdade é que os dois bodes representaram uma só oferta pelo pecado e evidentemente uma dupla representação de Cristo. O ponto principal é que os pecados pelos quais o primeiro bode morre, são levados embora pelo segundo.

A BÍBLIA ENSINA O SEGUINTE:

1. Houve uma só e única oferta no Calvário (Hebreus 7:27 e Hebreus 10:10 e 12). Não seguiu ofertando Seu sangue até hoje como na teoria da passagem 1843/44 do santo para o santíssimo ensina.   

2. A redenção foi completada com a morte de Jesus (Hebreus 9:11-12). Não depende de um processo investigativo a partir de 22 de outubro de 1844. A outra questão é: Deus vai investigar o que mesmo de minha vida se Ele é Onisciente? Ou seja, sabe de tudo mesmo antes de ter acontecido, sabe do passado e do presente. Insinuar que Deus investiga a vida da pessoa é afirmar que Deus está destituído de Sua Onisciência ou que, Deus ter Onisciência é mentira da Bíblia.

3. Os pecados confessados são imediatamente removidos (Atos 3:19). Esta remoção não depende de um juízo investigativo.      

4. A salvação é concedida imediatamente (Efésios 1:7 e Colossenses 1:14). Não depende de um juízo investigativo.       

5. Quando Jesus subiu ao Céu, entrou no Santíssimo e assentou-Se à direita de Deus (Hebreus 10:12 e 19). Jesus não ficou num Lugar Santo, intermediário, até 1844. 

6. Desde Sua ascensão Jesus atuou sempre como nosso Sumo Sacerdote (Hebreus 6:20).     

7. “Pelo Seu próprio sangue, entrou Jesus no Santíssimo, uma vez por todas, havendo obtido uma eterna redenção.” (Hebreus 9:12). Nada ficou para depois. Definitivamente, a morte de Jesus foi 100% eficaz. 
Fico com o que está escrito e nada mais.
Autor: Eurias R. Carneiro.

sexta-feira, 1 de maio de 2015

UMA PEQUENA GRANDE PERGUNTA:

UMA PEQUENA GRANDE PERGUNTA:


Porque o costume de cristo era freqüentar as sinagogas aos sábados, ao mesmo tempo não tinha por costume freqüentar o templo aos sábados?
Eu sei o porquê, mas é importante que vocês esbocem vossas opiniões para que cheguemos a um consenso comum, afinal é pregado que cristo aos sábados freqüentava as sinagogas, mas os mesmos nunca pregaram o motivo pelo qual a Bíblia não menciona que ele freqüentava o templo de Jerusalém aos sábados.
Há mistério a ser desvendado neste caso, para quem sabe desta verdade não há mistérios.
 Já que a teologia e os pastores omitem esta ocorrência comparativa e essencial para o aprendizado espiritual dentro da honestidade, é por não conhecerem ou é de forma proposital para defenderem suas crenças.
As sinagogas foram criadas em babilônia pelos judeus para orarem e lerem a Tora, pois não tinham templo. A sinagoga só era aberta aos sábados pela manhã e de domingo a sexta eram fechada, ou seja, se cristo quisesse ir as segunda estava fechada, por isso era o costume dele ir aos sábados porque era o único dia que estava aberto.

O Tabernáculo que Moisés construiu, o templo de Salomão bem como o templo que Herodes o grande construiu, era aberto de domingo a sábado, do nascer do sol ao por do sol.

Se cristo fosse na segunda estaria aberto e se fosse aos domingos estaria aberto.
Este é o motivo pelo qual não era costume de cristo ir aos sábados ao templo porque ele ia em qualquer dia da semana, curar, adorar, pregar, louvar e etc.
Esta é a diferença entre o templo e as sinagogas, entre ter o costume de ir às sinagogas apenas aos sábado e ao templo não.
Não há um texto dentro da Bíblia afirmando que era costume de cristo ir ao templo em dia de sábado e tão somente com referência a sinagoga, e usar este texto para defender uma doutrina como eu mesmo já fiz é muita falta de conhecimento e desonestidade.
Como o templo era aberto de domingo a sábado e a sinagoga somente em dia de sábado. Este era o motivo pelo qual ele tinha por costume de ir à sinagoga em dia de sábado.

Se fosse aberto todos os dias da semana os textos com referência a freqüência a sinagoga não teria especificação de algum dia da semana como o faz com referência a freqüência ao templo.
O templo sempre foi superior as sinagogas em toda a história israelita.
No templo eram feitos sacrifícios, adorações e o ministério de salvação, nas sinagogas eram feito somente a leitura da Tora e dado opiniões sobre a leitura.
No templo havia adoração até aos domingos bem como sacrifícios e ofertas ou em qualquer dia da semana.
Não há um texto dentro da Bíblia afirmando que o dia de sábado é o dia de adoração ou o dia especial de adoração.
Ir além do que está escrito é corromper a palavra para sua própria destruição.
Fico apenas com o que está escrito. GAL. 1: 6 - 9.

Autor: Eurias R. Carneiro